Pular para o conteúdo principal

NASA aceita desafio do governo e confirma retorno à Lua em 2024



Por Patrícia Gnipper

No início de abril, o governo dos Estados Unidos pressionou a NASA dizendo que o país deveria retornar presencialmente à Lua dentro de cinco anos, e não somente em 2028 como planejado anteriormente. Agora, a NASA confirmou que aceitou o desafio de levar novos astronautas ao nosso satélite natural no ano de 2024.

"Recebemos um objetivo ambicioso e empolgante. A história comprovou que, quando recebemos uma missão do presidente, juntamente com os recursos e as ferramentas necessárias, podemos cumpri-la. Estamos comprometidos em fazer isso acontecer. Nós temos as pessoas para conseguir isso. Agora, só precisamos de apoio bipartidário e os recursos para tal", declarou Jim Bridenstine, administrador da NASA, durante o 35th Space Symposium.


Jim Bridenstine (Foto: NASA)

Bridenstine confirmou que, para levar novas tripulações à Lua o mais rápido possível, a ideia será estabelecer parcerias público-privadas na construção de um novo sistema de pouso lunar, com o polo sul da Lua sendo a região de interesse. O atual programa lunar da NASA considera duas fases principais — primeiro, pousar as próximas pessoas na Lua até 2024; depois, estabelecer missões sustentáveis até 2028 e, para isso, o poderoso foguete Space Launch System precisa estar em operação.

Ambas as fases contam com a plataforma Gateway, que será uma espécie de estação espacial permanente na órbita da Lua. "A Gateway pode ser posicionada em uma variedade de órbitas ao redor da Lua, permite acesso a toda a superfície lunar e apoia o desenvolvimento de um sistema de aterrissagem humana reutilizável", explicou William Gerstenmaier, administrador associado da Diretoria de Exploração Humana e Missão de Operações da NASA.

Como será o pouso lunar a partir da Gateway


Conceito mostra a nave Orion acoplando na Gateway (Imagem: NASA)

A estação lunar Gateway ficará permanentemente na órbita da Lua, servindo como pit stop para os exploradores e, futuramente, também tendo papel no envio de astronautas a Marte. Na Lua, uma plataforma de descida será usada para o pouso na superfície, também servindo para devolver os astronautas à estação quando suas missões exploratórias se encerrarem. Durante as expedições lunares, uma equipe sempre permanecerá a bordo da Gateway para investigações científicas, enquanto o restante da tripulação caminha pela superfície. A ideia é usar a nave Orion, da própria NASA, para levar astronautas da Terra à Gateway, e de lá de volta para cá.

A NASA já está trabalhando com a indústria norte-americana para desenvolver as plataformas necessárias para o funcionamento da Gateway.

Bê-a-bá da Gateway

A Gateway será um lar temporário e escritório/laboratório para astronautas na órbita da Lua, que ficará a cerca de cinco dias de viagem a partir da Terra. A estação contará com salas de estar, laboratórios de pesquisa, dormitórios e portas para que outras espaçonaves se encaixem na estação, proporcionando não somente à NASA, como a seus parceiros, acesso permanente à superfície lunar de maneira sem precedentes, apoiando tanto missões humanas, quanto robóticas.

Enquanto na Estação Espacial Internacional (ISS) os astronautas ali vivem por vários meses, na Gateway o período de permanência será mais curto, com a estação lunar também sendo muito menor do que a ISS. Seu interior será aproximadamente do tamanho de um estúdio, enquanto a ISS é maior do que uma casa de seis cômodos. Os astronautas poderão viver e trabalhar na Gateway por até três meses consecutivos.

E por que construir a Gateway em vez de irmos diretamente à Lua como foi feito no passado? "Queremos que a Gateway seja um novo local para a exploração humana com a melhor ciência e tecnologia do mundo. A espaçonave será importante para expandir a presença humana mais profundamente no Sistema Solar, incluindo a Lua e Marte", explica a agência espacial. Sendo assim, é mais jogo investir em uma plataforma que possibilitará a presença constante de pessoas na Lua, do que investir em lançamentos únicos e periódicos.


Apesar de esta configuração ainda não ser a definitiva, ela mostra o projeto atual da Gateway e seus módulos. Em azul estão os módulos que serão construídos por parceiros estadunidense, enquanto as partes em roxo serão fornecidas por parceiros internacionais, e os módulos em amarelo ainda aguardam definição sobre quem desenvolverá (Imagem: NASA)

Ainda, a NASA está avaliando a possibilidade de o traslado entre a estação e a superfície lunar ser feito contando com aterrissadores reutilizáveis — assim como em um aeroporto na Terra, a ideia é que as naves possam usar a estação para reabastecer ou substituir peças entre uma viagem e outra. Isso tornará possível a ida à superfície com ainda mais frequência, gastando menos recursos.

Quanto à construção da Gateway, ela será montada no espaço, como foi feito com a ISS. A NASA planeja construir a estação com apenas cinco ou seis lançamentos de foguetes, enquanto que, para construir a ISS, foram necessários 34 lançamentos. O foguete SLS e a nave Orion serão fundamentais para a montagem da estação, mas a agência espacial também contará com parcerias envolvendo empresas privadas dos EUA e agências espaciais internacionais. "Algumas peças podem ser enviadas em foguetes particulares, mas o SLS será o mais utilizado", revelou a NASA.

As empresas privadas deverão ser as responsáveis pela construção da área de convivência dos astronautas na Gateway — o chamado módulo de habitação. Mas a agência também discute com parceiros internacionais a possibilidade de se criar um espaço ampliado contando com robótica avançada.

Já com relação aos trabalhos científicos que serão feitos na Gateway, a NASA acredita que a estação "será a chave para uma nova era na exploração lunar, tanto em órbita quanto na superfície", pois "uma das coisas mais originais da Gateway é que a NASA poderá movê-la para outras posições ao redor da órbita da Lua para fazer mais ciência em outros locais", conforme explica a agência.

E quando tudo isso acontecerá? Bom, a boa notícia é que a NASA já começou a trabalhar na Gateway, com a primeira grande parte dos módulos iniciais sendo lançada em um foguete privado em 2022. Depois que essa primeira parte estiver na órbita correta e com os devidos testes de potência e comunicações realizados, a NASA lançará quatro astronautas usando o conjunto SLS e Orion, que carregarão duas novas seções a serem adicionadas à estação. Então, com a Gateway já estando habitável, anualmente novas turmas de astronautas serão enviadas para lá levando novas partes a serem acopladas à estação, com previsão de finalização para o ano de 2026.

FONTE: NASA (1) e (2) via canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…