quarta-feira, 27 de julho de 2016

Casos Ovnis ocorridos em Piracicaba (SP) e em seu entorno (8)



CASO "DESPERTADOR".


Em 21/11/1990, às 23h55min, o Prof. Renato se preparava para
dormir quando notou que seu rádio-relógio de
cabeceira "ameaçava" ligar, como se estivesse despertando sem estar
programado para isso. A princípio ele não deu atenção ao fato, mas quando sua
esposa, Luzia, disse que pensou ter visto um clarão no corredor antes de
fechar a porta do quarto, instintivamente ele olhou para o radio-relógio que
marcava 23h55min.
Este relógio digital, marca "Cobra", com rádio AM/FM, já
apresentava um defeito: o despertador não funcionava. Assim, o Prof. Renato
tomou nota da hora que marcava o relógio e também notou que o mesmo
apresentava um ruído de rádio fora de estação. Em seguida correu para o
Detector Alfa (nosso aparelho medidor de campos eletromagnéticos e
magnéticos), quando pode averiguar que este indicava um sinal forte na
intensidade do campo eletromagnético (sensível ao espectro entre 100KHz e
200MHz).
O próximo passo foi contactar o Luís pelo PX. Os dois fizeram
testes por mais de uma hora sendo que o resultado misterioso se manteve, com
pequenas alterações nos valores indicados.
O medidor de campos eletromagnéticos teve sua escala ultrapassada,
além disso o indicador de variação magnética soou seu alarme, confirmando que
alguma coisa não estava certa. A situação só voltaria ao normal uma hora mais
tarde.
Toda a conversa pelo PX entre o Luís e o Prof. Renato foi gravada,
inclusive as indicações sonoras do Detector Alfa. Interessante, porém, que ao
reproduzir a fita da conversa, um estranho "bip" pode ser ouvido em
determinado momento, com duração de cerca de 3 ou 4 segundos.
No dia seguinte, dando uma geral pela casa do Prof. Renato em
busca de algo que pudesse ter sido a causa de tanto alarde, constatamos que o
detector alfa não mais apresentava resultados coerentes, aliás, nunca mais
apresentou, o que nos levou a fazer uma dissecação eletrônica à procura da
causa do defeito. A hipótese mais provável é que uma sobrecarga danificou
irreversivelmente dois de seus integrados principais.
Agora, além de ter perdido nosso detector, tínhamos uma dúvida a
ser esclarecida, o que levou o grupo a desenvolver um novo aparelho. Deveria
ser 7 vezes menor e necessariamente mais eficiente contra queimas e
resultados falsos, além de não poder utilizar meios eletromecânicos como
ponteiros de marcação.
Em 24/03/1991, numa reunião de rotina na casa do Prof. Renato, em
determinado momento o Luís teve a impressão de ter visto um clarão no telhado
da casa vizinha, através de uma porta que estava aberta. Já estava
escurecendo quando isso aconteceu e o assunto acabou sendo esquecido.
Mais tarde, por volta das 23h50min, o rádio relógio novamente
"ameaçou" despertar. Desta vez o Prof. Renato não entrou imediatamente em
contato via rádio PX, mas no dia seguinte nos procurou com um ultimato para
que apressássemos a construção do novo detector.
O rádio-relógio "contaria história" novamente no dia 02/04/1991,
quando já estava pronto o novo detector: o "Alfinha". A medida do campo
eletromagnético é feita, neste aparelho, numa escala própria de 1 a 10, sendo
que nesta ocasião marcava 5, valor bastante acima da média, que raramente
passa de 2.
Então o Prof. Renato me chamou pelo PX e o Luís também atendeu,
sendo que ficamos até a 1h do dia seguinte tentando descobrir a causa destes
fenômenos, especulando causas possíveis como radioamadorismo, telefone sem
fio, motores elétricos etc.
No entanto, quando já íamos desligar os rádios e esquecer o
assunto, houve uma oscilação no fornecimento de energia elétrica por cerca de
30 segundos. Em consulta por telefone, a CPFL informou que toda a cidade
tinha sido atingida por este defeito, até aquele momento sem explicação
técnica.
A CPFL registrou esta ocorrência com causa desconhecida e com
duração de 1 minuto. Alguns funcionários informaram que nunca tinham visto
este tipo de defeito, ao menos não sem que a causa pudesse ser logo
identificada.
Após aquela oscilação da energia pública, as leituras no Alfinha
se normalizaram.
Levantamos então os seguintes pontos:

1)- Das três vezes que o rádio-relógio "fez barulho", duas o campo
eletromagnético estava acima do normal. Na segunda vez não pode ser medido
por que estávamos sem nosso detector.

2)- Nos outros dias, as leituras eletrônicas estavam normais.

3)- Nas duas primeiras vezes, pessoas diferentes afirmaram ter visto
clarões aparentes dentro e fora da casa do Prof. Renato.

4)- Somente na primeira vez houve indicação de variação magnética no
local: tudo indica que desta vez a intensidade era maior.

5)- O Alfinha foi testado no dia seguinte ao evento de 03/04/1991,
obtendo sempre leituras perfeitamente coerentes.

6)- Na terceira vez, graças ao alarme do rádio-relógio e a medição feita
com o Alfinha, pudemos perceber a oscilação da energia pública uma hora
depois, que conforme iriamos descobrir mais tarde, afetou todo o Brasil.
Através do boletim ortotênico da UBPDV, teríamos mais tarde, inclusive, a
confirmação de outros ufólogos do Brasil a respeito deste episódio.

7)- Não sabemos a partir de que hora os detectores começaram a indicar
anormalidades, sendo que só foram ligados depois do alarme do rádio-relógio.

8)- Até hoje (22/07/1993) a CPFL ainda não tem explicações para aquele
defeito.

9)- Este defeito deu-se em horário de pouco consumo.

Prosseguindo as investigações para se saber até onde aquele efeito
influenciou o fornecimento de energia, ficamos sabendo que realmente todo o
Brasil foi afetado, sendo que a CPFL registrou outras duas oscilações de
menor intensidade às 22:00 h do dia anterior e às 5h do mesmo dia.
No dia 09/03/1991, o Prof. Renato informou que o Alfinha indicava
variação do campo magnético, numa forma de vai e vem. Antes, no dia
07/03/1993, fizemos medições na casa do professor, e ainda examinamos a rede
elétrica, não encontrando nada que pudesse induzir o sensor eletrônico do
Alfinha.
Recolhemos o rádio-relógio para examina-lo. Antes de remove-lo,
aproximamos dele um transmissor com potencia de 4W operando na faixa do
cidadão, mas seu funcionamento não foi influenciado.
Encontramos os seguintes defeitos ao examina-lo na oficina:

1)- Despertador não desperta; a parte responsável por despertar na hora
programada, seja com alarme sonoro (bip) ou música (AM/FM) está inoperante.
2)- Seletor liga/desliga/alarme/rádio esta defeituoso, ou seja, não da
para desligar o rádio, sendo que o mesmo permanecia o tempo todo com o volume
mínimo. Nós o encontramos fora de qualquer sintonia de estação. Então como
seria possível o rádio fazer barulho se o volume era mantido no mínimo?

3)- A sensibilidade do rádio não é muito boa, isto é, só pega as
estações com chiado.
Claro que depois de nossa inspeção no rádio, o Prof. Renato foi
obrigado a comprar outro aparelho!
Em 02/06/1991 foi publicada no "Jornal de Piracicaba" uma
reportagem resumindo algumas de nossas pesquisas. Desde então, alguns novos
integrantes apareceram interessados em participar do grupo.


NOVAS PANES NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO
DE ENERGIA ELÉTRICA

No dia 11/06/1991, Luis Custódio descobriu que em vários locais
diferentes de Piracicaba, surgiram problemas técnicos na CPFL, como fusíveis
queimados e transformadores apresentando problemas, sendo que funcionários
daquela empresa concluíram que a causa dos defeitos deveria ser externa, isto
é, algo que não fizesse parte da rede elétrica, possivelmente provocando
uma sobrecarga.
Embora eu tenha incluído aqui informações referentes a panes em
sistemas elétricos, existe a possibilidade de que isso tudo nada tenha a ver
com os fenômenos ufológicos de que trata este relatório, mas pela relação
ufo/magnetismo, tais fenômenos estão aqui narrados. A rede Globo apresentou
no dia 09/06/19 91, em seu programa "FANTÁSTICO" uma reportagem sobre
explosões solares, afetando sistemas eletrônicos na Terra, inclusive causando
um principio de incêndio numa usina nuclear norte americana.
Dois vulcões, um no Japão (inativo a 200 anos) e outro nas
Filipinas (inativo a 600 anos) entraram subitamente em erupção. Primeiro o do
Japão, seguido pelo das Filipinas alguns dias depois. Algumas semanas antes
ciclones apareceram às dezenas por todo o planeta, inclusive no Brasil onde
são raríssimos, chegando a virar grandes caminhões carregados com dezenas de
toneladas de carga. Nos Estados Unidos não fizeram muitas vítimas graves, mas
causaram muitos prejuízos. Já na Índia, no continente asiático, morreram
cerca de 100.000 pessoas. Enquanto isso, sem que a humanidade de maior
atenção, a poluição torna cada dia mais a vida difícil. Em São Paulo vemos
durante as inversões térmicas o efeito da sujeira humana. Parece até que
progresso virou apelido de terrorismo ecológico.


Quilômetro 19; ESTRANHAS MEDIÇÕES!

Em 15/09/1991, o Luis Custódio apareceu em minha casa, à noite,
pedindo o Alfinha. Ele e seu parceiro de serviço iriam trabalhar na região de
Tanquinho, e aproveitaria para fazer algumas medições.
Da minha casa, onde partiu, até Km 18,9 da rodovia Piracicaba/Rio
Claro, o medidor de intensidade do campo eletromagnético indicava valor 1,
numa escala própria de 1 a 10.
Ao chegar no Km 19, o mesmo onde aqueles policiais teriam avistado
um OVNI na margem direita da pista, o valor subiu de 1 para 3, voltando ao
normal (1) depois que passaram aquele local. Segundo informações, o OVNI
avistado pelos policiais seria de forma cônica, similar àqueles testemunhados
nos casos Pedreira I e II.
A leitura feita pelo Luís no sensor eletromagnético, foi realizada
dentro de uma caminhonete em movimento, ou seja, ele captou um sinal
parcialmente bloqueado pela armadura negativa do veículo, sendo detectado às
19h40min; das 19h45min até às 20h28min, quando retornaram pela estrada de
terra que liga Tanquinho a Vila Nova, a leitura do Alfinha permaneceu em
níveis normais.


NOVA VIGÍLIA EM TANQUINHO.

Em 21/09/1991, Luis Custódio, Gregório e eu fomos a Tanquinho para
uma vigília, porém nada de anormal foi constatado.


UM CASO DE TELEPATIA ET?


À tarde, no dia 23/11/1991, liguei para Claudio de Barros, meu ex-
colega de serviço, pois dias antes ele me avisou que teria passado por
estranhas experiências envolvendo OVNIS e ETS. Eu estava interessado também
no que teria acontecido com um conhecido dele, morador de Charqueada (SP).
Por telefone, Claudio me pediu que fosse primeiro à casa de seu
sogro, onde sua esposa me daria o endereço deste morador de Charqueada, que
teria avistado um OVNI.
Tendo passado na casa do sogro, fui depois até onde se encontrava
o Claudio, que passou a narrar o que teria presenciado em dezembro de 1990,
quase um ano antes.
Em dezembro de 1990, ao transitar juntamente com seu filho
Charles, de 11 anos próximo ao Teatro Municipal de Piracicaba, o menino
percebeu que três pequenas luzes se deslocavam vagarosamente no céu noturno.
A não ser pelo movimento, poderiam ser confundidas com simples estrelas. Ao
chegar em casa, na Av. Raposo Tavares, ainda podiam vê-las no horizonte
Oeste.
Pouco tempo depois, Cláudio estava olhando para as luzes e seu
filho já dormia, quando teria recebido uma mensagem "telepática", oriunda de
seres que supostamente ocupavam aquelas luzes, ou "naves". Estas luzes
deslocavam em formação de três, compondo mais ou menos um triangulo
equilátero. No momento em que Claudio começou a receber as mensagens, as
naves se posicionavam por coincidência ou não, acima das montanhas do Bairro
Floresta (aquelas do caso Volta Grande).
Segundo Claudio, luzes coloridas começaram a girar em torno de
cada um dos pontos luminosos, que antes, sozinhos formavam o triangulo. Às
vezes, um deles se afastava para a direita e retornava logo em seguida. Então
palavras vieram a sua mente, como se uma outra pessoa falasse com ele,
pedindo para que, primeiro, subisse numa cadeira. Claudio subiu e as palavras
em sua mente diziam que o dobro da altura atingida por meu ex-colega, era
aquela dos seres que mandavam a mensagem. Segundo esta suposta mensagem, um
contato direto com estes seres seria impraticável, "pois um ser humano
derreteria na presença destes ETS", dado as diferentes constituições físicas.
Somente um dos seres estaria se contatando com Claudio.
Segundo o depoimento, em determinado momento Claudio pode ver
mentalmente o ser, que era além de muito alto, calvo e usava roupas, no que
ouviu também que estavam em missão de observação, que tinham uma base próxima
ao local abaixo de suas "naves", que esta base seria um gigantesco complexo
que se estenderia até a Serra de Botucatu, e que somente meu amigo podia ver,
naquele momento, aquelas luzes. Após isso o contato se encerrou.


CASO "CHARQUEADA"

No domingo do dia 24/11/1991, logo de manhã, às 8h, fomos eu e o
Luis Custódio a cidade de Charqueada procurar o sr. Ítalo Volpato, que teria
avistado um OVNI, segundo nossas informações. Depois de breve procura,
chagamos a sua residência. Muito hospitaleiro, nos recebeu e com boa vontade
começou a narrar sua experiência.
Mais ou menos 15 dias antes, portanto aí pelo dia 9 ou l0 daquele
mês, o sr. Ítalo trabalhava num sítio ali próximo, operando um trator na
cultura de cana, quando aproximadamente às 3h, nas manobras de retorno, seus
faróis apontavam numa determinada direção, onde ao longe se via uma luz no
céu, próxima ao horizonte. A nossa testemunha notou que esta variava sua
posição, tanto vertical como horizontalmente, mantendo-se no mesmo setor
limitado do espaço.
Depois de um bom tempo, curioso, parou o trator e piscou os
faróis, na direção da estranha luz. De repente, o pequeno ponto luminoso veio,
quase que instantaneamente, em sua direção e parou cerca de dois minutos
acima do local onde estava o trator. O sr. Ítalo fugiu assustado. Informou-
nos ainda que a forma do OVNI era a de um globo, em termos de tamanho
comparado com uma casa pequena, segundo ele mesmo. A cor, que logicamente era
bem luminosa, tendia para o alaranjado, porém variava com o tempo.
Em seguida, o OVNI se deslocou, tão rapidamente quanto se
aproximou, noutra direção. Todo o contato durou cerca de três horas.

Veja também na cronologia:


http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/casos-ovnis-ocorridos-em-piracicaba-sp.html
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/casos-ovnis-ocorridos-em-piracicaba-sp_6.html
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/casos-ovnis-ocorridos-em-piracicaba-sp_8.html
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/casos-ovnis-ocorridos-em-piracicaba-sp_12.html
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/casos-ovnis-ocorridos-em-piracicaba-sp_30.html
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/search?updated-max=2016-07-18T09:09:00-07:00&max-results=7
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/casos-ovnis-ocorridos-em-piracicaba-sp_19.html


FONTE: http://www.geocities.ws/edsonzb/casos2.htm#Capuava

UFO luminoso gravado na França no último sábado

UFO gravado em Rezonville, França, no último sábado

GEIPAN, órgão oficial de pesquisa ufológica francês, aponta que objeto pode ter sido uma lanterna chinesa

ezonville é uma pequena comunidade de 300 habitantes, situada no norte da França na região de Alsácia e Lorraine. A principal testemunha do caso, Loris Faraboschi, recebeu amigos para um jantar e depois levou uma das convidadas para casa em seu carro. Conversaram por alguns minutos diante da residência, quando um objeto luminoso no céu lhes chamou a atenção.

Eles rapidamente chamaram os demais convidados, e com eles veio o filho de Loris, Robin, que conseguiu obter um curto vídeo, disponibilizado abaixo, com seu smartphone. O anfitrião explicou: "Nunca vi coisa parecida na minha vida. Era uma espécie de esfera amarela, cor de fogo, que não fazia barulho nenhum". De acordo com as testemunhas, a observação durou um total de cinco minutos, durante os quais o UFO se movia lentamente.

O UFO em seguida partiu rapidamente para o alto, conforme Robin, de 16 anos, explicou. Todos ficaram estupefatos e se apressaram a comunicar o fato à polícia, ainda no sábado à noite. Contudo, as autoridades apontam que a explicação mais provável seja a de lanternas chinesas, lançadas durante uma festa em outro local da cidade. O Grupo de Estudos de Fenômenos Aeroespaciais Não identificados (GEIPAN), órgão oficial de pesquisa ufológica francês, deu a mesma explicação, afirmando que tais lanternas são presença cada vez mais frequentes nos céus. Conforme o órgão, somente 13% dos casos informados permanecem não identificados após o processo de investigação.


A comunidade de Rezonville, onde aconteceu o avistamento


Lorraine : un ovni dans le ciel de Rezonville... por republicain-lorrain


Visite o site do GEIPAN

FONTE: http://www.republicain-lorrain.fr//Revista Ufo

Cientistas descobriram uma bolha roxa brilhante misteriosa no fundo do oceano



Uma equipe de cientistas encontrou uma esfera roxa brilhante no fundo do mar que é realmente muito estranha e assustadora.

Um navio de investigação científica operado pela Ocean Exploration Trust, E/V Nautilus, está atualmente parado na costa da Califórnia, nos EUA, explorando uma das margens tectônicas mais ativas do nosso planeta. No começo da semana, o Nautilus usou um robô de mergulho chamado ROV para observar o fundo do mar e, quando estava espionando o que tem por lá, encontrou essa coisa roxa brilhante com alguns poucos centímetros de diâmetro.

Depois de algumas especulações sobre a natureza dessa bolha, os cientistas que comandavam o robô da Nautilus decidiram pegar a coisa e trazê-la para superfície, para que seja analisada cientificamente. Se for uma nova forma de vida, pode ser que eles demorem anos para identificar.

Uma coisa ainda mais estranha que aconteceu foi que, logo após a coleta da coisa, “a bolha começou a se desdobrar e revelou dois lóbulos distintos.” É realmente algo bastante bizarro.



FONTE: GIZMODO BRASIL

Bactérias intestinais têm ao menos 15 milhões de anos


Estudos recentes mostram que em nosso corpo há dez bactérias para cada célula. (iStockphoto/Getty Images)

Segundo estudo publicado na 'Science', elas são anteriores ao surgimento do homem. Os micro-organismos afetam a imunidade, humor e comportamento

Certas bactérias de nosso intestino surgiram há pelo menos 15 milhões de anos, muito antes dos humanos. De acordo com uma pesquisa publicada na edição desta sexta-feira da revista Science, a descoberta sugere que a evolução tem um papel maior na composição do microbioma intestinal do que se pensava anteriormente.

Estudos recentes mostram que, em nosso corpo, há dez bactérias para cada célula. Há algum tempo os cientistas sabem que essas bactérias estão presentes em humanos e em chimpanzés, principalmente no intestino, compondo um conjunto chamado microbioma. Elas contribuem para as fases iniciais de desenvolvimento do corpo, treinam o sistema imunológico para combater patógenos e podem ainda afetar o humor e comportamento.

Os pesquisadores não sabiam, entretanto, como adquirimos esses micro-organismos. Eles vieram de nossos ancestrais ou do ambiente? Para resolver o mistério, o biólogo Andrew Moeller, pesquisador da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, resolveu estudar as bactérias de 47 chimpanzés, 24 bonobos, 24 gorilas e 16 pessoas de Connecticut, nos Estados Unidos.

Estudo

Utilizando amostras fecais, Moeller em conjunto com cientistas da Universidade do Texas em Austin analisou a evolução de um gene presente no microbioma primata e humano. O resultado do estudo mostrou que, quando os seres humanos e os grandes primatas evoluíram em diferentes espécies a partir de um ancestral comum, as bactérias presentes nos intestinos deste último também evoluíram em diferentes linhagens.

Assim, a primeira diferenciação de bactérias intestinais ocorreu cerca de 15,6 milhões de anos atrás, quando a linha dos gorilas divergiu da dos hominídeos. A segunda aconteceu 5,3 milhões de anos atrás, no momento em que o ramo humano se separou dos chimpanzés.

Em seguida, linhagens de bactérias evoluíram em paralelo, adaptando-se às dietas, ambientes e doenças no sistema digestório de seus hospedeiros.

“É surpreendente que as bactérias de nosso intestino, que podemos adquirir de fontes ambientais variadas, tenham evoluído dentro de nós por um período tão longo”, afirmou o cientista Howard Ochman, um dos autores do estudo, ao site da Science.

Os pesquisadores também compararam o microbioma do grupo de pessoas de Connecticut com o de um grupo de indivíduos do Malaui e perceberam que as bactérias dos africanos e dos americanos começaram a divergir há cerca de 1,7 milhões de anos. A data coincide com as primeiras viagens dos ancestrais humanos para fora da África, o que sugere que os micro-organismos podem ser indícios confiáveis para reconstruir migrações humanas.

De acordo com os pesquisadores, o estudo do microbioma e de sua evolução pode ajudar na compreensão de alguns hábitos humanos, seu impacto na saúde e comportamento social.

(Com AFP)

FONTE: REVISTA VEJA

Alinhamento de cinco planetas no céu será visível até setembro


Melhor momento para observação será em agosto, quando as condições para a observação de Mercúrio serão mais favoráveis (iStockphoto/Getty Images)

O posicionamento de Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno poderá ser visto até o início de setembro, logo após o pôr do sol

Após ter sido observado no início deste ano, o incrível alinhamento dos cinco primeiros planetas do nosso Sistema Solar poderá ser visto a olho nu no horizonte novamente. A partir desta semana, astrônomos e entusiastas poderão observar Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno visíveis no céu pouco depois do pôr do sol, por volta das 18h30. O fenômeno deve se repetir até a primeira semana de setembro e promete ser um belo espetáculo celeste.

“A grosso modo esse é o mesmo fenômeno visto em janeiro, pois os cinco planetas visíveis a olho nu também estavam no céu todos ao mesmo tempo. A diferença é que em janeiro essa configuração aconteceu no final da madrugada, antes de amanhecer, e agora acontece logo após o entardecer”, afirmou Gustavo Rojas, astrônomo e físico da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Este, no entanto, não é um alinhamento “clássico”, em que as órbitas dos planetas se aproximam e eles parecem estar “chegando mais perto” no céu, quando vistos da Terra – a aproximação é sempre aparente, pois os planetas estão a milhões de quilômetros de nós. Dessa vez, os planetas parecem estar “enfileirados”, um efeito visual causado pela perspectiva que temos do Sistema Solar.

De acordo com Rojas, os observadores devem olhar para a faixa entre os horizontes Oeste e Leste do céu para ver o espetáculo. “Cerca de meia-hora depois do Sol se pôr será possível ver Mercúrio, Vênus e Júpiter perto do horizonte, na constelação do Leão, enquanto Marte e Saturno estarão no alto do céu na constelação do Escorpião. Isso se repetirá durante todo o mês de agosto e início de setembro”, afirma o astrônomo.

“Para garantir uma boa observação, procure um local com vista desimpedida do horizonte Oeste (onde o Sol se põe), caso contrário não será possível visualizar Mercúrio e Vênus. Se esse local for afastado de iluminação artificial, melhor ainda”, diz Rojas. De acordo com o astrônomo Daniel Mello, do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o melhor momento para observação ocorrerá entre o início e meados de agosto, quando as condições para a observação de Mercúrio serão mais favoráveis.

Identificando os planetas

No horizonte Oeste estarão Mercúrio, Vênus e Júpiter – sendo os últimos dois mais brilhantes que qualquer estrela, e bastante fáceis de identificar (Vênus é o mais brilhante e vai estar mais perto do horizonte). Já Mercúrio será mais difícil de ver, pois seu brilho não é tão grande. Segundo Rojas, o planeta estará entre Vênus e Júpiter durante boa parte do mês, e no dia 4 de agosto a Lua ficará bem ao seu lado, facilitando a identificação.

“Marte e Saturno estarão no alto do céu durante o começo da noite, na constelação de Escorpião, a Leste. Marte é o astro mais brilhante nessa região do céu, com coloração levemente avermelhada. Ele não deve ser confundido com a estrela Antares, a mais brilhante de Escorpião, que também tem um tom levemente avermelhado. Saturno parece formar um triângulo com Marte e Antares, e seu brilho é comparável ao de Antares”, afirma Rojas.

Mesmo assim, de acordo com Mello, caso os observadores não consigam distinguir os planetas apenas olhando para o céu, os aplicativos podem dar um bom auxílio. “Em geral planetas são mais brilhantes que as estrelas e estão localizados em uma faixa no céu chamada eclíptica – a faixa que delimita o caminho da Lua e do Sol durante os dias e durantes os meses do ano. Se o observador não conseguir identificar por esses meios, pode consultar algum aplicativo estelar como Google Sky Map, Sky View ou Stellarium”, afirma o astrônomo.

Uma configuração planetária bastante parecida com essa poderá ser vista novamente em outubro de 2018, sendo diferente da que deve ocorrer em 2042. “Em julho de 2042 a configuração dos planetas será diferente. De qualquer forma, em 2018 teremos uma configuração de posição planetária muito parecida com a que teremos agora em agosto”, afirmou Mello.

FONTE: REVISTA VEJA

Leite de barata: o suplemento alimentar do futuro?


A espécie de barata analisada pelos pesquisadores produz cristais com os quais alimenta os filhotes. A análise mostrou que eles contêm todos os aminoácidos essenciais à alimentação humana, como um "superalimento". (Istock/Getty Images)

A proteína encontrada na ‘Diploptera punctata’ é três vezes mais nutritiva que a do leite de búfala

Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que um tipo de barata pode ser uma incrível fonte de nutrientes no futuro: a Diploptera punctata, espécie de barata, é capaz de produzir uma substância riquíssima em proteínas. De acordo com pesquisa publicada em junho na revista especializada International Union of Crystallography, o conteúdo calórico dos “cristais” com os quais esse animal alimenta seus filhotes é três vezes maior que o de leite de búfala, hoje considerado o alimento com as proteínas mais nutritivas.

Segundo os pesquisadores, a maioria dos insetos que recebe o nome de baratas põe ovos e, portanto, não sustenta seus filhotes com um alimento especial. Mas a Diploptera punctata tem um modo diferente de gerar sua prole, em um processo semelhante ao humano. Para alimentar as crias, ela produz um cristal proteico, como se fosse um “leite”, no meio de seu intestino. O fato de um inseto ser capaz de produzir esse nutriente impressionou os pesquisadores, mas a informação mais preciosa obtida pelas análises foi de que apenas um desses cristais proteicos é capaz de fornecer quatro vezes mais energia que o leite de vaca.

O problema é que os cientistas, liderados por especialistas do Instituto de Biologia de Células Tronco e Medicina Regenerativa (InStem, na sigla em inglês), na Índia, não conseguiriam extrair esse “leite” das baratas. Assim, eles sequenciaram os genes responsáveis pela produção desses cristais proteicos para tentar reproduzi-los em laboratório.

“Os cristais encontrados na Diploptera são como comidas completas, possuem proteínas, gorduras e açúcares. Se olharmos dentro das sequências das proteínas, elas possuem todos os aminoácidos essenciais”, afirmou o especialista Sanchari Banerjee, coautor do estudo, em comunicado.

Por isso, os cientistas alertam que esse não seria o tipo de alimento ideal para quem deseja perder peso – ou para a cultura ocidental, que já consome alimentos com muitas calorias. Esse tipo peculiar de proteína seria recomendado para pessoas que não conseguem consumir a quantidade necessária de nutrientes e calorias diárias, e poderia, no futuro, funcionar melhor como um suplemento alimentar.

Comida do futuro

Além disso, por ser altamente proteico e nutritivo, esse poderia ser um alimento ideal para as próximas gerações, que devem enfrentar uma “crise alimentar”: estudos recentes mostraram que nos próximos anos o planeta receberá uma quantidade de humanos cada vez maior e a produção de alimentos – principalmente de carne, fonte de proteínas – não acompanhará o crescimento populacional. Alternativas proteicas, portanto, serão fundamentais para garantir o sustento dos humanos.

Em estudos futuros, os cientistas devem tentar produzir esses cristais sintéticos em larga escala no laboratório, para verificar se seriam tóxicos aos humanos. Confira abaixo o vídeo feito pelos pesquisadores que mostra os “cristais” produzidos pela Diploptera punctata (em resolução atômica):



FONTE: REVISTA VEJA

Faça um espetacular passeio pelo módulo da Apollo 11


Columbia, como é chamado o módulo de comando, trouxe Neil Armstrong e seus companheiros, Michael Collins e Edwin 'Buzz' Aldrin, de volta à Terra (Smithsonian Institution/Divulgação)

Página na internet permite explorar em 3D detalhes do interior de Columbia, o módulo de controle da missão Apollo 11, que levou o homem à Lua

Na última semana, a Nasa comemorou o aniversário de 47 anos da chegada do homem à Lua. Para celebrar o feito, o Instituto Smithsonian, um complexo americano de museus e entidades de pesquisa, disponibilizou um mapa interativo em 3D do módulo de comando da missão Apollo 11. Columbia, como é chamado o módulo, levou os astronautas Neil Armstrong, Michael Collins e Edwin ‘Buzz’ Aldrin até a Lua.

A missão, que durou oito dias, pousou no satélite em 20 de julho de 1969 e retornou à Terra quatro dias depois. Columbia trouxe os astronautas e foi a única parte do módulo recuperada. Desde então, ele está no Instituto Smithsonian, nos Estados Unidos.

Em conjunto com a Smithsonian, uma equipe da Autodesk, companhia voltada à tecnologia, analisou os detalhes da nave e captou cerca de 7 terabytes de dados. Ao colocar todas as informações juntas, como em um quebra-cabeça, eles conseguiram realizar o modelo 3D, que está disponível em uma plataforma interativa que permite explorar o interior de Columbia.



Allan A. Needell, curador do Museu Nacional do Ar e Espaço, do Smithsonian, contou em um vídeo que o trabalho revelou detalhes históricos que haviam passado despercebidos: os astronautas realizaram marcações a lápis e à caneta nas paredes de Columbia, incluindo um calendário improvisado, feito por Michael Collins, onde a tripulação marcava os dias passados na missão.

Abaixo, confira o filme que mostra o desenvolvimento do projeto (em inglês):



Clicar em http://3d.si.edu/apollo11cm/ ou ao lado superior direito do blog.

FONTE: REVISTA VEJA