Pular para o conteúdo principal

Plantas geram eletricidade para acender 100 LEDs

A planta híbrida é feita de folhas naturais e artificiais, gerando eletricidade quando o vento movimenta as folhas. [Imagem: IIT-Istituto Italiano di Tecnologia]

Eletricidade das plantas

Uma equipe interdisciplinar de pesquisadores do Instituto Italiano de Tecnologia afirma ter comprovado que as plantas vivas são literalmente uma fonte de energia verde a ser explorada.

Essa mesma equipe já havia inovado com uma planta robótica, um robô que cresce como uma planta.

Agora, Fabian Meder e seus colegas demonstraram que as folhas das plantas naturais podem gerar eletricidade quando são tocadas por um material adequado ou pelo vento. Segundo seus experimentos, "uma única folha pode gerar mais de 150 Volts, o suficiente para alimentar simultaneamente 100 lâmpadas LED".

Assim, o objetivo passou a ser construir não um robô-árvore, mas uma árvore-robô, uma espécie de árvore híbrida, feita de folhas naturais e artificiais, que funciona como um gerador elétrico verde, convertendo o vento em eletricidade.

A folha é capaz de acumular cargas elétricas em sua superfície devido a um processo chamado "eletrificação de contato". Essas cargas são então imediatamente transmitidas para o tecido interno da planta, que funciona de forma semelhante a um "cabo" e transporta a eletricidade para outras partes da planta.

O truque foi conectar à planta um capacitor, um componente eletrônico que acumula cargas elétricas. O capacitor, de 1 µF (microFarad), acumula as cargas e então as dispara rapidamente para os LEDs.

"Tocando uma área de 4,5 cm2 de uma única folha de Rhododendron já gera energia suficiente para acender 100 LEDs simultaneamente durante cada impacto [com] diferentes circuitos de coleta. As cargas geradas pela folha podem ser armazenadas em um capacitor de 1 µF," escreveu a equipe.


A corrente gerada é muito baixa (microWatts), mas é suficiente para fazer os LEDs se acenderem. [Imagem: Fabian Meder et al. - 10.1002/adfm.201806689]

Robôs-plantas e plantas robóticas

Para otimizar o efeito, Meder e seus colegas modificaram uma pequena árvore chamada oleandro (Nerum oleander), dotando-a de folhas artificiais que tocam as folhas naturais. Quando o vento sopra e move as folhas, essa árvore híbrida produz eletricidade.

A eletricidade gerada aumenta quanto mais as folhas são tocadas. Consequentemente, o mecanismo pode ser facilmente ampliado, explorando toda a superfície da folhagem de uma árvore ou mesmo de uma floresta, garante a equipe, criando uma nova forma de coleta da energia eólica.

Com estes resultados promissores, a equipe já recebeu financiamento para demonstrar essa possibilidade de escalonamento da técnica, levando adiante seu conceito em um projeto batizado de Growbot, um "robô que cresce" em tradução livre.

O objetivo é construir robôs bioinspirados que implementem movimentos de crescimento semelhantes ao tropismo das plantas. Os novos robôs serão, em parte, alimentados pela nova fonte de energia derivada do movimento das folhas, visando demonstrar que as plantas podem se tornar uma fonte de eletricidade no futuro, acessível em todo o mundo e sem emitir poluentes.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…