Pular para o conteúdo principal

O dia em que a Terra ficou líquida: como foi o impacto colossal que dizimou os dinossauros


O impacto do asteroide liberou uma energia equivalente a 10 bilhões de bombas de Hiroshima (BARCROFT PRODUCTIONS/BBC)

Jonathan Amos
BBC

É difícil imaginar como bilhões de toneladas de rocha podem de repente se comportar como um líquido, mas foi exatamente o que aconteceu quando um asteroide atingiu a Terra há 66 milhões de anos.

Assim afirmam cientistas americanos que conseguiram reconstruir em detalhes cada passo do impacto colossal que dizimou os dinossauros.

Amostras obtidas da cratera formada após a colisão permitiram concluir que as rochas sofreram um processo de "fluidificação".

Em outras palavras, o material pulverizado começou a se comportar como uma substância semelhante à água.

Cratera de 200 km

Modelos de computador permitiram determinar o que aconteceria se um objeto rochoso de 12 quilômetros de diâmetro vindo do espaço colidisse com a superfície da Terra.

Inicialmente, seria criado quase instantaneamente um espaço côncavo de cerca de 30 quilômetros de profundidade e 100 quilômetros de diâmetro.

A instabilidade do terreno causaria mais tarde o colapso para dentro das margens da cratera. E esse colapso geraria, por sua vez, uma reação de rebote do fundo da cratera a alturas superiores ao Himalaia.


Os cientistas conseguiram perfurar as rochas para obter amostras de mais de 1,3 mil metros de profundidade sob o fundo do mar

Esses movimentos gigantescos se estabilizariam em um determinado momento, e o que restaria seria uma cratera de cerca de 200 quilômetros de diâmetro e 1 quilômetro de profundidade.

Essa cratera é precisamente a que se encontra hoje enterrada sob uma camada de sedimentos no Golfo do México, perto do porto de Chicxulub.

Como na Lua

O modelo é chamado de "modelo de colapso dinâmico de formação de cratera", e o impacto que descreve só é possível se as rochas, por um curto período, perdem sua solidez e fluem sem atrito.

Um novo estudo, publicado na revista científica Nature, apresenta evidências deste processo, baseado em material de perfuração de rochas de um anel de pico no centro da depressão de Chicxulub. Os anéis de pico são formações típicas de grandes crateras de impacto, criadas pela elevação do solo após as colisões.

"O que descobrimos ao examinar o material da rocha é que ela havia fragmentado", disse à BBC Ulrich Riller, pesquisador da Universidade de Hamburgo, na Alemanha.


Os famosos cenotes mexicanos, depressões geológicas inundadas

"A rocha foi esmagada e quebrada em fragmentos minúsculos que tinham inicialmente milímetros. Isso produziu comportamento semelhante a um fluido que explica a base plana da cratera, algo que caracteriza o Chicxulub e outros casos de grandes impactos, como o que vemos na Lua."

A fluidificação não é um processo de derretimento da rocha, mas da fragmentação da mesma por imensas forças de vibração, explica Sean Gulick, da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, e um dos líderes da equipe de perfuração.

"É um efeito de pressão, um dano mecânico. A quantidade de energia que passa por essas rochas é equivalente a terremotos de magnitude 10 ou 11. Estima-se que todo o impacto teve uma energia equivalente a 10 bilhões de bombas de Hiroshima."

Após sua fragmentação e fluidificação, as rochas recuperaram sua solidez para formar o anel da cratera. Esse retorno ao estado sólido pode ser visto nas amostras obtidas.

"Ela se manifesta em descontinuidades que mostram como as rochas deslizam em relação a outras rochas. Essas estruturas planas são evidências de que a rocha deve ter recuperado a força no fim da formação da cratera", disse Riller.

Cratera de Chicxulub - a colisão que mudou a vida na Terra

- O asteroide de 12 quilômetros de diâmetro fez um buraco de 100 quilômetros de diâmetro e 30 quilômetros de profundidade na crosta terrestre.

- Na sequência, a área impactada colapsou, deixando a cratera com 200 quilômetros de diâmetro.

- O centro da cratera colapsou de novo, produzindo um anel interno.

- Hoje, grande parte da cratera está no mar, sob 600m de sedimentos.

- Em terra, a cratera é coberta por calcário, mas suas bordas podem ser identificadas ao longo de um arco de cenotes - cavidades naturais nas rochas dissolvidas pela passagem da água e que acabaram virando atrações turísticas.

'Não apenas no nosso sistema solar'

A pesquisa não só lança uma nova luz sobre alguns dos dias mais catastróficos da história da Terra e sobre a extinção em massa produzida pelo impacto. Ela também contribui para o estudo de grandes crateras em outros corpos planetários.


A cratera de Schrödinger na superfície da Lua, com seus anéis internos, se formou em um processo semelhante ao que ocorreu na cratera de Chicxulub (NASA SCIENTIFIC VISUALIZATION STUDIO)

"Estamos explicando um processo fundamental que pode ocorrer em qualquer corpo rochoso", afirmou Gulick.

"Pela primeira vez temos amostras de rochas que evidenciam o processo de deformação que permitiu que elas se comportassem temporariamente como líquido antes de voltarem a ser rochas, sem derreter."

"Este processo resulta da superposição de mecanismos de deformação. É um processo fundamental que pode mudar a superfície dos planetas, não apenas em nosso sistema solar, mas provavelmente em outros sistemas solares".

Riller e Gulick integraram a chamada expedição 364 de perfuração, que aconteceu entre abril e maio de 2016.

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…