Pular para o conteúdo principal

Telescópio espacial TESS faz primeira descoberta de planeta do tamanho da Terra


Esta é uma concepção artística do HD 21749c, o primeiro planeta de tamanho semelhante ao da Terra encontrado pelo Satélite de Pesquisa de Exoplanetas em Transição da NASA (TESS), assim como seu irmão, o HD 21749b, um mundo quente de tamanho pouco menor do que Netuno.(Ilustração de Robin Dienel, cortesia da Instituição Carnegie para a Ciência)

Um sistema estelar próximo abriga também um planeta pouco menor do que Netuno

O telescópio espacial TESS, cujo nome é a sigla para em inglês para Satélite de Pesquisa de trânsito de Exoplanetas, fez sua primeira descoberta de um planeta com tamanho semelhante ao da Terra. Ele fica num um sistema próximo, que abriga também um mundo quente e menor do que Netuno. O estudo foi feito pela equipe de astrônomos que inclui Johanna Teske, da Carnegie, Paul Butler, Steve Shectman, Jeff Crane e Sharon Wang. O trabalho foi publicado no Astrophysical Journal Letters.

“É tão empolgante que a TESS, que foi lançada há apenas um ano, já é um divisor de águas no ramo de caça a planetas”, disse Teske, que é o segundo autor do estudo. “A espaçonave examina o céu e colaboramos com a comunidade de acompanhamento da TESS para sinalizar alvos potencialmente interessantes para observações adicionais usando telescópios e instrumentos baseados em terra.”

Uma dessas ferramentas, o Espectrógrafo para Descoberta de Planetas (PFS na sigla em inglês), que fica no telescópio Magellan II, no Observatório Carnagnie de Las Campanas, no Chile, foi um componente crucial desse esforço. Ela ajudou a confirmar a natureza planetária do sinal TESS e a medir a massa do recém-descoberto sub-Netuno.

O PFS – construído por Shectman e Crane usando um método iniciado por Butler e seus colaboradores – funciona usando uma técnica chamada método de velocidade radial, que atualmente é a única maneira que os astrônomos têm de medir as massas de planetas individuais. Sem massas conhecidas, é muito difícil determinar a densidade de um planeta ou sua composição química geral.

Esse método tira proveito do fato de que a gravidade de uma estrela não apenas influencia o planeta que a orbita, mas a gravidade do planeta também afeta a estrela. O PFS permite que os astrônomos detectem essas pequenas oscilações que a gravidade do planeta induz na órbita da estrela.

“PFS é um dos únicos instrumentos no Hemisfério Sul que pode fazer esses tipos de medidas”, acrescentou Teske. “Então, será uma parte muito importante de caracterizar ainda mais os planetas encontrados pela missão TESS.”

Com uma órbita que leva cerca de 36 dias para ser concluída, o sub-Netuno, chamado HD 21749b, possui o período mais longo de qualquer uma das descobertas publicadas pela TESS até o momento. Por causa da técnica que a TESS emprega, prevê-se que a maioria dos planetas encontrados pela missão terão períodos orbitais de menos de 10 dias, então o HD 21749b é uma exceção. De fato, isso também tornou a detecção do planeta nos dados da TESS um desafio extra.

“Houve bastante trabalho de detetive envolvido, e as pessoas certas estavam lá na hora certa”, disse a principal autora, Diana Dragomir, do Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial do MIT. “Mas tivemos sorte e captamos os sinais, e eles foram muito claros.”

Sua estrela hospedeira tem cerca de 80% da massa do Sol e se encontra a cerca de 53 anos-luz da Terra. O HD 21749b tem cerca de 23 vezes a massa da Terra e um raio de cerca de 2,7 vezes o raio terrestre. Sua densidade indica que o planeta tem uma atmosfera substancial, mas não é rochoso. Por isso, poderia ajudar os astrônomos a entender a composição e a evolução das atmosferas mais frias do planeta sub-Netuno.

Interessantemente, o planeta sub-Netuno de período longo do sistema não está sozinho. Tem um planeta irmão, o HD 21749c, que leva cerca de oito dias para orbitar a estrela hospedeira e é muito menor – semelhante, em tamanho, à Terra.

“Medir a massa e a composição exata de um planeta tão pequeno será desafiador, mas importante para comparar a HD 21749c à Terra”, disse Wang. “A equipe PFS da Carnegie continua a coletar dados sobre esse objeto com esse objetivo em mente.”

Graças ao TESS, os astrônomos poderão medir as massas, composições atmosféricas e outras propriedades de muitos exoplanetas menores pela primeira vez. Embora pequenos exoplanetas sejam comuns em nossa galáxia, ainda há muito a aprender sobre sua diversidade e sobre como eles se comparam aos planetas em nosso próprio Sistema Solar.

“Para as estrelas que estão muito próximas e muito brilhantes, esperávamos encontrar até um par de dúzias de planetas do tamanho da Terra”, disse Dragomir. “E aqui estamos nós – este seria o nosso primeiro, e é um marco para o TESS. Ele define o caminho para encontrar planetas menores em torno de estrelas ainda menores, e esses planetas podem potencialmente ser habitáveis.”

INSTITUIÇÃO DE CARNEGIE PARA A CIÊNCIA

FONTE: SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…