Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 3, 2016

"Vendo" buracos negros com telescópios de uso doméstico

Um observador do céu com um telescópio de tamanho médio, 20 cm de abertura, pode potencialmente ver luz do buraco negro "vizinho" V404 Cygni, localizado a cerca de 7800 anos-luz da Terra.
Crédito: Eiri Ono/Universidade de Quioto

Tudo o que precisa, para observar um buraco negro ativo nas proximidades, é de um telescópio de 20 cm.

Uma equipa internacional de investigadores anunciou que a atividade de tais fenômenos pode ser observada no visível durante grandes explosões, e que a luz tremeluzente que emerge dos gases em redor dos buracos negros é um indicador direto disto. Os resultados da equipa, publicados na Nature, indicam que a luz no ótico, não apenas os raios-X, fornecem dados observacionais confiáveis da atividade dos buracos negros.

"Sabemos agora que podemos fazer observações no visível e que os buracos negros podem ser observados sem telescópios que observam em raios-X ou raios-gama," explica a autora principal Mariko Kimura, estudante de mestrado da Univ…

Spitzer e Hubble localizam "gêmeos" de super-sistema estelar Eta Carinae noutras galáxias

A grande erupção de Eta Carinae na década de 1840 criou a Nebulosa de Homúnculo, fotografada aqui pelo Hubble, e transformou o binário num objeto único na Via Láctea. Os astrônomos ainda não conseguem explicar o que provocou esta erupção. A descoberta de gémeos prováveis de Eta Carinae noutras galáxias vai ajudar os cientistas a melhor compreender esta fase breve na vida de uma estrela massiva.
Crédito: NASA, ESA e equipa SM4 ERO do Hubble


Eta Carinae, o sistema estelar mais luminoso e massivo até 10.000 anos-luz de distância, é conhecido pela sua enorme erupção observada em meados do século XIX e que atirou pelo menos 10 vezes a massa do Sol para o espaço. Este véu de gás e poeira em expansão, que ainda envolve Eta Carinae, torna-o o único objeto conhecido do seu gênero na Via Láctea. Agora, um estudo usando dados de arquivo dos telescópios Spitzer e Hubble da NASA descobriu, pela primeira vez, cinco objetos com propriedades semelhantes noutras galáxias.

"As estrelas mais massiv…

Piloto observou imenso UFO em 1958

Bombardeiro B-25 semelhante ao que Jack Sladkey pilotava quando de seu avistamento em 1958

Em um evento de veteranos da Força Aérea o capitão aposentado Jack Sladkey descreveu seu impressionante avistamento

Em um evento dedicado a veteranos da Força Aérea norte-americana (USAF) em Tallgrass Creek, Kansas City, o capitão Jack Sladkey descreveu um avistamento de UFO quando estava em missão em 1958. Ele estava a bordo de um bombardeiro North American B-25 Mitchell, voando com outras duas aeronaves em missão de treinamento de navegação. A esquadrilha voava ao longo da fronteira oeste do estado do Texas em uma noite de verão, quando ao olhar pela janela Sladkey observou o que primeiro tomou como uma refinaria de petróleo.

Seu navegador imediatamente respondeu: "Aquilo não está no solo. Está próximo de nossa asa". Eles voavam a 10.000 pés de altura, e Jack percebeu que o objeto tinha inúmeras luzes em sua superfície. O UFO os acompanhou por cerca de 15 minutos, quando subitamente…

Vídeo de ator que diz ter visto óvni não é montagem, diz professor

Especialista da Unesp analisou se imagem feita em voo passou por edição.
Rodrigo Andrade postou vídeo que mostra objeto acompanhando aeronave.

O vídeo feito pelo ator Rodrigo Andrade que mostra um objeto voador não identificado (óvni) durante um voo particular entre o Rio de Janeiro e Campinas (SP) é autêntico e não é uma montagem, segundo análise das imagens feita por um professor de comunicação da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp).
A imagem foi postada pelo ator no Facebook, em 31 de dezembro de 2015, e já foi visualizado mais de 400 mil vezes até a tarde desta quarta-feira (6). "A gente tá acompanhando um objeto aqui não identificado acompanhando a nossa aeronave", disse o ator.
No vídeo, um objeto luminoso muda de tamanho constantemente e ele não aparece no radar da aeronave e nem é captado pela torre de controle da Força Aérea Brasileira (FAB), segundo o piloto que comandava o voo particular, que saiu do aeroporto Santos Dumont com destino a Viracopos.
Procur…

Astrônomos brasileiros registram cometa Catalina

POR SALVADOR NOGUEIRA

O cometa Catalina (C/2013 US 10), que avança rapidamente para se esconder nos céus do hemisfério Norte, atingiu seu brilho máximo neste 4 de janeiro. O Mensageiro Sideral então contatou Cristóvão Jacques, astrônomo amador do Observatório SONEAR — instalação dedicada à busca de asteroides ameaçadores à Terra, localizada em Oliveira (MG) –, na esperança de que o grupo pudesse obter um registro de “despedida” do cometa nos céus do Brasil.


Registro feito pelo Observatório SONEAR, em Oliveira (MG), revela as duas caudas do Catalina (Crédito: SONEAR)

O tempo ajudou, e os astrônomos mineiros conseguiram um belo registro. Na foto, pode-se ver duas caudas do cometa, uma produzida pelo rastro de poeira (que acompanha a trajetória do cometa) e outra gerada pela ionização de partículas pela radiação solar. Essa se desloca sempre na direção oposta ao Sol e aparece na diagonal, à direita. A imagem em versão negativa deixa as duas caudas ainda mais evidentes.

O vídeo, por sua …

Campos magnéticos fortes no núcleo de estrelas de massa intermédia

Os campos magnéticos vistos no interior das gigantes vermelhas são remanescentes de uma fase anterior em que os núcleos estelares albergavam convecções turbulentas, criando um "dínamo". Os campos magnéticos só estão presentes em estrelas mais massivas que o Sol porque a convecção no núcleo só ocorre nessas estrelas.
Crédito: Universidade de Sydney


Um grupo internacional de astrônomos liderados pela Universidade de Sydney descobriu que campos magnéticos fortes são comuns no interior das estrelas, não tão raros quanto se pensava, o que irá afetar drasticamente a nossa compreensão de como as estrelas evoluem.

Usando dados da missão Kepler da NASA, a equipa descobriu que as estrelas apenas um pouco mais massivas que o Sol têm campos magnéticos internos até 10 milhões de vezes mais poderosos do que o da Terra, com implicações importantes para a evolução e destino final das estrelas.

"Isto é tremendamente excitante e totalmente inesperado," afirma o astrofísico Dennis St…

Há um mistério escondido nos buracos perfurados pela Curiosity em Marte

Em sua lenta subida no Monte Sharp, o rover Curiosity, da NASA, esbarrou em um mistério digno de seu nome: sílica. Muita, muita sílica. E a descoberta pode ajudar na compreensão do passado geológico do Planeta Vermelho, incluindo que tipo de vida pode ter existido por lá.

O silício é um dos elementos mais abundantes na Terra, mas nós não havíamos detectado altas concentrações de minerais de silício em Marte até sete meses atrás, quando a sonda se aproximou do “passo Marias”, uma zona de contato entre duas unidades rochosas localizadas próximas ao pé do Monte Sharp. Foi lá que o instrumento laser ChemCam da sonda identificou, pela primeira vez, sedimentos repletos de sílica, com concentrações de até 90%. A descoberta foi tão surpreendente que a equipe científica da missão tomou a rara decisão de virar o veículo para dar uma volta e fazer mais buscas no local.

Depois de perfurar alguns buracos e executar medidas elementais e minerais por um período de quatro meses, a Curiosity foi capa…

Não creio: Hillary Clinton promete liberar informações sobre UFOs

Em recente entrevista durante a campanha presidencial norte-americana, ex-primeira dama e secretária de estado afirma que irá buscar respostas para a questão ufológica

Hillary Clinton, atualmente em campanha para ser a candidata do Partido Democrata para as próximas eleições presidenciais dos Estados Unidos, marcadas para 08 de novembro de 2016. Depois de muita pressão, especialmente por parte do Paradigm Research Group, comandado pelo diretor executivo Stephen Bassett, Hillary respondeu em recente entrevista para o jornal The Conway Daily Sun que pretende tratar do assunto dos UFOs caso seja eleita.

O PRG tem incansavelmente atuado em Washington, capital norte-americana, a fim de que o governo dos Estados Unidos reconheça a realidade dos discos voadores e divulgue o que sabe sobre a matéria. Nesse sentido, chegou inclusive a publicar uma carta aberta à também ex-senadora Clinton, recordando o interesse que seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, manifestou por diversas vezes. O PR…

EUA voltam a produzir plutônio-238 para missões espaciais

O primeiro lote produziu 50 gramas de plutônio-238 (no interior do frasco segurado pela garra robótica).[Imagem: ORNL]

Sondas espaciais nucleares

A produção de um lote inicial de 50 gramas de plutônio-238 marcou a retomada da capacidade de produção do isótopo radioativo pelos EUA.

É a primeira vez que o material é produzido desde os acordos de restrição de armamentos nucleares da década de 1980, quando foi fechada a chamada Planta do Rio Savana, na Carolina do Sul.

Atualmente os EUA divulgam a existência de um estoque de 35 quilogramas (kg) de plutônio-238.

O material é importante porque serve de combustível para sondas e robôs espaciais, como o Curiosity, que está explorando Marte, e a sonda New Horizons, que mostrou ao homem pela primeira vez a face de Plutão.

O plutônio-238 produz calor conforme decai. Esse calor é usado para produzir eletricidade para alimentar os equipamentos das sondas e robôs espaciais e para manter esses equipamentos aquecidos no frio do espaço e de planetas …

O Caso Augusto Leverger

Artigo originalmente publicado no Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV) - Edição 12 - novembro de 1959.

Ao longo da história da humanidade são inúmeros os registros de aparições de ÓVNIS em céus de todo o planeta. Com o advento da Imprensa tais registros tornaram-se mais comuns como vemos no artigo presente no Boletim Oficial Mensal do Departamento de Relações Públicas da Companhia Carris, Luz e Força do Rio de Janeiro LTDA., em seu número 59, do mês de maio de 1959. Num artigo sob Título DISCOS VOADORES, de autoria de CJ Dunleo temos vários casos documentados na segunda metade do século 19:
“Não é de hoje que se fala em discos voadores. Deixando de parte as histórias fantásticas, sem qualquer fundamento, registramos algumas observações feitas por astrônomos, capitães de navios e outras pessoas dignas de crédito:
Em 1870, o jornal “The Times”, de Londres, noticiava que um estranho objeto elíptico fora visto naquela cidade a 26 de setembro; um ano depoi…

Satélite chinês envia à Terra primeiros dados da busca pela matéria escura

Tem novidade na caça pela matéria escura: o satélite chinês DAMPE (explorador de partículas de matéria escura), que foi lançado em 17 de dezembro. As estações terrestres começaram a receber os primeiros dados transmitidos a partir dele. Com todos os sistemas operando na capacidade máxima, o satélite começa oficialmente sua missão de três anos.

Os planetas, estrelas, galáxias e tudo mais que vemos corresponde a apenas 4,9% do universo. Cerca de 26,8% são matéria escura. (O resto — 68,3% — é feito de energia escura, que, de acordo com as hipóteses dos físicos, é a causa da aceleração da expansão do universo.)

Nós sabemos que ela está lá por causa de seus efeitos indiretos — há até mesmo um mapa detalhado, graças ao Levantamento de Energia Escura — e os físicos vêm tentando há anos detectar diretamente a matéria escura, usando instrumentos no céu e em aceleradores de partículas, mas tudo isso sem sucesso até agora.

O DAMPE é semelhante, em se tratando de design, ao AMS (espectrômetro ma…

Céu da Semana - 04/01/2016 até 10/01/2016 - Tsiolkosky e a Equação do Foguete

FONTE: UNIVESP TV

Qual nome os japoneses deveriam dar ao raro elemento químico 113?

Físicos de partículas japoneses receberam um ótimo presente de Ano Novo: eles ganharam o direito de nomear o elemento superpesado que eles passaram mais de uma década tentando criar em laboratório. É a primeira vez que uma equipe de físicos da Ásia terá a honra de nomear um novo elemento.

Eles venceram uma equipe rival de físicos do Instituto Conjunto de Pesquisa Nuclear em Dubna, Rússia, e do Laboratório Nacional Lawrence Livermore (LLNL), nos EUA.

O elemento 113, provisoriamente conhecido como unúntrio, fica bem entre o copernício e o fleróvio na tabela periódica – mas você não encontrará nenhum deles na natureza. Os físicos tiveram de criá-lo em um acelerador de alta energia, como Tony Stark fez em Homem de Ferro 2, usando seu próprio cíclotron para descobrir um novo elemento.

Para os físicos do mundo real, isso demorou muito mais tempo – sintetizar um novo elemento é mais complicado sem uma montagem cinematográfica para acelerar as coisas.

Caçando o elemento 113
Tudo começou em 2…

Madame Wu e o experimento de fim de ano que mudou a Física para sempre

A maioria de nós recebe o ano novo com a família e os amigos. A ciência, entretanto, não tira férias – nem os cientistas responsáveis ​​por grandes experimentos em curso. Um dos mais famosos exemplos históricos disso é o caso da física Chien-Shiung Wu — muitas vezes chamada de “Madame Wu” — que desistiu de passar a virada com seu marido na década de 1950 para provar que a natureza é ligeiramente canhota.

Por muito tempo, os físicos pensaram que, quando se trata das leis da Física, a natureza não tem preferência de direita ou esquerda. Isso significa que o nosso mundo deveria ser praticamente idêntico a sua imagem espelhada. É uma forma de simetria. Matematicamente, ela é conhecida como paridade, e deveria ser conservada em todos os processos subatômicos. E é, de fato, pelo menos para o eletromagnetismo e para a força nuclear forte. Vários experimentos mostram que as coisas eram exatamente desse jeito.

Mas em 1956, dois teóricos americanos de origem chinesa enviaram um pequeno artigo …