Pular para o conteúdo principal

Mini satélite da Nasa irá procurar a matéria perdida no universo


HALO GALÁCTICO (FOTO: DOMÍNIO PÚBLICO)

Com apenas 12 quilos, HaloSat estudará região que cerca a Via Láctea

Planetas, estrelas, galáxias (e tudo que é visível no universo) compreendem apenas 5% do que realmente existe. A grande parte é composta por matéria escura, uma substância que ninguém sabe direito do que se trata, mas que exerce uma pressão negativa responsável por acelerar a expansão do universo.

Quando o universo tinha “apenas” 400 mil anos de idade, conforme se expandia e esfriava, a matéria normal começou se aglutinar para formar os objetos espaciais. Mas, quando os astrônomos calculam as massas estimadas de todos juntos, o resultado é equivalente a apenas cerca da metade do que estimam que existia nos primórdios do universo.

“Nós deveríamos ter toda a matéria hoje do que quando o universo tinha 400 mil anos”, disse Philip Kaaret, astrônomo da Universidade de Iowa. Os pesquisadores acreditam que a matéria que falta pode estar em massas de gás quente que envolvem tanto galáxias como os halos galácticos.

Kaaret lidera um time de pesquisadores que projetou o HaloSat, um minissatélite com apenas 12 quilos, que estudará o gás no halo que circunda a Via Láctea. Com 2 milhões de graus celsius, o oxigênio ali presente libera a maior parte de seus oito elétrons e produz raios-x que serão estudados pelo HaloSat.O mini satélite foi liberado da Estação Espacial Internacional no dia 13 de julho.


LANÇAMENTO DO HALOSAT PELA EEI. (FOTO: NASA)

O HaloSat olhará para o céu inteiro, 100 graus quadrados de cada vez, o que vai ajudar a determinar se o formato do halo galáctico é achatado como um ovo frito ou uma esfera.

"Se você pensar no halo galáctico no modelo de ovo frito, ele terá uma distribuição diferente de brilho quando você olhar diretamente para fora da Terra do que quando você olhar para ângulos maiores", disse Keith Jahoda, um co-investigador da HaloSat. e astrofísico no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. "Se estiver em uma forma quase esférica, em comparação com as dimensões da galáxia, então você espera que o brilho seja similar em todas as direções."

Definir a forma ajudará a determinar a massa do halo para ver se a matéria perdida do universo está no halo galáctico ou em outro lugar.

O HaloSat será a primeira missão de astrofísica que minimiza os efeitos dos raios-X produzidos pelo vento solar. Ela ocorre quando um fluxo de partículas altamente carregadas do Sol interage com átomos não carregados, como os da atmosfera da Terra. As partículas do vento solar capturam elétrons dos átomos não carregados e emitem raios-X. Essas emissões exibem um espectro semelhante ao que os cientistas esperam ver do halo galáctico.

"Toda observação que fazemos tem essa emissão de vento solar em algum grau, mas varia com o tempo e com as condições do vento solar", disse Kip Kuntz, co-investigador da HaloSat na Universidade Johns Hopkins, em Baltimore. "As variações são tão difíceis de calcular que muitas pessoas simplesmente mencionam e depois as ignoram em suas observações."

A fim de minimizar os raios-X do vento solar, o HaloSat coletará a maior parte de seus dados durante 45 minutos na metade da sua órbita noturna de 90 minutos ao redor da Terra. De dia, o satélite recarregará usando seus painéis solares e transmitirá dados para a Wallops Flight Facility da NASA, na Virgínia, que envia os dados para o centro de controle de operações da missão na Blue Canyon Technologies, em Boulder, Colorado.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…