Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 15, 2019

Esses exoplanetas, apesar de gigantes, são leves como algodão doce

Por Daniele Cavalcante

O sistema estelar Kepler-51 abriga três exoplanetas descobertos em 2012, orbitando uma estrela parecida com o Sol. O fato curioso sobre esses mundos é que pertencem a uma classe única e rara, inexistente no Sistema Solar. Por terem densidade equivalente à do algodão doce, eles são apelidados de “super-puffs” ("super inchados", em tradução livre).

Novos dados do telescópio espacial Hubble forneceram as primeiras pistas para a química de dois desses planetas. As recentes observações permitiram que uma equipe de astrônomos realizasse estimativas mais precisas da massa e tamanho desses mundos.

De acordo com os resultados, esses planetas têm massa poucas vezes maiores que a massa da Terra, mas suas atmosferas de hidrogênio e hélio são tão inchadas que os mundos são quase do tamanho de Júpiter. Em outras palavras, eles têm volume gigantesco, mas são aproximadamente cem vezes mais leves que Júpiter em termos de massa.

Com a ajuda do Hubble, a equipe procurou…

Fósseis de árvores mais antigos do mundo são encontrados em Nova York

Um sistema de raízes do gênero extinto Archaeopteris em Cairo, EUA - CHARLES VER STRAETEN

Laura Foster
Repórter de ciência da BBC

Cientistas localizaram no Estado americano de Nova York os fósseis de árvores mais antigos já encontrados, de 386 milhões de anos atrás.

Eles estão em uma pedreira abandonada na cidade de Cairo, no Condado de Greene, e acredita-se que faziam parte de uma floresta que cobria também parte do território da Pensilvânia, Estado vizinho.

Antes, o título de floresta mais antiga do mundo também estava no Estado de Nova York, em Gilboa - mas o achado em Cairo possivelmente é 2 ou 3 milhões de anos mais velho.

A descoberta contribui para o entendimento da evolução das árvores.

O que os cientistas encontraram?

Há mais de uma década, pesquisadores da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, da Universidade de Binghamton e do Museu de Nova York começaram a vasculhar o sopé das montanhas Catskill, no vale do rio Hudson.

Desde então, eles mapearam cerca de 3 mil quilômet…

O que uma torradeira pode ensinar sobre o Universo

GETTY IMAGES

Helen Czerski, física
BBC Ideas

Vivemos em um mundo maravilhosamente complicado, cheio de gatos, árvores, trilhas, leões, aves, objetos fabricados pelo homem...

Em comparação, todo o Universo é muito simples. Até os cosmólogos, cientistas que investigam a origem e a evolução do Universo, estão dispostos a admitir que isso é verdade.

É difícil de entender, mas ele não é tão confuso quanto o nosso mundo.

No entanto, as mesmas regras da física governam tudo que existe.

Isso significa que, mesmo em sua cozinha, você pode aprender coisas que esclarecem aspectos sobre a natureza fundamental do Universo.

Vamos começar com uma torradeira

Acho que é melhor prestar atenção em uma torradeira antes de se preocupar em entender o resto do Universo: torrar o pão funciona com as mesmas regras da física.

Quando aquecidos, os elementos da torradeira ficam laranjas. Ninguém tem uma torradeira cujos resistores brilham em azul.

Essa cor não pode ser alterada. Ela obedece a um princípio funda…

Dirigíveis espaciais terão velas solares inteligentes

Velas solares controladas por cristais líquidos vão alinhar-se automaticamente com o feixe de laser enviado da Terra.
[Imagem: M. Martin/RIT]

Velas de luz

Para tirar fotos de planetas fora do nosso Sistema Solar, alguns pesquisadores estão propondo o uso de uma frota de naves impulsionadas por "velas de luz", versões das velas solares impulsionadas por poderosos lasers disparados a partir da Terra.

O projeto Starshot, por exemplo, que se baseia nesse conceito para fazer a primeira viagem interestelar até Alfa Centauro, já está em andamento.

Mas existem muitos desafios técnicos a serem vencidos antes que suas naves em miniatura saiam da Terra em direção ao espaço profundo.

A boa notícia é que um dos maiores dentre esses desafios, senão o maior, acaba de ser solucionado por um trio de pesquisadores do Instituto Rochester de Tecnologia, nos EUA.

Redes de difração

Ying-Ju Chu e seus colegas descobriram como alinhar as velas solares para que elas não saiam do foco do laser e pos…

Depoimentos raros e curiosidades da Operação Prato

Programa sobre um vídeo da década de 70 com depoimentos raros e comprovação do envolvimento do General Uchôa, do Exército, na pesquisa do Fenômeno Chupa-Chupa. Este episódio clássico da Ufologia Mundial foi pesquisado pelos militares do I COMAR, da FAB no estado do Pará. Toda a investigação militar em torno dos OVNIs no norte do Brasil ficou conhecida com o nome de “Operação Prato”.



FONTE: Enigmas e Mistérios


Brasil nomeia estrela e exoplaneta a 109 anos-luz da Terra como Tupi e Guarani

Por Giovanni Santa Rosa

Em junho, a União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês) anunciou uma campanha para permitir que mais de cem países votassem em nomes para estrelas e exoplanetas. Os vencedores do concurso brasileiro foram anunciados nesta terça-feira (17): a estrela se chamará Tupi, e o planeta terá o nome de Guarani.

Antes, o planeta e a estrela tinham nomes nada simpáticos: HD 23079B e HD 23079. Eles ficam na constelação do Retículo e estão a aproximadamente 109 anos-luz da Terra.

A votação organizada pela IAU seguiu o mesmo padrão em todos os países: cientistas e astrônomos selecionavam sugestões e montavam uma lista, e o público votava na sua opção preferida. No Brasil, havia 14 candidatos que faziam referência à cultura do País, como Arara e Sabiá, Caipora e Curupira, Capitu e Bentinho, Dandara e Zumbi, Iara e Saci.

Tupi e Guarani foram os vencedores, recebendo 15% de um total de apenas 7.060 votos. Tupi é a designação dos povos que falavam a língua tupi e h…

Telescópio espacial europeu que vai estudar exoplanetas acaba de ser lançado

Por Daniele Cavalcante

Após uma falha ter atrasado o lançamento por um dia, o telescópio espacial Cheops (Characterising Exoplanet Satellite) foi finalmente lançado por meio de um Soyuz-Fregat, foguete russo com três estágios. A decolagem foi realizada no Porto Espacial Europeu em Kourou, Guiana Francesa, na madrugada desta quarta-feira (18).

O lançamento estava programado para acontecer na terça-feira (17), mas a missão foi abortada no último momento devido a uma falha nos sistemas de controle do satélite. Não foi a primeira vez que o programa foi adiado, mas na segunda tentativa, nesta quarta (18), deu tudo certo — e o telescópio já segue rumo à sua aventura espacial. O Cheops vai orbitar a Terra a uma altitude de 700 km e, por isso, também pode ser chamado de satélite.



Essa é a primeira missão da ESA (a agência espacial europeia) dedicada à pesquisa de exoplanetas, aqueles localizados fora do Sistema Solar. Diferente das missões de descobertas, o Cheops fornecerá informações impor…

Cientistas reconstroem um DNA humano encontrado em ‘chiclete’ de 5.700 anos

Reconstrução artística de "Lola". Ilustração: Tom Björklund

Por George Dvorsky

Cientistas na Dinamarca conseguiram obter todo um genoma humano a partir de um pedaço pré-histórico de “chiclete”. Feito de alcatrão de bétula, o chiclete de 5.700 anos também continha evidências de dietas e doenças e está fornecendo um retrato da vida durante o início Neolítico.

Lola era uma mulher neolítica que morava na Dinamarca cerca de 5.700 anos atrás, quando a região estava passando lentamente da caça para a agricultura. Ela tinha olhos azuis, cabelos escuros e pele escura. A mulher tinha uma relação próxima com caçadores-coletores e agricultores vindos da Europa continental. A dieta de Lola incluía pato e avelã, e ela pode ter sofrido de doença gengival e mononucleose.

Seus restos mortais são completamente desconhecidos para os arqueólogos e, como esse período remonta à pré-história, não existem registros escritos sobre sua vida e a comunidade em que ela morava. Incrivelmente, esses rico…

Explorar Vênus é um desafio e tanto, mas a NASA está empenhada nessa missão

Por Patrícia Gnipper

A NASA vem falando recentemente em voltar a explorar Vênus com missões presenciais, contando com sondas e robôs — e possivelmente até astronautas — nesta próxima década. O segundo planeta a partir do Sol já foi estudado inicialmente no século passado, mas ainda é recheado de mistérios que, caso resolvidos, podem proporcionar avanços para o nosso próprio planeta, além de, claro, aumentar nosso conhecimento sobre o Sistema Solar.

A última missão norte-americana rumo a Vênus foi a Magellan, há quase 30 anos; então, a agência espacial entende que já passou da hora de voltar a estudar o "planeta infernal", contando, agora, com tecnologias e avanços científicos que não existiam naquela época.

Vênus é um mundo intrigante por ter características geológicas similares às da Terra, porém com diferenças cruciais para determinar suas condições inóspitas para a vida. O planeta tem mais vulcões em sua superfície do que qualquer outro mundo do Sistema Solar, além de fe…

Inteligência artificial vai ajudar NASA a analisar dados sobre exoplanetas

Por Felipe Junqueira

A NASA aposta na inteligência artificial para ajudá-la nas pesquisas sobre exoplanetas, aqueles que orbitam outras estrelas além do nosso Sol. Mais especificamente, a agência espacial quer criar algoritmos de aprendizado de máquina para analisar parte dos dados enviados pelos telescópio espaciais TESS e James Webb. O primeiro está vasculhando o universo em busca de exoplanetas seguindo a missão iniciada pelo aposentado Kepler, enquanto o segundo será o sucessor do Hubble.

Os cientistas da NASA defendem o uso de máquinas para ajudar no trabalho do dia a dia, analisando parte dos dados enviados pelas diversas sondas e telescópios controlados pela agência, que recebe de sua frota de observadores espaciais espalhados pelo Sistema Solar cerca de 2 gigabytes de dados a cada 15 segundos. “Nós só analisamos uma fração desses dados, porque temos limite de pessoal, tempo e recursos”, explicou Madhulika Guhathakurta, heliofísica da NASA, que defendeu o uso de algoritmos. “P…

Esta é a galáxia mais distante já detectada sem o uso de lentes gravitacionais

Por Felipe Junqueira

O observatório ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) conseguiu encontrar uma galáxia quase da idade do universo que está 970 milhões de anos-luz distante da Terra. Chamada de MAMBO-9, a galáxia formada principalmente por poeira estelar é a mais distante já vista sem a ajuda do recurso de lente gravitacional.

O brilho da MAMBO-9 foi detectado pela primeira vez há dez anos pelo MAMBO (Max-Planck Millimeter BOlometer) e detectado mais uma vez desde então. Mas a luz da galáxia nunca foi vista de maneira tão intensa e clara como agora. “Estávamos em dúvida se ela era real, porque não pudemos encontrá-la com outros telescópios”, observou Manuel Aravena, co-autor do estudo recente e um dos primeiros a detectar a MAMBO-9. “Mas se fosse real, teria que estar muito distante”, explicou.

Galáxias de poeira formadora de estrelas são muito difíceis de se detectar, conforme explicou a líder da pesquisa, Caitlin Casey. “Essas galáxias tendem a se esconder da vista.…

Desvendado mistério sobre significado das estátuas da Ilha de Páscoa

Escavações de dois Moais por parte da equipe Jo Anne Van Tilburg, na pedreira de Rano Raraku na ilha de Rapa Nui, mais conhecida como Ilha de Páscoa. Crédito: Projeto Estátuas da Ilha de Páscoa

O povo rapanui provavelmente acreditava que as estátuas, chamadas Moais, ajudavam na fertilidade do solo e na agricultura da ilha, segundo novo estudo

A ilha Rapa Nui (ou Ilha de Páscoa, como é mais conhecida) é lar dos enigmáticos Moais, estátuas de pedra que vigiam o ambiente da ilha há centenas de anos. Sua existência é uma maravilha fruto da engenhosidade humana — e o significado por trás de sua construção ainda é uma fonte de mistério.

Os antigos escultores rapanuis trabalharam para esculpir quase 1.000 Moais sob ordens da elite dominante da época porque eles, assim como a comunidade em geral, acreditavam que as estátuas eram capazes de induzir a fertilidade na agricultura e, portanto, suprimentos essenciais para alimentação. É o que concluiu um novo estudo liderado por Jo Anne Van Tilbu…