Pular para o conteúdo principal

Um terremoto danificou uma pirâmide no México – e expôs um templo Asteca escondido



Por: George Dvorsky

No dia 19 de setembro de 2017, um terremoto de magnitude 7.1 na escala Richter atingiu o México, matando quase 370 pessoas. Mas algo bom surgiu desse evento trágico: o terremoto danificou uma pirâmide centenária, revelando um templo Asteca desconhecido que estava escondido sob a construção.

Ao checar danos estruturais causados pelo terremoto de 2017, arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH) realizaram uma descoberta incrível: um templo localizado a cerca de dois metros abaixo do topo da pirâmide Teopanzolco, uma estrutura que os astecas dedicaram a Tláloc, o deus da chuva Asteca.

Não era incomum em culturas antigas fazer construções por cima de estruturas velhas, mas neste caso, os arqueólogos não tinham ideia de que havia um templo lá dentro.

Enquanto realizaram a pesquisa, os arqueólogos do INAH perceberam que algumas das pedras do topo da pirâmide estavam frouxas. O templo escondido se revelou quando os cientistas procuram por um terreno mais firme.


Um membro da equipe do INAH inspeciona o templo antigo. Imagem: INAH

O templo recém descoberto mede cerca de 6 metros por 4 metros, e data do período Meio Pós-Clássico, entre os anos 1150 e 1200 d.C. O templo foi construído pela cultura Tlahuica, um dos muitos povos astecas que viviam no México pouco antes e durante o período da invasão dos espanhóis, que começou em 1521.

O templo e a pirâmide Teopanzolco que foi construída acima, que deve ter sido construída perto do ano 1300 d.C., estão localizados no estado de Morelos, cerca de 70 quilômetros ao sul da Cidade do México. O templo recém descoberto é, possivelmente, a evidência mais antiga de ocupação humana na região de Morelos – uma descoberta importante que representa um estágio muito inicial do período Asteca.

“Apesar do quê o terremoto significou, precisamos ser gratos a esse fenômeno natural pela revelação dessa estrutura importante, que muda as datas desse sítio arqueológico”, disse Isabel Campos Goenaga, diretora do Centro Morelos do INAH, em uma coletiva de imprensa realizada no começo desta semana.

As paredes do templo foram encontradas perto dos restos de colunas de estuque que sustentavam um teto. Humidade intensa destruiu boa parte das paredes de estuque, mas os arqueólogos conseguiu salvar alguns fragmentos para o estudo. Os arqueólogos do INAH afirmam que a estrutura provavelmente representa a primeira fase construtiva da pirâmide Teopanzolco, pré-datando o famoso Templo Mayor, que é do período Final Pós-Clássico (1200 a 1521 d.C.).


Restos do templo antigo sob o topo da pirâmide. Imagem: INAH

“O templo interno que encontramos na pirâmide de Teopanzolco é o mais velho nesse sentido”, explicou a arqueóloga do INAH, Barbara Koniecza. “Já detectamos dois estágios de construção, e onde estamos agora consideramos que seja a fase mais antiga de construção, antes da segunda fase, que aconteceu na época do Templo Mayor”.

Infelizmente, o terremoto danificou a pirâmide Teopanzolco, além de dois templos. O solo dos dois santuários afundou e agora estão deformados, o que deixou as estruturas potencialmente instáveis. Mais trabalho será necessário para avaliar os danos e para a elaboração de possíveis estratégias de restauração. Até lá, o local, que está fechado ao público desde setembro, permanecerá inacessível aos turistas.

[INAH, BBC, ABC]

Imagem do topo: A pirâmide Teopanzolco. Crédito: INAH

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …