Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 9, 2020

Revista OVNI PESQUISA (Edição n° 5)

A Revista Ovni Pesquisa se encontra à venda pelo seu site www.ovnipesquisa.com.br. Dedicada ao estudo do fenômeno OVNI de forma cientifica é uma publicação do grupo Cipfani, de Minas Gerais.

Abaixo a versão digital da quinta edição:

Revista Ovni Pesquisa - Edição nº 5 Publish at Calameo
FONTE: Revista OVNI PESQUISA

Leias a edições anteriores clicando nos links abaixo:

Revista OVNI PESQUISA (Edição n° 1)

Revista OVNI PESQUISA (Edição n° 2)

Revista OVNI PESQUISA (Edição n° 3)

Revista OVNI PESQUISA (Edição n° 4)


As fascinantes descobertas sobre a Teoria da Evolução feitas por matemáticos

Há uma luta pela sobrevivência na natureza, e quem sobrevive é o que melhor se adapta às condições do ambiente em que vive - GETTY IMAGES

O escritor irlandês Oscar Wilde, conhecido pela língua afiada, afirmou certa vez: "A vida nunca é justa. E talvez seja preferível para muitos de nós que não seja".

A declaração tem pelo menos um fundo de verdade.

Mas também é verdade que, em qualquer tipo de interação, nosso senso de justiça é incrivelmente forte.

De fato, em alguns casos, pode até nos levar a perder propositalmente.

Para analisar essa forma aparentemente irracional de pensar, te convidamos a participar do Jogo do Ultimato, famoso experimento econômico sobre a teoria dos jogos.

É muito simples: eu faço a proposta, e você decide.

Começou o jogo!

Alguém me ofereceu US$ 100 para dividir com você.

Se você aceitar minha proposta, ficaremos com o dinheiro. Se você rejeitar, eles pegam de volta.


Me ofereceram US$ 100, com a condição de dividir o dinheiro entre nós dois - GETTY I…

Arrokoth reforça teoria alternativa sobre formação dos planetas

O material que forma Arrokoth parece ter-se depositado suavemente para formar o planetesimal.
[Imagem: NASA/JHUAPL/SWRI/Roman Tkachenko]

Com informações da BBC e AAAS

Como os planetas se formam

Cientistas dizem ter "definitivamente" derrubado a teoria predominante sobre como os planetas do Sistema Solar se formaram.

A hipótese, a mais aceita pela comunidade científica até agora, previa que uma colisão violenta de matéria formaria aglomerados cada vez maiores, até que finalmente atingissem a dimensão planetária.

Porém, novos resultados apontam que esse processo pode ter sido menos intenso, com a matéria se aglomerando suavemente.

"Havia uma teoria predominante desde o final da década de 1960 de colisões violentas e uma teoria emergente mais recente, de acumulação suave. Uma agora caiu por terra, e a outra é a única que está de pé. Isso raramente acontece na ciência planetária," afirmou Alan Stern, da NASA.

Quais são os dados

Os novos dados vieram de um estudo detal…

Hologramas podem ser usados como ferramenta de comunicação

Por enquanto a equipe só conseguiu fazer transmissões de letras e pequenas mensagens, mas o futuro é promissor, como visto nesta arte.
[Imagem: Nanoscale Horizons]

Comunicação por hologramas

Quem assistiu o filme Pantera Negra viu as pessoas do Reino Wakanda comunicando-se através de hologramas.

E aquela cena específica da ficção pode se tornar realidade antes do que se poderia imaginar, permitindo trocar informações diferentes com pessoas de diferentes locais.

Esta possibilidade está sendo viabilizada pela criação dos "meta-hologramas", que são versões modificadas dos mesmos hologramas usados para evitar falsificações, nas notas e cartões de crédito, por exemplo,

A diferença é que as estruturas meta-holográficas são capazes de mostrar uma imagem quando a luz incidente está em uma direção, e outra imagem diferente quando a luz está vindo da outra direção.

Além disso, os meta-hologramas criados agora por uma equipe da Universidade Pohang, na Coreia do Sul, são finos e leves,…

Mecânica quântica agindo nos sólidos pode colocar objeto em dois lugares ao mesmo tempo

Essa esfera de vidro apresenta "comportamentos quânticos" só vistos até agora em átomos individuais.
[Imagem: Kahan Dare]

Com informações da New Scientist

Fronteira entre clássico e quântico

Um novo método para manipular o estado quântico de partículas abre caminho para nos permitir observar um objeto em dois lugares ao mesmo tempo - é bom lembrar que a ação fantasmagórica à distância já é visível.

Por enquanto, a técnica foi usada para resfriar uma pequena esfera de vidro, fazendo-a atingir um estado que só havia sido observado em partículas atômicas.

O objetivo dessa linha de pesquisas é verificar se existe - e, se existir, onde está - uma fronteira entre os bizarros comportamentos observados pela ação da mecânica quântica e os comportamentos tradicionais, ou "clássicos", a que estamos acostumados na escala humana. Em outras palavras, se a mecânica quântica afeta os objetos macroscópicos.

Resfriamento com luz

Quando se atinge escalas extremamente pequenas, o cal…

Novo método usa rede neural para detectar asteroides potencialmente perigosos

Por Daniele Cavalcante

Na astronomia, um tipo de objeto potencialmente perigoso são asteroides ou cometas com órbitas que passam perto da Terra, e que sejam grandes o suficiente para causar um bom estrago em caso de impacto. O problema é que os softwares atuais não conseguem detectar todos os asteroides que apresentam risco para nós. Por isso, três astrônomos holandeses criaram uma rede neural capaz de analisar objetos perigosos que até então foram considerados inofensivos para verificar se não representam mesmo perigo algum.

Usando um supercomputador, os pesquisadores integraram as órbitas do Sol e seus planetas dentro de um período de 20.000 anos. Depois disso, eles rastrearam as órbitas ao longo desse tempo enquanto asteroides eram lançados na superfície da Terra para treinar a rede neural. Durante o cálculo retroativo, eles incluíram os asteroides conhecidos na simulação para estudar suas distribuições orbitais nos dias de hoje.

Como resultado, eles conseguiram criar um banco de …

Pálido Ponto Azul: NASA remasteriza icônica foto da Terra vista a 6 bilhões de km

Terra, o pálido ponto azul que aparece sendo atingido por um raio de luz solar nesta icônica imagem que acaba de ser remasterizada (Foto: NASA)

Por Patrícia Gnipper

Para celebrar os 30 anos da histórica foto Pale Blue Dot ("Pálido Ponto Azul", em português), a NASA decidiu remasterizar a imagem com tecnologias modernas, usando softwares e técnicas atualizadas de processamento para, assim, gerar uma foto ainda mais emocionante de como a Terra parece ser apenas um pontinho azulado quando vista a 6 bilhões de quilômetros.

A foto original foi tirada pela sonda Voyager 1, lançada em setembro 1977 logo depois de sua irmã Voyager 2, com a missão de estudar o Sistema Solar como jamais havia sido feito antes. Quando estava a 6 bilhões de km de distância, a Voyager 1 nos presenteou com a icônica imagem, dando à humanidade uma nova perspectiva quanto ao nosso planeta — o que aconteceu no dia 14 de fevereiro de 1990, apenas 34 minutos antes de a sonda desligar suas câmeras para sempre.


Observatório SOFIA pode ser aposentado pela NASA em breve

NASA

Por Daniele Cavalcante

Um dos observatórios espaciais mais interessantes da NASA pode estar com seus dias contados. O SOFIA, montado em um avião Boeing 747 que voa no alto da atmosfera para fazer observações únicas da nossa galáxia, ficou de fora do orçamento proposto pela Casa Branca na última segunda-feira (10).

O SOFIA (sigla para Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy) passou quase 10 anos observando planetas, cometas e asteroides em nosso Sistema Solar, além de registrar imagens incríveis do centro galático. Entre seus principais objetivos estão o estudo da composição de atmosferas e superfícies planetárias, investigação sobre a evolução e composição dos cometas, e exploração da formação de estrelas e outros objetos cósmicos.

Quanto ao telescópio em si, trata-se de um refletor de 2,7 metros. Ele conta com a câmera infravermelha FORCAST, capaz de observar a galáxia no comprimento de luz infravermelha do espectro eletromagnético. Desse modo, o telescópio “enxerga” o…

Cientistas criam método para criptografar informações por meio de cristais

Por Felipe Ribeiro

Essencial para a criação da criptografia, a geração de números aleatórios e sistemas de senhas vem evoluindo a cada ano e novas soluções são pensadas para aumentar a segurança. Hoje, tudo (ou quase tudo) é feito por computadores, que são capazes de criar sequências totalmente aleatórias para tokens, logins em sites e por aí vai. Mas, alguns cientistas descobriram uma nova maneira de criar ainda mais aleatoriedades sem depender exclusivamente das máquinas. Como? Utilizando cristais.

Entenda melhor

A geração aleatória de números é vital na modelagem e criptografia matemática, que é usada para criptografar e decodificar informações, fazer login em sites e proteger o tráfego da web. Mesmo assim, é difícil encontrar números verdadeiramente aleatórios. Cientistas e criadores de códigos, porém, começaram a usar elementos diferentes para gerar essa aleatoriedade, como radiação, ruídos atmosféricos e, agora, cristais.


Componentes de cristalização do robô de Cronin/ Imagem: …

Noite Oficial dos OVNIs: F-103 Mirage persegue OVNIs

Programa com o áudio completo da fita cassete nº 6 das 15 fitas desclassificadas pela FAB – Força Aérea Brasileira no Arquivo Nacional (COREG – DF), contendo o registro das conversações de perseguição de OVNIs pelo piloto do caça F-103 Mirage (Jaguar 116), Capitão do Ar Armindo Sousa Viriato de Freitas com seu controle na Defesa Aérea, o Sargento Fernando durante seu vôo de tentativa de aproximação e interceptação.

Data de Início: 19/05/1986 – Horário: 01:49:51 Zulu
Data de Final: 20/05/1986 – Horário: 02:40:24 Zulu
Código de referência no Arquivo Nacional: BR DF ANBSB ARX.0.0.696
OBS.: Áudio legendado pelo ex-militar da FAB, Rodrigo Moura Visoni


F-103 Mirage



FONTE: Enigmas e Mistérios

Noite Oficial dos OVNIs: F5-E persegue OVNIs

Noite Oficial dos OVNIs: F-5E persegue OVNIs

Mãe "reencontra" filha morta graças a realidade virtual

Por Nathan Vieira

Você já assistiu ao episódio Be Right Back, de Black Mirror, em que uma jovem viúva transforma um corpo branco sintético em um androide que parece exatamente como seu marido que morreu? Pois bem. Em muitas ocasiões, nós utilizamos aquela famosa frase "Isso é tão Black Mirror". E nesta semana, uma situação trouxe à tona exatamente esse sentimento. Acontece que a Munhwa Broadcasting Corporation compartilhou um mini documentário intitulado "I Met You" em seu canal no YouTube, com a premissa de trazer um reencontro entre uma mulher (Jang Ji-sung) e sua filha (Nayeon), que morreu 2016.

No vídeo, Jang fica em um estúdio de chroma key (com aquele tecido verde ao fundo) enquanto usa um headset de realidade virtual. Ela e a versão virtual de sua filha conversam, dão as mãos e até fazem uma festa de aniversário com direito a um bolo e uma velinha acesa. A equipe de produção passou oito meses no projeto: eles projetaram desenvolveram o cenário virtual com b…

Como os modelos climáticos da Terra ajudam os cientistas a imaginar vida em mundos inimagináveis

Ilustração de um exoplaneta.
Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA/Chris Smith

Num edifício situado na extremidade noroeste do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland, milhares de computadores arrumados em "racks" do tamanho de máquinas de venda automática zumbem num coro ensurdecedor de processamento de dados. Dia e noite, fazem 7 mil biliões de cálculos por segundo. Estas máquinas são conhecidas coletivamente como o supercomputador Discover da NASA e têm a tarefa de executar modelos climáticos sofisticados para prever o clima futuro da Terra.

Mas agora também estão a investigar algo muito mais distante: se algum dos mais de 4000 planetas curiosamente estranhos para lá do nosso Sistema Solar, descobertos nas duas últimas décadas, pode suportar vida.

Os cientistas estão a descobrir que a resposta não é somente "sim", mas "sim" mediante uma variedade de condições surpreendentes em comparação com…

Ver estrelas em 3D: o novo programa de paralaxe da New Horizons

Imagens coloridas dos campos estelares de Wolf 359 (topo) e de Proxima Centauri, obtidas no final de 2019. Os grandes movimentos próprios de ambas as estrelas (no centro de cada imagem) vão fazê-las "desviar" mais de um segundo de arco em abril de 2020, quando a sonda New Horizons da NASA, a 8 bilhões de quilômetros da Terra, as fotografar. O círculo verde é uma estimativa da posição de ambas as estrelas nas imagens da New Horizons.
Crédito: William Keel/Universidade do Alabama/Observatório SARA)



Tem um telescópio de bom tamanho, com uma câmara digital? Então pode juntar-se, esta primavera, à missão New Horizons da NASA numa experiência do espaço profundo muito interessante e que vai quebrar recordes.

Em abril, a New Horizons, que na altura estará mais de 46 vezes mais distante do Sol do que a Terra, a 8 bilhões de quilômetros, vai ser usada para detetar "desvios" nas posições relativas de estrelas próximas em comparação com a posição para observadores cá na Terra…

Descoberto novo tipo de simetria, escondida em materiais artificiais

As simetrias autoduais emergem em pontos críticos, fazendo com que dois materiais completamente diferentes conduzam o som da mesma forma.
[Imagem: Michel Fruchart et al. - 10.1038/s41586-020-1932-6]

Simetrias escondidas

Não é todo dia que se descobre um novo tipo de simetria na natureza.

Menos ainda descobrir simetrias escondidas em materiais artificiais, projetados pelo homem.

E a descoberta tem inúmeras aplicações práticas imediatas.

Um trio de pesquisadores da Universidade de Chicago, nos EUA, descobriu uma simetria escondida dentro dos sólidos ao usar ondas sonoras para estudar o interior dos materiais. Eles usaram blocos de Lego para construir estruturas regulares e avaliar como elas reagem ao som.

O que eles descobriram é que estruturas completamente diferentes podem produzir o mesmo som - algo como bater em uma melancia verde e em uma melancia madura e ouvir o mesmo som.

"O que nos empolgou foi o fato de não podermos explicar nossas descobertas usando os conceitos existen…

Confirmado arrasto relativístico previsto por Einstein

Representação artística do "arrasto de referenciais": duas estrelas orbitando uma à outra torcendo espaço e tempo.
[Imagem: Mark Myers/OzGrav ARC Centre of Excellence]

Arrasto de referenciais

Um século após ter sido teorizada, astrônomos detectaram os efeitos da precessão Lense-Thirring - um efeito de arrasto de referenciais relativístico - no movimento de um sistema estelar binário, composto por uma anã branca e um pulsar.

Vivek Krishnan e seus colegas de quatro países analisaram vinte anos de dados observacionais do binário para finalmente confirmar essa previsão, feita pela teoria geral da relatividade de Einstein.

Quando um objeto maciço gira, a relatividade geral prevê que ele puxa o espaço-tempo ao seu redor, um fenômeno conhecido como arrasto de referenciais.

Esse fenômeno causa a precessão do movimento orbital de objetos gravitacionalmente acoplados, como os dois corpos de um sistema binário - a precessão é a mudança do eixo de rotação de um objeto induzido por outr…