Pular para o conteúdo principal

Em novo livro, brasileiras resgatam histórias de mulheres matemáticas


KATHERINE COLEMAN GOBLE JOHNSON, MATEMÁTICA QUE TRABALHOU NA NASA. IMAGEM DE 1966 (FOTO: NASA; RESTORED BY ADAM CUERDEN/WIKIPEDIA COMMONS)

Percebendo a falta de representavidade de mulheres na matemática, três pesquisadoras brasileiras escreveram um livro para contar a trajetória de nomes importantes para o setor. A obra A História de Hipátia e de Muitas Outras Matemáticas, publicada pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), acaba de ser lançada e pode ser acessada digitalmente de maneira gratuita.

As autoras são Cecília de Souza Fernandez e Ana Maria Luz Fassarella do Amaral, professoras do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal Fluminense (UFF), além de Isabela Vasconcellos Viana, graduada em matemática pela UFF.

Segundo Fassarella, o livro é resultado da extensão do projeto Mulheres na Matemática da UFF, um portal dedicado a apresentar dados sobre a participação feminina na área, criado em 2017. "Percebemos que tínhamos um material rico que poderia servir de referência para meninas", ela conta à GALILEU. "Muitas jovens interessadas na carreira não a seguem por falta de identificação e de conhecimento de que há mulheres na profissão. Por isso, é importante mostrar modelos."

Para a obra, foram escolhidas 15 mulheres: Hipátia de Alexandria, Maria Gaetana de Agnesi, Marie-Sophie Germain, Sofia Vasilevna Korvin-Krukovsky, Amalie Emmy Noether, Mary Lucy Cartwrigh, Marie-Louise Dubreil Jacoti, Marjorie Lee Browne, Maria Laura Mouzinho Leite, Katherine Coleman Goble Johnson, Julia Bowman Robinson, Mary Ellen Rudin, Marina Ratner, Laure Saint-Raymond e Maryam Mirzakhani.

As histórias são contadas de forma cronológica: começa com Hipátia, pois ela é considerada a primeira matemática do mundo; e termina com Maryam Mirzakhani, que em 2014 tornou-se a primeira mulher a ganhar a Medalha Fields, um dos principais reconhecimentos para os matemáticos.

Fassarella afirma que uma das surpresas no desenvolvimento do livro foi conhecer as dificuldades que essas mulheres enfrentaram. "Muitas não conseguiram ser professoras só porque eram mulheres", ela diz. "É preciso conhecer a luta e história das mulheres, que até hoje lutam pela igualdade na matemática."

No projeto Mulheres na Matemática, estudantes da UFF ajudaram a escrever os perfis das matemáticas retratadas na obra. Neste livro, as três pesquisadoras atuaram em conjunto para atualizar as descrições e inserir novos dados. De acordo com Fassarella, a obra está disponível online para que possa atingir a maior quantidade de pessoas. Ela ainda espera que o material possa ser usado nas aulas de matemática das escolas brasileiras.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…