Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

A Ciência nossa de cada dia - Canal Nostalgia Ciência (Felipe Castanhari)

À frente do Canal Nostalgia – com mais de 10 milhões de seguidores –, Felipe Castanhari, o 7º youtuber mais influente do mundo, prepara-se para lançar seu segundo projeto fora do YouTube, tratando justamente de um dos assuntos que lhe rendeu a indicação para o Prêmio Veja-se de Educação em 2017: ciência. O quadro do Nostalgia dedicado a temas científicos chega agora no NOW, serviço de streaming da NET, em um documentário de uma hora intitulado “Onde estão todos os alienígenas?”. Em entrevista a VEJA, Castanhari falou sobre este projeto, sobre sua experiência anterior fora da plataforma – o Guia Politicamente Incorreto, série do History Channel da qual é apresentador – e os desafios para produzir conteúdo de qualidade na internet.

Você comanda um canal de sucesso. Por que decidiu investir em projetos fora do YouTube?

_Sempre me incomodou o senso de urgência que predomina no YouTube. Para manter o engajamento, eu tinha que publicar um vídeo novo praticamente toda semana. Isso comprome…

Objetos celestes fantásticos e onde habitam

Plutão é ou não é planeta? E que chance temos de responder isso com convicção absoluta? (Crédito: Nasa)

Salvador Nogueira
“O que há num nome?”, já se perguntava Shakespeare. “Aquilo a que chamamos rosa, com qualquer outro nome, continuaria a exalar o mesmo perfume.” Mas e o que chamamos de planetas, estrelas e luas? O caso é rigorosamente o mesmo. Categorizar coisas é uma das obrigações da ciência, em seu esforço reducionista de entender a natureza. Mas é preciso entender os limites desse exercício e reconhecer que as definições são arbitrárias.

A situação familiar a todos é a de Plutão. É ou não é planeta? Os dinamicistas defendem que não — a origem de Plutão não é igual à dos outros oito planetas, já que seu nascimento foi incapaz de dragar a maior parte da massa residente em sua órbita para si.

Já os cientistas planetários, aptos a estudar corpos celestes por suas características intrínsecas, discordam. Para eles, Plutão tem complexidades típicas de planeta: diversificação em cama…

Cientistas encontram novas evidências de gelo na superfície da Lua

SUPERFÍCIE DA LUA (FOTO: DIVULGAÇÃO/NASA)

"Manchas" de água congelada foram localizadas nos polos norte e sul de nosso satélite: descoberta pode auxiliar futuras colônias lunares

Após décadas de investigações, cientistas localizaram alguns pontos sobre a Lua que reforçariam os indícios da presença de gelo na superfície de nosso satélite natural. Com o auxílio de equipamentos da NASA responsáveis por fazer uma análise em infravermelho, os astrônomos encontraram centenas de manchas que indicam a presença de água congelada nos polos sul e norte da Lua.

A maior parte do gelo foi encontrada no polo sul, entre crateras que se formam na região. Ao norte, a ocorrência de água congelada acontece em pontos isolados. Os locais que abrigam vestígios de gelo têm temperatura média de -163ºC.

Os autores do estudo guiaram sua busca a partir de projeções feitas em computador. Para isso, tiveram o auxílio dos dados enviados pela Chandrayaan-1, sonda indiana lançada em 2008 que descobriu ves…

Mapa de 1491 que pode ter auxiliado Cristovão Colombo é reconstruído

TÉCNICAS DIGITAIS AUXILIARAM A RECUPERAÇÃO DE TEXTOS E IMAGENS (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Produzido pelo cartógrafo alemão Henricus Martellus no século 15, mapa foi utilizado durante as Grandes Navegações

Apesar das hipóteses de que navegadores chineses e escandinavos já tivessem percorrido nossas bandas, os territórios que compõem a América erameram ilustres desconhecidos dos cartógrafos europeus até o final do século 15. Para se orientar pelo oceano, exploradores como o genovês Cristovão Colombo (que estava a serviço da Coroa Espanhola) dependiam dos modestos conhecimentos geográficos disponíveis: um dos mapas provavelmente utilizados pelo navegador foi confecicionado pelo alemão Henricus Martellus em 1491. Agora, 527 anos depois, é possível conferir os detalhes daquele item cartográfico após um processo de reconstituição feito com o auxílio da tecnologia.

Com uma técnica que "filtra" informações a partir do espectro eletromagnético, pesquisadores da universidade norte-americana …

4 artefatos antigos que nos deixam intrigados até hoje

O disco de Festos e o dodecaedro romano

A ciência, a engenharia e os avanços da tecnologia são sempre capazes de nos surpreender com engenhocas que facilitam nossa vida ou acabam mudando a forma como nos relacionamos.

Mas há artefatos criados há milhares de anos que podem ter tido grande impacto sobre a vida das pessoas em sua época - sem que saibamos exatamente como.

São objetos desenhados e construídos por nossos antepassados, que permanecem bem conservados, mas cujo uso ou função se perdeu ao longo da História. Ninguém sabe dizer exatamente como foram feitos - e sua real utilidade permanece um mistério.

A BBC listou quatro desses objetos:

1. A pilastra de ferro que não corrói

A Índia abriga muitos mistérios e obras impressionantes. Uma delas é o Pilar de Ferro de Déli, uma coluna de ferro de sete metros de altura e que, segundo avaliações de especialistas, foi construída há 1,6 mil anos. Apesar do tempo, ela não oxidou.

O pilar pesa cerca de seis toneladas e é uma das curiosidades…

Fotografia de alta velocidade troca distância por tempo

Em lugar de pensar na "distância focal", pense no "tempo focal" - dá no mesmo, mas as lentes ficam minúsculas. [Imagem: Barmak Heshmat/MIT]

Tempo focal

Pesquisadores do MIT, nos EUA, desenvolveram uma nova técnica de óptica para fotografia que captura as imagens com base no tempo de reflexão da luz dentro do conjunto de lentes, em lugar da abordagem tradicional, que se baseia no arranjo espacial das lentes.

Esse novo princípio cria possibilidades de novos recursos para câmeras sensíveis ao tempo ou à profundidade, que não são possíveis com a óptica de fotografia convencional.

Especificamente, Barmak Heshmat e seus colegas projetaram uma óptica para um sensor ultrarrápido conhecido como câmera streak, um sensor de altíssima velocidade que captura a emissão de luz de fenômenos que ocorrem em períodos extremamente curtos. As câmeras streak e outras câmeras ultrarrápidas têm sido usadas para fazer vídeos com trilhões de quadros por segundo, digitalizar livros fechados…

Céu da semana - 20/08 a 26/08/2018

O famoso Catálogo de Messier possui um objeto cuja posição foi calculada erroneamente, e só em 1934, a confusão foi desfeita. Sabe qual é? Descubra agora, no Céu da Semana!



FONTE: UNIVESP TV

Os matemáticos que ajudaram Einstein e sem os quais a Teoria da Relatividade não funcionaria

As ideias de matemáticos do século 19 deram a Einstein o que ele precisava para desenvolver a Teoria da Relatividade (PIXABAY)

Marcus du Sautoy
Da série da BBC "Breve história da Matemática"

O físico alemão Albert Einstein (1879-1955) é um gênio famoso. Sua imagem nos é familiar. Sua Teoria da Relatividade é célebre. Mas, sem as ideias de três matemáticos do século 19, essa que é a principal teoria de Einstein simplesmente não funcionaria.

A matemática é a chave para entender o universo físico. Como disse o filósofo italiano Galileu Galilei certa vez, sem o farol criado por essa ciência, estaríamos dando voltas em um labirinto escuro.

Matemáticos pioneiros deram a Einstein um mapa para navegar pelo labirinto mais escuro de todos: o tecido do Universo. János Bolyai, Nikolái Lobachevski e Bernhard Riemann criaram novas geometrias que nos levaram a mundos estranhos e flexíveis.

"Einstein era um bom matemático intuitivo e teve um pouco de problema com essas ideias, mas sab…

A sequência de acasos que levou à descoberta do Big Bang

Até meados dos anos 1960, não havia evidência que sustentasse a teoria da Grande Explosão

BBC News
Adaptado da série 'The Genius of Accidents'

Muitas das grandes descobertas da ciência só vieram após extensas pesquisas, cálculos rigorosos e procedimentos controlados em laboratório. Parte delas, contudo, é resultado de uma combinação de erros, acasos e acidentes - a teoria do Big Bang é um exemplo.

A origem do Universo foi descoberta em um lugar em que ninguém buscava. E foi formulada graças a uma descoberta fortuita anterior - a que deu origem à radioastronomia, ramo da astronomia que estuda as radiações eletromagnéticas emitidas ou refletidas pelos corpos celestes.

"Na década de 1930, os laboratórios Bell estavam tentando criar radiotelefones, mas havia um sinal que estava interferindo nas transmissões pelo Atlântico. Pediram a Karl Jansky (físico e engenheiro de rádio) para investigar", contou à BBC News Sara Bridle, professora de astrofísica da Universidade de Ma…

A verdadeira face da 'Eva de Naharon', a mulher mais antiga das Américas

Rosto da 'Eva de Naharon' foi criado digitalmente a partir de crânio mais antigo já encontrado nas Américas (CÍCERO MORAES)

Edison Veiga
De Milão para a BBC News Brasil

Ela é a mulher mais antiga das Américas - pelo menos é o mais antigo fóssil humano encontrado no continente. Dezessete anos depois de ter seus restos mortais encontrados, a "Eva de Naharon" é apresentada com sua face real. Graças a um trabalho de reconstituição em 3D, o crânio dessa mulher ancestral, cuja ossada foi encontrada no México e que viveu há 13,6 mil anos, ganhou traços realistas que permitem ver como eram suas feições.

"O trabalho realizado é congruente e preciso com as características físicas dos habitantes do sul da Ásia, ou seja, coincide com estudos antropológicos e de DNA realizados em fósseis humanos encontrados nessa região, todos apontando para uma ascendência asiática", afirmou à BBC News Brasil o espeleólogo e investigador subaquático Octavio del Río, pesquisador do Ins…

Encontrando buracos negros de massa intermediaria

O levantamento COSMOS Legacy mostra dados que forneceram evidências para a existência de buracos negros de massa intermédia.
Crédito: raios-X - NASA/CXC/ICE/M. Mezcua et al.; infravermelho - NASA/JPL-Caltech; ilustração - NASA/CXC/A. Hobart

Os cientistas deram passos importantes na sua busca para encontrar buracos negros que não são nem muito pequenos nem extremamente grandes. A descoberta destes elusivos buracos negros de massa intermediaria pode ajudar os astrônomos a melhor compreender as "sementes" dos maiores buracos negros do Universo primitivo.

A nova investigação surge de dois estudos separados, cada um usando dados do Observatório de raios-X Chandra da NASA e de outros telescópios.

Os buracos negros que contêm entre cem e várias centenas de milhares de vezes a massa do Sol são chamados buracos negros de "massa intermediaria" (IMBHs, singla inglesa para "intermediate mass black holes"). Isto porque a sua massa os coloca entre os bem documentados …

Numa região massiva do espaço, astrônomos encontram muito menos galáxias do que o esperado

Uma simulação de computador da distribuição da matéria no Universo. As regiões alaranjadas contêm galáxias; as estruturas azuis são gás e matéria escura.
Crédito: Colaboração TNG

Astrônomos da Universidade da Califórnia, incluindo três da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), resolveram um mistério sobre o Universo primitivo e suas primeiras galáxias.

Os astrônomos sabem que há mais de 12 bilhões de anos, cerca 1 bilhão de anos após o Big Bang, o gás no espaço profundo era, em média, muito mais opaco do que é agora em algumas regiões, embora a opacidade variasse muito de local para local. Mas não tinham a certeza do que provocava essas variações.

Para saber porque é que essas diferenças ocorreram, os astrônomos usaram um dos maiores telescópios do mundo, o telescópio Subaru em Mauna Kea, Hawaii, para procurar galáxias com estrelas jovens numa região excecionalmente grande do espaço - com 500 milhões de anos-luz de diâmetro - onde sabiam que o gás intergaláctico era extrem…

Índia planeja lançar astronautas no espaço em 2022

O país se tornaria o quarto do mundo a realizar uma missão tripulada fora da Terra, depois de Estados Unidos, Rússia e China

Por Rafael Battaglia

Ná última quarta (15), durante um discurso em Nova Délhi, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, anunciou que o governo tem planos de enviar astronautas ao espaço em 2022, quando o país completará 75 anos de independência. Se o plano se confirmar, a Índia se tornará o quarto país do mundo a realizar missões tripuladas para fora da Terra, junto com Estados Unidos, Rússia e China. Segundo a Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO, na sigla em inglês), o projeto existe há cerca de dez anos, e começará com duas missões não tripuladas, a primeira delas a ser lançada em 2020.

A ISRO atingiu um recorde no ano passado ao lançar, com apenas um foguete, 104 satélites em órbita. Ok, eram 103 nanossatélites e apenas um satélite. Mas está valendo. Por lá, os astronautas são chamados de vyomnautas – em sânscrito, uma língua ancestral da regi…

Telescópio Hubble faz "retrato" do Universo há 11 bilhões de anos

Os astrônomos acabaram de montar um dos retratos mais abrangentes da história evolutiva do universo, baseado em um amplo espectro de observações do Telescópio Espacial Hubble e de outros telescópios espaciais e terrestres. Em particular, a visão ultravioleta do Hubble abre uma nova janela no universo em evolução, acompanhando o nascimento de estrelas nos últimos 11 bilhões de anos até o mais movimentado período de formação de estrelas do cosmos, cerca de 3 bilhões de anos após o big bang. Esta foto engloba um mar de aproximadamente 15.000 galáxias - 12.000 das quais são formadoras de estrelas - amplamente distribuídas no tempo e no espaço. Este mosaico é 14 vezes a área do campo Ultra Deep Ultra Violet do Hubble lançado em 2014.
Créditos: NASA, ESA, P. Oesch (Universidade de Genebra) e M. Montes (Universidade de New South Wales)


Estudar o Universo traz, quase que literalmente, infinitas possibilidades: pesquisadores utilizaram o poder do telescópio espacial Hubble para fazer uma foto …

Queijo "mumificado" pode ser o mais antigo do mundo já encontrado

QUEIJO FOI ENCONTRADO DENTRO DE TUMBA DE AUTORIDADE EGÍPCIA (FOTO: COURTESY OF ENRICO GRECO, UNIVERSITY OF CATANIA, ITALY)

Alimento estava sólido, dentro de uma tumba egípcia, e pode conter bactéria de bovinos que causa doença nos humanos

Pesquisadores encontraram o queijo mais antigo do mundo em Sacará, sítio arqueológico do Egito. O alimento estava em um grande depósito de potes de barro quebrados, dentro do túmulo de Ptahmes, que governou a cidade de Mênfis durante o reinado dos faraós Seti I eRamsés II. Acredita-se que a tumba tenha sido construída no século 13 a.C., o que faz com que ela e o queijo tenham cerca de 3,3 mil anos.

Arqueólogos da Universidade de Catania, na Itália, e da Universidade do Cairo, no Egito, tropeçaram no depósito durante uma escavação entre 2013 e 2014. Dentro de um dos recipientes, eles notaram uma massa esbranquiçada "solidificada". Além disso, eles encontraram um fragmento de tecido de lona – que provavelmente foi usado para preservar e cobr…

Acelerador de antimatéria promete deixar LHC no chinelo

Simulação de um grupo de pósitrons - antimatéria do elétron - sendo produzido e acelerado. [Imagem: Aakash A. Sahai - 10.1103/PhysRevAccelBeams.21.081301]

Mini-acelerador de antimatéria

Aakash Sahai, um físico do Imperial College de Londres, descobriu uma maneira de acelerar a antimatéria em um espaço de centímetros, em lugar dos quilômetros dos aceleradores atuais de matéria, o que promete fomentar não apenas a ciência das partículas exóticas, como também vislumbrar fenômenos de uma "nova física".

A nova técnica poderá ser usada para investigar mistérios como as propriedades do bóson de Higgs, ou a natureza das hipotéticas matéria escura e energia escura, além de fornecer testes mais sensíveis para materiais usados em aviões e chips de computador.

Os aceleradores de partículas como o LHC (Large Hadron Collider), na fronteira entre a Suíça e a França, e o LCLS (Linac Coherent Light Source), nos Estados Unidos, aceleram partículas elementares de matéria, como prótons e elétr…

Astrônomos detectam diretamente ferro e titânio em um exoplaneta pela primeira vez

Por: Ryan F. Mandelbaum

Cientistas observaram diretamente um sinal de átomos de ferro e titânio na atmosfera de um exoplaneta a 600 anos-luz da Terra, segundo um novo artigo.

O KELT-9b é um planeta inteiramente esquisito comparado com o que temos em nosso Sistema Solar — ele tem 2,88 vezes a massa de Júpiter, com um ano que dura apenas um dia e meio da Terra, além de temperaturas de mais de 3.726 ºC. Ele é o exoplaneta mais quente conhecido, além de local de nossa primeira observação exoplanetária de átomos de ferro e titânio. É um trampolim que vai ajudar os astrônomos a um dia caracterizar as atmosferas de mais planetas habitáveis.

“É difícil distinguir um exoplaneta como Vênus de um exoplaneta como a Terra”, disse o autor do estudo, Jens Hoeijmakers, da Universidade de Genebra, na Suíça, em entrevista ao Gizmodo. “Precisamos reconhecer a química nas atmosferas de exoplanetas. O KELT-9b é um alvo fácil, um sistema fácil de entender. Minha filosofia é de que, se você não consegue li…

A origem da mumificação no Egito vem de muito antes da Era dos Faraós

Por: George Dvorsky

As primeiras múmias geralmente são associadas com o Velho Reino do Antigo Egito, mas como uma investigação intensiva de múmias de 5.600 anos de idade confirma, os métodos utilizados para essa prática funeral icônica vêm de muito antes da era dos faraós.

Pensava-se que a prática de mumificação e as técnicas usadas para embalsamar (como o uso de resinas) tinham se originado no Velho Reino do Antigo Egito (também conhecido como “Era das Pirâmides”), em torno de 2500 a.C. Mas essa interpretação foi desafiada por uma análise de 2014 de tecidos funerários encontrados na região sul do Egito, em Mostagedda, que empurrou a origem da mumificação egípcia 1.500 anos para trás.

A nova pesquisa, publicada nesta semana no periódico Journal of Archaeological Science pelo mesmo grupo de cientistas, amplia o nosso conhecimento sobre como e quando a prática de mumificação foi desenvolvida no Egito Antigo, incluindo os agentes utilizados no processo de embalsamamento. O novo estudo c…