Pular para o conteúdo principal

Palestras astronômicas (Astronomia ao Meio-dia)



O Ensino e a Divulgação da Astronomia Mediados pelas Tecnologias
Elysandra Figueredo Cypriano (IAG - USP)
14 de junho de 2018 - 12h00

RESUMO:

Nessa palestra apresentarei um panorama das principais iniciativas que exploram o potencial das tecnologias de informação e comunicação para o ensino e a divulgação da astronomia. Além disso, os cursos abertos e massivos online (MOOC) serão apresentados como uma ferramenta poderosa para promover tanto a difusão do conhecimento quanto, em sua aplicação dentro do contexto do ensino híbrido, para promover um ensino aberto, inclusivo, colaborativo e centrado no aluno independente da distância, seja em uma ação nacional, mundial ou apenas dentro dos muros de nossas escolas.




Sistema de Referência Espacial

Ramachrisna Teixeira (IAG-USP)

21 de junho de 2018 - 12h00

RESUMO:

O estudo do movimento de um corpo ou a simples determinação de sua posição em um certo instante e em qualquer lugar do Universo, é um problema bastante complexo. O primeiro passo nesse sentido nos conduz à construção de um sistema de referência que naturalmente, diz respeito ao espaço e ao tempo, embora nesse momento será considerado somente seu aspecto espacial. A noção e a necessidade de um sistema de referência espacial nos acompanham desde o Ensino Fundamental ou Médio, e mesmo anos mais tarde, essa noção não vai muito além daqueles dois ou três eixos coordenados. Entretanto, trata-se de um problema essencial, árduo e dos mais antigos da Astronomia que desde seus primeiros passos, concebeu e materializou sistemas de referência em sintonia com a intuição humana de referenciais fixos. Do século XVIII e até a penúltima década do século XX essa tarefa foi cumprida com base na dinâmica do Sistema Solar e por uma sucessão de catálogos estelares fundamentais. Em 1938 a União Astronômica Internacional assumiu a responsabilidade sobre esse tema e em 1998 interrompeu a tradição de catálogos estelares fundamentais, adotando uma nova convenção baseada em objetos extragalácticos e inicialmente materializada por rádio fontes com posições VLBI extremamente precisas. Hoje, demos um salto radical na materialização do sistema de referência adotado pela UAI, graças à missão espacial Gaia. Fica aqui o convite para irmos muito além daquela simples imagem dos dois ou três eixos coordenado.




O IAG Nanosat: uma aventura tecno-científica de todos

Eduardo Janot Pacheco (IAG-USP)

7 de junho de 2018 - 12h00

RESUMO:

Há alguns meses atrás, um grupo de pessoas do IAG recomeçou a pensar num projeto de nanosatélite científico a ser feito mediante uma colaboração entre os três institutos. Cada um tem seus alvos preferenciais, que determinam soluções técnicas algo distintas. Vamos expor a questão em termos gerais e lançar o debate no âmbito do corpo docente, que terá uma excelente oportunidade de participar de uma missão espacial concreta, que trará resultados cientificos reais.




Quando um buraco negro acende a galáxia

Daniel May (IAG/USP)

17 de maio de 2018 - 12h00

RESUMO:

Sem emitir luz, eles mostraram que o Universo era muito maior do que se supunha. Mesmo possuindo a fama de devoradores cósmicos, eles impediram o crescimento desenfreado de galáxias. Evitaram que hoje vivêssemos em um Universo escuro, feito de brasas estelares, a ponto de quase esfriarem completamente. Diante do mecanismo mais eficiente em transformar matéria em luz, ainda nos confrontamos com a sombra de sua real natureza. Que astro é esse, que causa os fenômenos mais luminosos já vistos e, ainda assim, impede que seja observado diretamente? Embarque em uma viagem ao centro das galáxias para descobrir que, de fato, buracos negros expulsam muito mais matéria do seu entorno que, equivocadamente, sua fama nos levou a crer que absorviam.



FONTE: Astronomia ao Meio-dia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …