Pular para o conteúdo principal

A carta escrita em front da Primeira Guerra que ajudou Einstein a descobrir os buracos negros


A Teoria da Relatividade Geral de Einstein explica da origem do universo à órbita dos planetas e os buracos negros - DONALDSON COLLECTION/GETTY

Karl Schwarzschild era diretor do Observatório Astronômico de Potsdam, o posto de maior prestígio a que um astrônomo poderia aspirar na Alemanha, quando eclodiu a Primeira Guerra Mundial.

O astrofísico fez então algo inesperado: se ofereceu como voluntário para o Exército alemão.

Schwarzschild era um renomado acadêmico de 40 anos. Mas também era judeu e, diante do antissemitismo crescente na Alemanha, queria demonstrar que era tão alemão quanto seus compatriotas.

Uma vez nas Forças Armadas, ficou encarregado de uma estação meteorológica na Bélgica, depois passou a calcular as trajetórias balísticas de artilharia na França e, próximo ao fim de 1915, estava na chamada Frente Oriental da guerra.

Quando ele estava no front começaram a aparecer algumas bolhas em sua boca - que logo se alastraram pelo corpo todo.

No hospital de campanha, Schwarzschild foi diagnosticado com Pemphigus vulgaris, uma doença rara em que o próprio sistema imunológico do paciente ataca a pele. A doença ainda não tem cura, mas hoje pode ser tratada com esteroides.

Em 1915, entretanto, não havia o que fazer e Schwarzschild decidiu se distrair com seu amor pela física, mais particularmente a um rumor que havia escutado em Potsdam.


A Primeira Guerra Mundial se estendeu de 1914 a 1918 e vitimou um número estimado de 17 milhões de soldados e civis

Nessa época, o físico Albert Einstein trabalhava para ampliar sua Teoria da Relatividade Restrita e elaborar uma geral.

Quando, em novembro de 1915, ele falou sobre as equações de campo da Relatividade Geral na Academia Prussiana de Ciências, Schwarzschild deu um jeito de conseguir uma cópia escrita da exposição.

O que o astrofísico não imaginava é que Einstein tinha um problema que ele poderia ajudar a solucionar.

De Newton a Einstein

A teoria até então aceita, a Gravitação Universal de Isaac Newton, apontava a gravidade como responsável pelo desenho da órbita da Terra em torno do Sol.

Einstein percebeu que Newton estava equivocado.

Primeiramente, ele ligou as três dimensões do espaço à dimensão do tempo, ao que deu o nome de "espaço-tempo".

Depois, demonstrou que o espaço-tempo não é apenas o cenário em que a física opera, mas um protagonista dela.

Uma imagem que ajuda a entender seu mecanismo é a da cama elástica. O Sol, por ser uma estrela de grande massa, é como uma bola pesada que, ao ser colocada sobre a tela, a deforma.

A Terra e os demais planetas do Sistema Solar, por serem menores, se comportam como bolinhas menores colocadas sobre a cama elástica: quando se lança uma delas sobre a tela, ela não avança em linha reta, mas acompanha a curva gerada pela bola mais pesada, que está no centro da cama elástica.

Em outras palavras, o Sol "obriga" os planetas a seguirem a deformação que ele mesmo provoca no "espaço-tempo".


De acordo com a Teoria da Relatividade Geral, um corpo de grande massa como o Sol distorce o 'espaço-tempo' ao seu redor e condiciona a trajetória de objetos menores a essa curvatura

Em um primeiro momento, entretanto, Einstein não conseguia descobrir como o "espaço-tempo" se deformava de acordo com a massa dos astros maiores.

Foi Schwarzschild, que há muito tempo se dedicava a calcular órbitas planetárias, que encontrou a fórmula para a curvatura e a enviou ao famoso físico em Berlim.

A carta

"Quando Einstein publicou sua Teoria da Relatividade Geral, em 1916, não foi capaz de oferecer uma solução exata", diz um artigo publicado pela Universidade de British Columbia, em Vancouver, no Canadá.

O físico havia chegado aos primeiros resultados por aproximação.

"Não esperava que a solução exata para o problema pudesse ser formulada. Seu tratamento analítico do problema me parece esplêndido", respondeu Einstein por carta.


Karl Schwarzschild escreveu para Einstein da cama do hospital

Na semana seguinte, o físico apresentou os resultados na Academia Prussiana de Ciência em nome de Schwarzschild - que, de sua cama de hospital, percebeu que podia ir mais além.

A outra carta
Ele se deu conta de que, se a massa de uma estrela se comprimia em um volume cada vez menor, o vale do "espaço-tempo" ao seu redor se aprofundaria cada vez mais até que, finalmente, se converteria em um poço sem fundo do qual nada, nem mesmo a luz, poderia escapar.

Tratava-se dos buracos negros, termo que só apareceria décadas depois.

Schwarzschild enviou seus achados mais uma vez a Einstein. A teoria do físico já predizia a existência dos buracos negros - ele, entretanto, era cético quanto à possibilidade de que eles realmente existissem.

Na primavera de 1916, Schwarzschild foi transferido para Berlim, onde morreu pouco depois, em 11 de maio. Tinha apenas 42 anos.

*Este texto foi formulado com base no artigo de Marcus Chown publicado pela BBC Science Focus.

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…