Pular para o conteúdo principal

Luz é miniaturizada na dimensão de um átomo


A luz é comprimida na forma de "ondas" de plásmons de superfície, que são oscilações coletivas de elétrons. [Imagem: ICFO]

Miniaturização da luz

O componente fundamental de toda a nossa atual tecnologia, o transístor, nasceu enorme, começou a ser fabricado com cerca de 1 centímetro e, graças à miniaturização, hoje cada um deles mede 14 nanômetros em escala industrial, e menos ainda em escala de laboratório.

O esforço agora é para miniaturizar os componentes fotônicos, aqueles que servirão de base para os processadores e chips que vão funcionar com base na luz, e não mais na eletricidade.

Os pesquisadores já sabiam que os metais podem comprimir a luz abaixo da escala de comprimento de onda (limite de difração), mas mais confinamento parecia vir sempre ao custo de perdas adicionais de energia.

Este paradigma foi agora quebrado por David Iranzo e uma equipe da Espanha, EUA e Portugal.

Eles confinaram a luz em um espaço de um átomo de dimensão - lembre-se que o comprimento de onda da luz está na faixa das centenas de nanômetros, enquanto um átomo é medido em ângstrons, ou décimos de nanômetro.

Transformando a luz em plásmons

A equipe usou pilhas (heteroestruturas) de materiais 2D e construiu um componente óptico completamente novo, como se fosse um Lego em escala atômica. Uma camada de grafeno (semi-metal) foi posta sobre uma camada hexagonal de nitreto de boro (isolante) e, por cima de tudo, foi aplicada uma matriz de hastes metálicas.

O grafeno foi escolhido porque esse material é capaz de guiar a luz na forma de plásmons de superfície, que são oscilações coletivas de elétrons que interagem fortemente com a luz. O nitreto de boro serve como um espaçador.

Quando luz infravermelha - comprimento de onda de 0,75 a 1 milímetro - é disparada sobre o componente, ela induz os plásmons, que se propagam livremente no espaço equivalente à camada de nitreto de boro, ou seja, em um espaço com menos de um nanômetro de altura.

Na outra extremidade, os plásmons são usados para modular o feixe de saída, o que permite recuperar as informações do feixe original. Em termos gerais, tanto a luz quanto os elétrons podem ser controlados na escala de um nanômetro e até menos.

De acordo com a equipe, a miniaturização da luz sem perda e a possibilidade de aproveitar essas interações luz-matéria antes inacessíveis abrem um mundo completamente novo de componentes optoeletrônicos com apenas um nanômetro de espessura, como comutadores ópticos, detectores, sensores e novas técnicas de microscopia óptica, eventualmente permitindo enxergar diretamente os átomos.

Bibliografia:

Probing the ultimate plasmon confinement limits with a van der Waals heterostructure
David Alcaraz Iranzo, Sebastien Nanot, Eduardo J. C. Dias, Itai Epstein, Cheng Peng, Dmitri K. Efetov, Mark B. Lundeberg, Romain Parret, Johann Osmond, Jin-Yong Hong, Jing Kong, Dirk R. Englund, Nuno M. R. Peres, Frank H.L. Koppens
Science
Vol.: 360, Issue 6386, pp. 291-295
DOI: 10.1126/science.aar8438

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…