sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Existe Vida depois da Morte? Uma visão cientifica do tema



Neste episódio do Conexão Espacial, Astronauta Marcos Pontes fala sobre a possibilidade de vida depois da morte e apresenta uma hipótese que pode explicar alguns fenômenos paranormais.



FONTE: Conexao Espacial/Marcos Pontes

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Óvnis, alienígenas, espíritos e aparições. Um pouquinho do que aconteceu no VI Encontro de Ufologia do Ceará



Por Jáder Santana/revistanonata

Há mais ou menos um ano Mônica Pinheiro vivenciou um encontro de terceiro grau com uma criatura extraterrestre. O alienígena apareceu na sala de sua casa e desapareceu antes que ela pudesse chamar o filho para assistir ao estranho fenômeno. Num piscar de olhos.

Tempos depois, por volta do meio-dia, uma sombra repentina barrou toda a luz do sol que entrava pelas janelas de seu apartamento, como um eclipse inesperado. Sentiu uma presença estranha, uma energia que nunca havia sentido, tão intensa que fez queimar a fonte do computador. Ela tem certeza de que havia uma nave mãe acima do seu edifício. Dessa vez, ela não foi a única testemunha.

Mônica se dedica a estudar fenômenos ufológicos desde os 18 anos e há algum tempo, ao lado do pesquisador e mentor Agobar Peixoto, um ex-professor aposentado da Universidade Federal do Ceará, realiza encontros e palestras para apresentar evidências e compartilhar o conhecimento adquirido nesses anos de investigação.

Na tarde do último encontro, realizado há alguns dias no Teatro Antonieta Noronha, enquanto fumava um cigarro e me contava o que acabei de relatar, tentava domar os cabelos recém-modificados: “pintei o cabelo hoje, por isso tá uma arapuca!”.



Não estamos sozinhos

O teatro estava lotado deles. Deles, os humanos. Gente que avistou objetos estranhos cruzando o céu, gente que tem o poder de se comunicar com o incomunicável, gente que conhece alguém que conhece alguém que já foi abduzido. Estudantes. Curiosos. Donos de podcasts. De canais no Youtube sobre o assunto. De revistas virtuais colaborativas...

E estava lotado deles, os seres de outros planetas. Enquanto fotografava a plateia, nos primeiros minutos do evento, Mônica teve uma surpresa. Levantou os olhos da câmera e caminhou até o assento vazio ao meu lado com uma expressão de “você precisa ver isso”. No visor da câmera, uma imagem desfocada do teatro, o público atento aos argumentos do professor Agobar, e uma mancha azulada que pairava acima de nossas cabeças. “É uma sonda. Eles sabem que nós estamos falando sobre eles”.



Ceará, terra do além

Mônica e Agobar concentram suas pesquisas na região monolítica de Irauçuba, município distante 150 km de Fortaleza onde, segundo eles, é registrado um altíssimo nível de aparições. Numa de suas últimas visitas, prepararam um vídeo com declarações de moradores que acreditam ter tido algum contato com criaturas de outros mundos. Como um documentário amador, registram aparições no céu noturno e depoimentos de pânico de pessoas que viram, ouviram ou sentiram uma estranha presença na atmosfera da região.

Há quem tenha morrido queimado sob uma luz forte vinda do céu. Há quem tenha se escondido numa casa abandonada para escapar dessa mesma luz. Muitos que narram a frequente aparição de objetos voadores que se movimentam de modo suspeito e outros que garantem que as galinhas ficam inquietas sempre que isso acontece. Uma das entrevistadas jura que os arranhões em seu braço foram resultado de uma queda de moto, mas Agobar tem certeza de que apareceram pela ação dos seres que estuda.



Espírito Disneylândia

O Encontro de Ufologia também abre espaço para a discussão sobre fenômenos espirituais que não encontram explicações lógicas na ciência. Agobar projeta no telão impressionantes vídeos de mediunidade e manifestações imateriais enquanto o público cochicha entre si, discutindo a indiscutível veracidade daquelas imagens.

Um médium luta para tirar uma agulha cravada nas costas de uma mulher, enfrentando uma força que parece puxá-la para dentro. “O médium tenta tirar e o espírito tenta botar”, explica Agobar, “Mas o bem sempre vence”. Noutro vídeo, alguém chora partículas de vidro e as exibe diante da câmera. “Existem casos dessa manifestação no Ceará”. Ainda há espíritos que aparecem vestidos como noivas no fundo de fotografias de casamento e um que cruza a entrada dos parques Disney quando o portão de acesso já está fechado.

Mônica também tem uma história com esse tipo de aparições: “eu fotografo espíritos também”, diz ela para em seguida completar ao pé do meu ouvido, “não que eu queira, é aleatório”. E parece conviver bem com tudo isso – não se cansa de sorrir – como se aceitasse que os dois mundos se misturam e que é possível intermediar contatos entre seus habitantes. “Na minha casa mora um ET. Faz tempo que ele está lá. De vez em quando dá até interferência nos equipamentos”. Admiro sua tranquilidade. Eu, no seu lugar, estaria com o jornal na mão procurando um novo apartamento.

FONTE: http://www.revistanonata.com/

Objeto anômalo filmado e testemunhado sobre as instalações de ARAMAR - Iperó - SP


Clicar sobre a foto para aumentar.

O seguinte relato e vídeo nos foi enviado pelo amigo R.V. que não citarei seu nome. R.V. estava junto de seu amigo na noite de sábado, 29 de agosta de 2015 em sua casa quando observou um estranho objeto que estaria sobre as instalações do Centro Experimental de ARAMAR, na cidade de Iperó, SP. Segundo seu relato, este objeto surgiu por volta das 21:00 h permanecendo ali por uma hora, durante este tempo ele fazia incursões indo e vindo, quando ficava estático, o mesmo emitia luzes multicolores, oque infelizmente não é possível se observar no vídeo feito pelo celular com baixa resolução, não emitia qualquer tipo de ruído. Em sua direção a testemunha tinha seu poste padrão de energia elétrica de sua casa, que podemos usar como ponto de referência, oque leva a crer pela altura e distância passados pela testemunha, se tratar de um objeto de tamanho considerável. Ainda segundo as testemunhas não se tratava de balão, avião, helicóptero e muito menos drone e durante a semana teriam visto a mesma luz pelas imediações. É recorrente no local a aparição de muitos objetos não identificados, local este que se encontra ao lado do Morro de Ipanema localizado na fazenda que leva o mesmo nome, onde desde o século XVIII existem relatos destes avistamentos. R.V. nos informou que são constantes as aparições no local, que por muitas vezes são testemunhadas pelos moradores da cidade e zona rural. R.V. não informou o modelo do celular pelo qual foi feito a gravação. Fica aqui meu agradecimento e confiança as duas testemunhas.

Foto do poste padrão tirada por R.V. durante o dia para podermos fazer uma comparação:


O vídeo:


FONTE: R.V.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

De Volta Para o Futuro resumido em pouco mais de um minuto



De Volta Para o Futuro é a melhor série de filmes da história. Isso é óbvio. E esse resumo em 1m21 da trilogia feito pelo Burger Fiction também é o melhor resumo de filme já feito. Veja. Vai fazer você querer assistir à trilogia novamente para rever Marty e Doc viajando por diversos momentos da história.





FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Veja as primeiras imagens da nova espaçonave russa



Enquanto a NASA e seus parceiros comerciais trabalham duro para desenvolver novas espaçonaves americanas para levar astronautas para a órbita terrestre e além, a Rússia não está ficando para trás e vem trabalhando ativamente em suas próprias naves.

A Agência Espacial Russa mostrou há alguns dias fotos registradas durante a MAKS-2015, o 12˚ Salão Internacional de Aviação e Espaço em Moscou — e nas imagens aparece a nova espaçonave russa, atualmente em desenvolvimento. Esta é a primeira exposição pública da nova espaçonave tripulada, cuja função principal será substituir a confiável Soyuz-TMA que leva astronautas e cosmonautas à Estação Espacial Internacional.

E quem fez a nova nave? A indústria espacial russa RSC Energia, que revelou a chamada “nova geração de transporte espacial” no salão. A nave está em desenvolvimento há uma década, e será o pivô para o futuro espacial da Rússia, uma vez que ela é projetada para levar cosmonautas à Lua e a Marte. Mas ela ainda não tem um nome — e a companhia lançou uma competição para decidir como ela será batizada.

Isso faz parte de um projeto chamado Sistema de Transporte Pilotado em Perspectiva (PPTS), que deve substituir tanto a Soyuz-TMA como as naves de carga Progress. A RSC Energia testará as cápsulas nos próximos meses. De acordo com os planos, o primeiro teste orbital sem a presença de humanos está planejado para 2021 e será lançado do Cosmódromo Vostochny, a nova estação espacial russa, atualmente em construção. Ainda tem tempo até lá — então vamos acompanhar o que eles têm por enquanto. Abaixo segue uma imagem do corpo do veículo, com um traje espacial russo em primeiro plano:



Por dentro da espaçonave:



Close nos controles:



Não é segredo que a nova espaçonave russa é bem semelhante em design e funcionamento à nave Orion, desenvolvida pela NASA. Perceba as pernas de pouso e os propulsores do modelo branco. Eles são bem semelhantes ao Dragon V2 da SpaceX:



Isso parece ser reforçado com polímeros de fibra de carbono:



Veja a nave de um outro ângulo:



FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Crueldade e covardia humana: Antes do homem ter coragem – e tecnologia –, foram enviados outros moradores do planeta Terra nas primeiras visitas ao espaço


Albert II foi o segundo macaco a viajar para o espaço, mas ele não sobreviveu a reentrada na atmosfera (Domínio Público)

O cosmonauta soviético Yuri Gagarin foi o primeiro homem a visitar o espaço, em 12 de abril de 1961, mas nem longe foi o primeiro habitante da Terra a entrar em órbita. Muito antes de existir a tecnologia – e uma boa dose de coragem – suficiente para enviar seres humanos para fora do planeta, outros moradores de nosso mundo foram os pioneiros das viagens espaciais.

Cachorros, macacos, sapos, ratos, gatos, tartarugas, peixes, insetos e até um porquinho da índia visitaram o espaço antes dos homens para entender como formas de vida terrestres reagiriam no então perigoso e desconhecido ambiente espacial.

Havia todo tipo de medo e até então nenhuma resposta para esses temores, como as reações que a falta de gravidade e a exposição a radiação solar poderiam causar as formas de vida do planeta Terra. Para descobrir esses efeitos, foram enviados ao espaço os “bichos astronautas”.

No entanto, diferente das missões tripuladas por homens que aconteceriam durante a corrida espacial entre Estados Unidos e União Soviética, que eram de ida e volta, muitos dos bichos enviados ao espaço não retornaram. Conheça a abaixo os casos de alguns dos mais célebres animais que entraram em órbita e também para história:

Moscas

O primeiro habitante da Terra que visitou o espaço, que diria, foi um mosquito, mais especificamente as “moscas de fruta”, também conhecidas como drosophila. No dia 20 de fevereiro de 1947, um foguete V-2 (que foi uma temível arma da Alemanha na II Guerra Mundial) decolou com uma capsula contento 100 moscas e atingiu 109 km de altura. O objetivo era observar os efeitos da radiação solar em órbita no corpo dos insetos. Após a rápida subida, a capsula com as moscas retornou ao planeta. Todas sobreviveram.

Macacos

Em 1948, os EUA iniciaram o “Programa Albert”, que foi responsável por enviar os primeiros mamíferos ao espaço, no caso macacos-rhesus. O primeiro macaco-astronauta, Albert I, foi lançado ao espaço em 11 de junho daquele ano, desta vez para um estudo mais amplo sobre os efeitos que uma viagem poderia causar a saúde dos bichos. O macaquinho, porém, morreu sufocado ainda durante o lançamento. Três dias depois foi a vez de Albert II, que sobreviveu a viagem orbital, mas também acabou morrendo no processo de reentrada na Terra.


O chipanzé-astronauta Ham foi um dos bichos que sobreviveu as primeiras viagens espaciais (Domínio Público)

Os testes com macacos, incluindo chipanzés, foram intensos até os a década 1960, tanto em missões americanas como soviéticas. Muitos morreram no processo, mas também houve caso em que os bichos sobreviveram, como o chipanzé Ham. Argentina e Irã também já enviaram primatas ao espaço.

Cachorros

Durante as décadas de 1950 e 1960, a antiga URSS enviou 57 cachorros para fora da Terra. Considerados bichos que resistem a grandes períodos de inatividade, o melhor amigo do homem decolou para o espaço pela primeira vez em 22 de julho de 1951. Foi um voo duplo, com os cães Tsygan e Dezik. O mais famoso cão-cosmonauta foi a cadela Laika (um husky siberiano), que foi o primeiro ser terrestre a entrar em órbita – os voos até então eram sub-orbitais. A capsula que levou a cadelinha para fora do planeta em 1957, contudo, não foi projetada para retornar e acabou incinerada no processo de reentrada na atmosfera.


A cadela Laika foi o primeiro ser terrestres a realizar um voo orbital. A viagem, porém, foi apenas de ida… (Domínio Público)

Gatos

Em 18 de outubro de 1963, a França enviou o primeiro felino ao espaço, o gato Felix – outras fontes afirmam que o gato era na verdade uma fêmea, Felicette. De qualquer forma, o animal foi o único de sua espécie, até hoje, enviado para um voo suborbital.


A gata Felicette (ou gato Felix) momentos antes de ser acomodada na capsula espacial (Domínio Público)

Félix vivia nas ruas de Paris até ser recrutado para a missão, que tinha como objetivo estudar os efeitos da microgravidade no cérebro. O bichano, que viajou com eletrodos na cabeça, foi recuperado com vida.

Aranha

Arabella e Anita foram as primeiras aranhas a visitar o espaço. Em 28 de julho de 1973, os dois aracnídeos foram lançados pela Nasa, a bordo do foguete Saturn V, com destino à estação espacial Skylab 3, onde permaneceram 59 dias. O objetivo da missão era observar se as aranhas seriam capazes de tecer uma teia no espaço, em um ambiente de microgravidade. E elas não decepcionaram e construíram uma grande teia.


A aranha “Arabella” em sua teia espacial no Skylab 3 (NASA)

Anita acabou morrendo na estação espacial, pouco antes de retornar à Terra, enquanto Arabella morreu na cápsula de regresso, durante a reentrada na atmosfera. Os corpos das aranhas-astronautas estão em exposição no Museu Smithsonian, em Washington.

Tartaruga

Os primeiros seres terrestres que chegaram próximos a Lua foram duas tartarugas. Em 1968, o programa especial da URSS enviou um nave ao espaço para contornar o satélite natural e em seguida retornaram a Terra em segurança. Em 1974, a experiência foi repetida. Nessa missão, os repteis ficaram em órbita por 90 dias, um recorde até então – para animais.

Sapos

Em 1970, a NASA enviou dois sapos-boi para uma viagem espacial de seis dias para analisar os efeitos da gravidade zero. Os anfíbios foram equipados com diversos eletrodos implantados cirurgicamente que enviavam em tempo real as reações no organismo dos bichos. A capsula que levou os sapos ao espaço possui ambiente climatizado e um alimentador eletrônico. Os animais retornaram ao planeta em segurança.


Os sapos-astronautas ficaram seis dias no espaço em uma espécie de estação espacial para anfíbios (NASA)

Porquinho da Índia

Em março de 1961, um porquinho da Índia foi lançado pela União Soviética ao espaço, junto com ratos, répteis e um cachorro. Os animais, porém, morreram durante a reentrada na atmosfera terrestre. Em 1990 foi a vez da China, que enviou os roedores junto com plantas. Na missão chinesa os bichinhos sobreviveram.

FONTE: http://airway.uol.com.br/

Uma substância tão instável que explode imediatamente após um toque


Boom! A queda de uma pena, o pouso de um mosquito ou até mesmo a aproximação de um grão de poeira pesado pode deflagrar a explosão do tri-iodeto de nitrogênio. Isso acontece porque a substância é tão instável que explode ao menor sinal de perturbação. Veja a detonação em câmera lenta.

Por que ele faz isso? A Royal Institution explica:

Três átomos de iodo se juntam em um lado do átomo de nitrogênio. Essa concentração em uma das extremidades cria uma tensão na ligação atômica, à medida que os átomos se repelem em um espaço pequeno. O resultado é que a molécula pode se desfazer de maneira explosiva.

Para produzir esta substância, é preciso combinar iodo e amônia, depois filtrar a mistura e deixá-la secar – confira este vídeo para ver como isso é feito.



FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/