Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho 28, 2019

Encontradas duas estrelas "mortas" que se orbitam em minutos

Ilustração de um par de anãs brancas, de nome ZTF J1530+5027. Este par "eclipsante" de anãs brancas orbita-se uma à outra a cada sete minutos: quando a estrela maior e mais fria passa em frente, ou eclipsa, a estrela mais pequena e quente, a luz da estrela mais pequena é bloqueada. Para os astrônomos que observam o sistema, o par parece ter desaparecido durante aproximadamente 30 segundos durante a fase eclipsante da sua órbita.
Crédito: Caltech/IPAC/R. Hurt

Duas estrelas mortas foram vistas a orbitar-se uma à outra a cada sete minutos. A descoberta celeste rara foi feita usando o ZTF (Zwicky Transient Facility) do Caltech, um levantamento do céu topo-de-gama no Observatório Palomar que varre rapidamente o céu noturno à procura de qualquer coisa que se mova, pisque ou varie de brilho.

O novo duo dinâmico, oficialmente conhecido como ZTF J1539+5027, é o segundo par mais rápido de estrelas mortas que se orbitam, de nome anãs brancas, encontrado até hoje. O par é também o mais…

Astrônomos espiam Europa bloqueando estrela distante - graças à missão Gaia

Este "retrato de família" mostra uma composição de imagens de Júpiter, incluindo a sua Grande Mancha Vermelha e as suas quatro maiores luas. De cima para baixo, as luas são Io, Europa, Ganimedes e Calisto. Europa tem quase o mesmo tamanho que a Lua da Terra, enquanto Ganimedes, a maior lua do Sistema Solar, é maior do que o planeta Mercúrio.
Enquanto Io é um mundo vulcanicamente ativo, Europa, Ganimedes e Calisto são gelados e podem ter oceanos de água líquida sob a sua crosta. Europa, em particular, pode até abrigar um ambiente habitável.
Júpiter e as suas grandes luas geladas vão ser o foco da missão Juice da ESA. A sonda vai percorrer o sistema joviano durante cerca de três anos e meio, incluindo "flybys" das luas. Também vai entrar em órbita de Ganimedes, a primeira vez que qualquer lua, além da nossa, é orbitada por uma nave espacial.
As imagens de Júpiter, Io, Europa e Ganimedes foram captadas ela sonda Galileo em 1996, enquanto a imagem de Calisto é da pass…

Vídeo mostra momento em que sonda Hayabusa2 toca pela segunda vez o asteroide Ryugu

Por George Dvorsky

Um vídeo recém-publicado pela Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA) mostra o momento crítico em que a sonda Hayabusa2 fez contato com a superfície do asteroide Ryugu pela segunda vez.

No dia 11 de julho de 2019, a Hayabusa2 fez história ao realizar o segundo pouso no Ryugu, um asteroide de 870 metros de diâmetros localizado a 300 milhões de quilômetros da Terra.

A Hayabusa2 realizou o seu primeiro pouso em fevereiro, coletando materiais da superfície do asteroide. O segundo pouso foi um pouco diferente, envolvendo a coleta de materiais mais profundos que foram levantados durante uma missão prévia, quando a sonda atirou um projétil no asteroide, criando uma cratera artificial.

Um novo vídeo da JAXA mostra o pouso de 11 de julho da Hayabusa2. O vídeo foi feito a partir de uma série de imagens estáticas capturadas pelo instrumento CAM-H. O vídeo é mostrado com uma velocidade 10 vezes maior do que a normal para melhorar a visualização, já que o pouso da so…

Em novo livro, brasileiras resgatam histórias de mulheres matemáticas

KATHERINE COLEMAN GOBLE JOHNSON, MATEMÁTICA QUE TRABALHOU NA NASA. IMAGEM DE 1966 (FOTO: NASA; RESTORED BY ADAM CUERDEN/WIKIPEDIA COMMONS)

Percebendo a falta de representavidade de mulheres na matemática, três pesquisadoras brasileiras escreveram um livro para contar a trajetória de nomes importantes para o setor. A obra A História de Hipátia e de Muitas Outras Matemáticas, publicada pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), acaba de ser lançada e pode ser acessada digitalmente de maneira gratuita.

As autoras são Cecília de Souza Fernandez e Ana Maria Luz Fassarella do Amaral, professoras do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal Fluminense (UFF), além de Isabela Vasconcellos Viana, graduada em matemática pela UFF.

Segundo Fassarella, o livro é resultado da extensão do projeto Mulheres na Matemática da UFF, um portal dedicado a apresentar dados sobre a participação feminina na área, criado em 2017. "Percebemos que tínhamos um material rico que poder…

Tracy Caldwell Dyson: conheça uma das mais jovens astronautas da NASA

TRACY CALDWELL DYSON NASCEU EM AGOSTO DE 1969; SE ESCOLHIDA, TERÁ 53 ANOS QUANDO PISAR NA LUA (FOTO: NASA)

Graduada em Química, ela é uma das concorrentes a participar da missão Artemis, que levará uma mulher à Lua em 2024

POR VANESSA CENTAMORI

Tracy Caldwell Dyson nasceu na cidade de Arcadia, no Estado da Califórnia, Estados Unidos, no dia 14 de agosto de 1969. Já passou 188 dias no espaço, realizando mais de 22 horas em caminhadas espaciais. Ela é a primeira astronauta norte-americana que nasceu depois do primeiro pouso na Lua realizado pela Apollo 11, em 20 julho de 1969.


EM DIREÇÃO AO LABORATÓRIO DA ISS (FOTO: NASA)

Dyson é graduada em Química pela Universidade Estadual da Califórnia, em Fullerton, e tem PhD na mesma área pela Universidade da Califórnia, em Davis. No ano 2000, foi premiada com o NASA Superior Accomplishment Award, concedido a funcionários da agência que demonstram um desempenho de qualidade. Em 2010, a astronauta também ganhou a medalha NASA Distinguished Service…

Satélite movido por energia solar registra linda foto da Terra

SATÉLITE LIGHTSAIL 2 ORBITA EM TORNO DA TERRA (FOTO: THE PLANETARY SOCIETY)

O LightSail 2 está sendo testado como opção mais barata e sustentável de realizar pesquisas espaciais

Foram divulgadas imagens da vela solar do satélite LightSail 2 se abrindo no espaço. O equipamento serve para testar uma tecnologia feita para mover pequenas naves sem o uso de combustíveis, usando apenas a energia do Sol.

A LightSail 2 faz parte do projeto LightSail da Planetary Society, uma organização global sem fins lucrativos dedicada à exploração espacial. O objetivo é realizar uma exploração espacial mais limpa e barata, sem usar propelentes (os combustíveis de foguetes) tóxicos. A ideia é usar velas como a LightSail 2, mais sustentáveis.

Em 2015, a Planetary Society fez um voo teste com a LightSail 1. Quatro anos depois, enviou a segunda versão ao espaço. A LightSail 2 foi lançada no último dia 25 de junho, junto ao foguete Falcon Heavy, da empresa Space X.


REPRESENTAÇÃO DO LIGHTSAIL 2 ORBITANDO A TE…

Revista Ovni Pesquisa (Edição n° 4)

A Revista Ovni Pesquisa se encontra à venda pelo seu site www.ovnipesquisa.com.br. Dedicada ao estudo do fenômeno OVNI de forma cientifica é uma publicação do grupo Cipfani, de Minas Gerais.

Abaixo a versão digital da terceira edição:

Ovni Pesquisa Ed 4 Publish at Calameo
FONTE: www.ovnipesquisa.com.br

Leias a edições anteriores clicando nos links abaixo:

Revista Ovni Pesquisa (Edição n° 1)

Revista Ovni Pesquisa (Edição n° 2)

Revista Ovni Pesquisa (Edição n° 3)

Comentando foto de disco voador (Vancouver - Canadá - 1981) - 08

Programa onde comentamos sobre a melhor fotografia de OVNI antes do advento do Programa Photoshop. Fotografia tirada por Hannah Mc Roberts, em 8 de outubro de 1981, em Vancouver, no Canadá. A fotografia foi analisada por funcionários do Planetário Mc Milan, em Vancouver, pelos especialistas da APRO e pelo ex-cientista da NASA, Richard F. Haines. Ao assistir este programa você saberá detalhes inéditos sobre este excepcional caso.



FONTE: Enigmas e Mistérios

Veja também:

Comentando foto de disco voador (França - 1974) - 01

Comentando foto de disco voador (Colorado - 1929) - 02

Comentando foto de disco voador (Santo André/SP - 1977) - 03

Comentando foto de disco voador (Yungay - Perú - 1967) - 04

Comentando foto de disco voador (Rio de Janeiro - Brasil - 1971) - 05

Comentando foto de ovni triangular (Bélgica - 1990) - 06

Comentando foto de disco voador (Nuevo León - México - 1994) - 07

Kate Rubins: a primeira pessoa a sequenciar o DNA no espaço

KATE RUBINS NASCEU EM OUTUBRO DE 1978; SE ESCOLHIDA, TERÁ 44 ANOS QUANDO PISAR NA LUA (FOTO: NASA)

Formada em Biologia Molecular, ela á uma das concorrentes a participar da missão Artemis, que levará uma mulher à Lua em 2024

POR VANESSA CENTAMORI

Kathleen Rubins nasceu no dia 14 de outubro de 1978, em Farmington, Connecticut, Estados Unidos. A astronauta passou um total de 115 dias no espaço, durante os quais gastou uma quantidade de 12 horas e 46 minutos andando com um traje espacial.

Formada em Biologia Molecular na Universidade da Califórnia, Rubins tem PhD em Biologia do Câncer na Universidade de Stanford e já trabalhou como investigadora científica do Whitehead Institute for Biomedical Research.


KATE RUBINS TRABALHA COM UM TANQUE DO SISTEMA DE RECARGA DE NITROGÊNI /OXIGÊNIO A BORDO DA ISS (FOTO: NASA)

A astronauta ingressou na NASA em 2009. Em seu treinamento, quando esteve na 20ª classe de astronautas da agência espacial norte-americana, recebeu instruções sobre o funcionamento…

A carta escrita em front da Primeira Guerra que ajudou Einstein a descobrir os buracos negros

A Teoria da Relatividade Geral de Einstein explica da origem do universo à órbita dos planetas e os buracos negros - DONALDSON COLLECTION/GETTY

Karl Schwarzschild era diretor do Observatório Astronômico de Potsdam, o posto de maior prestígio a que um astrônomo poderia aspirar na Alemanha, quando eclodiu a Primeira Guerra Mundial.

O astrofísico fez então algo inesperado: se ofereceu como voluntário para o Exército alemão.

Schwarzschild era um renomado acadêmico de 40 anos. Mas também era judeu e, diante do antissemitismo crescente na Alemanha, queria demonstrar que era tão alemão quanto seus compatriotas.

Uma vez nas Forças Armadas, ficou encarregado de uma estação meteorológica na Bélgica, depois passou a calcular as trajetórias balísticas de artilharia na França e, próximo ao fim de 1915, estava na chamada Frente Oriental da guerra.

Quando ele estava no front começaram a aparecer algumas bolhas em sua boca - que logo se alastraram pelo corpo todo.

No hospital de campanha, Schwarzsch…

NASA descobre três planetas que podem ser “elo perdido” da formação planetária

Imagem: Nasa/Goddard Space Flight Centre/Scott Wiessinger

A NASA encontrou três novos exoplanetas (como são chamados os planetas que orbitam uma estrela que não é o Sol) relativamente próximos de nós. A descoberta foi publicada na segunda-feira (29) no periódico Nature e deixou a comunidade científica bastante animada — parece que a descoberta pode oferecer respostas importantes sobre a formação dos planetas em nosso próprio Sistema Solar.

Batizado de TOI-270, o novo sistema estelar foi descoberto com a ajuda do telescópio espacial TESS — sigla em inglês para Transiting Exoplanet Survey Satellite (ou Satélite de Pesquisas de Exoplanetas em Trânsito, em tradução livre). O TESS foi lançado ao espaço pela NASA há um ano e já encontrou 21 planetas fora do Sistema Solar, além de coletar dados de supernovas e buracos negros, entre outros fenômenos.

Elo perdido

O sistema de TOI-270 está há 73 anos-luz de distância da Terra, o que é uma distância relativamente pequena numa escala cosmológica…

Como será a próxima ida do homem à Lua planejada pela Nasa

A próxima geração de naves será mais parecida com as dos anos 1960 do que com os ônibus espaciais - NASA

Paul Rincon
Editor de Ciência de BBC News

Um veículo de 12 rodas levanta uma nuvem de poeira cinza e deixa marcas no solo ao atravessar um terreno assimétrico. O "caminhão espacial" tem uma cabine pressurizada, permitindo que os dois astronautas dentro dele respirem sem os trajes espaciais.

Eles estão cansados depois de passarem um dia todo investigando depósitos de gelo a alguns quilômetros de sua base.

Essa é a lua em 2050.

Conforme o veículo passa ao redor de uma enorme cratera, os astronautas veem o brilho de espelhos montados em sua borda. Os espelhos direcionam a luz do sol para a cratera, dando energia para uma operação de mineração para extrair água/gelo do fundo. À esquerda, o caminhão passa por uma área de pouso, onde um veículo de subida aguarda para entrar em órbita.

O veículo para perto dos domos de uma base, localizada no polo sul da Lua. Os astronautas ent…

Qual é a melhor teoria quântica? Inteligência Científica Artificial responde

A ideia é que esses algoritmos de "Inteligência Científica Artificial" decidam qual teoria explica melhor a realidade.
[Imagem: Annabelle Bohrdt/Christoph Hohmann/MCQST]

Teorias na mecânica quântica

"Eu creio que posso dizer com segurança que ninguém entende mecânica quântica," disse certa vez o famoso físico Richard Feynman (1918-1988), um dos pioneiros na área da computação quântica e criador do conceito de nanotecnologia.

E esse dito um tanto contundente parece continuar válido em muitos aspectos hoje.

De fato, vários fenômenos da física permanecem envoltos em mistério. Por exemplo, até hoje não se sabe por que a resistência elétrica dos supercondutores cai a zero quando eles atingem limiares específicos de temperatura. Ou porque uma onda colapsa para um comportamento tipo partícula quando é feita uma medição.

Para entender esses sistemas quânticos, vários modelos teóricos têm sido propostos e estudados. Mas qual reflete melhor a realidade?

Inteligência cientí…

Se um exoplaneta tiver vida, que cor ele terá?

As simulações mostram as bioassinaturas da Terra ao longo de bilhões de anos.
[Imagem: Wendy Kenigsberg/Cornell]

A cor da vida

Usando a paleta de cores da natureza da Terra ao longo de sua história, astrônomos criaram um roteiro para localizar bioassinaturas e ajudar a entender onde os exoplanetas podem estar ao longo de seu próprio espectro evolutivo.

"Em nossa busca para entender os exoplanetas, estamos usando a Terra primordial e seus marcos biológicos na história como uma pedra de Roseta. Os cientistas podem observar bioassinaturas superficiais além da vegetação em exoplanetas semelhantes à Terra usando nosso próprio planeta como a chave para o que estão procurando," disse Jack O'Malley-James, que simulou a aparência da Terra ao longo de sua história juntamente com Lisa Kaltenegger, ambos do Instituto Carl Sagan, da Universidade de Cornell, nos EUA.

No último meio bilhão de anos - cerca de 10% da vida do nosso planeta - a clorofila, presente em muitas formas de vid…

Descoberto primeiro metal naturalmente ferroelétrico

Estrutura do metal ferroelétrico (esquerda) e imagem dos domínios ferroelétricos em seu interior (direita).
[Imagem: FLEET]

Ferroeletricidade

Acaba de ser descoberto o primeiro metal natural com a propriedade da ferroeletricidade.

É o primeiro exemplo de um metal nativo com estados de polarização espontânea biestáveis e eletricamente comutáveis - a marca da ferroeletricidade.

A ferroeletricidade pode ser considerada uma análoga do ferromagnetismo. Um material ferromagnético apresenta magnetismo permanente e, em termos simples, é um ímã com pólos norte e sul.

O material ferroelétrico também apresenta uma propriedade elétrica análoga, chamada polarização elétrica permanente, que se origina de dipolos elétricos consistindo de extremidades - ou pólos - iguais, mas de carga oposta. Nos materiais ferroelétricos, estes dipolos elétricos existem no menor nível de sua estrutura cristalina, dando origem a um momento de dipolo elétrico permanente.

Esse momento de dipolo elétrico espontâneo pode…