Pular para o conteúdo principal

Arqueólogos e astrônomos resolvem mistério do Stonehenge do Chile


CALENDÁRIO INCA LOCALIZADO NO ATACAMA, NO CHILE (FOTO: MUSEU CHILENO DE ARTE PRECOLOMBIANO)

Raios de Sol ficam alinhados com as estruturas de pedra de 500 anos feitas pelos incas

No deserto do Atacama, no Chile, torres de pedra conhecidas na língua indígena como "saywas" intrigavam moradores e pesquisadores. Com cerca de 500 anos, as estruturas são remanescentes do Império Inca e ninguém sabia o motivo da existência delas – pelo menos até recentemente. Arqueólogos e astrônomos se juntaram para resolver este enigma.

Parecido com o Stonehenge, no Reino Unido, os saywas tinham o propósito simultâneo de calendário solar, religioso e político. Os especialistas identificaram que as sombras projetadas pelo Sol são capazes de identificar e prever acontecimentos astronômicos.

O fenômeno também era usado em rituais pelos antigos habitantes para transmitir o "poder sagrado" do Inca. Além disso, algumas torres de pedras eram usadas para demarcar fronteiras entre diferentes zonas climáticas. As estruturas estão espalhadas por todo deserto, perto do Qhapaq Ñan, antigos caminhos dos incas.

Para a investigação, Cecilia Sanhueza, do Museu de Arte Pré-Colombiana do Chile, estudou crônicas ilustradas do quíchua Felipe Guaman Poma de Ayala, e dicionários quechua-espanhóis do século 16. Os textos já sugeriam que os saywas eram usados como calendário astronômico e religioso. Nos solstícios de inverno e verão, acreditava-se que o deus do Sol, Inti, "descansava" sobre eles.

Sanhueza entrou em contato com as instituições de astronomia Atacama Large Millimeter Array, no Chile, e com o Observatório Europeu do Sul, na Alemanha. Os astrônomos Sergio Martin e Juan Cortés a ajudaram, fazendo simulações do amanhecer em datas selecionadas. Eles descobriram que o Sol parecia se alinhar perfeitamente com os saywas.

No equinócio de outono de 2017, a equipe esperou o nascer do sol em um local chamado Vaquillas. Jimena Cruz, integrante do grupo, antropóloga e curadora do Museu Arqueológico R. P. Gustavo Le Paige, realizou uma pequena cerimônia com folhas de coca. Como esperado, o Sol ficou diretamente no topo da linha dos saywas.

"Foi um momento muito emocionante e bonito", disse a pesquisadora Sanhueza em anúncio. Três meses depois, no solstício de inverno, os estudiosos observaram o mesmo fenômeno em outro local do deserto, que não foi especificado.

Agora Cruz está buscando voluntários para preservar as torres de pedras. Com as descobertas, os estudiosos esperam que o interesse pela herança dos indígenas do Chile sejam valorizadas.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …