Pular para o conteúdo principal

Um Guia Para A Detecção de Vida No Universo - Space Today TV



Já faz pelo menos uns 20 anos que sondas têm identificado ambientes potencialmente habitáveis, seja no Sistema Solar, seja além do nosso sistema.

Sondas já mostraram que Marte no passado teve muita água percolando na sua superfície, e que teve uma atmosfera espessa um ambiente onde a vida pode ter se desenvolvido.

A Cassini, descobriu que Encélado tem um oceano submerso, e ao passar pelas plumas do satélite de Saturno descobriu que as condições no interior dele também são boas para o desenvolvimentos da vida.

Europa também se enquadra na mesma situação, possui um oceano, e plumas que poderão no futuro ser investigadas pela sonda Europa Clipper.

Além disso, fora do nosso Sistema Solar, milhares planetas já foram descobertos e muitos desses estão localizados na zona habitável de suas estrela se podem também abrigar a condição para a vida se desenvolver.

Por tudo isso e muito mais, temos praticamente a certeza que a vida de alguma forma deve existir em algum outro lugar do universo.

Porém, precisamos dar um passo a mais, descobrir se esses ambientes são mesmos habitáveis.

O problema é que até hoje, não temos nenhum instrumento, o mais simples que seja para isso, nem uma câmera que possa ver o crescimento de bactérias em Marte, ou que possa detectar plâncton se formando no oceano de Encélado.

É preciso rapidamente desenvolver um instrumento que busque pelas tão faladas bioassinaturas.

Mas será que sabemos quais são elas, será que sabemos o que devemos procurar?

com essas perguntas na mente, um grupo de cientistas acaba de criar um documento, como se fosse um guia que lista os principais atributos da vida e como eles devem ser procurados.

O documento se chama Ladder of Life Detection, algo como Escada da Detecção da Vida e foi publicado no periódico Astrobiology.

O documento lista 15 características que a comunidade de astrobiologia prop6os para representar indicadores da vida.

Algumas coisas interessantes desse documento.

Moléculas orgânicas: muita gente fica super animado quando se tem a notícia que moléculas orgânicas foram encontradas em algum lugar, vale lembrar que as moléculas orgânicas não representam a descoberta da vida.

Muitas moléculas orgânicas, surgem por exemplo, de reações químicas que acontecem em cometas e que podem até formar aminoácidos.

O documento destaca que é preciso buscar pela complexidade química, essa sim é o resultado da biologia, pois ela necessita de enzimas e energia para que possa acontecer. E essa complexidade química seria um bom indicador da vida.

Outras bioassinaturas que o documento cita incluem: pigmentos, indicações de metabolismo, e até mesmo a evidência da evolução darwiana, lembrando que essa última seria praticamente impossível de ser detectada no decorrer da vida de uma sonda, por exemplo.

O documento lista respostas para cada bioasinatura, com base na experiência que os pesquisadores ganharam tanto na busca de vida em Marte como na pesquisa da vida na Terra em ambientes extremos.

Uma grande questão que o documento cita é se os pesquisadores podem ou não medir essas bioasinaturas, além dos problemas que eles podem enfrentar.

A fragilidade da amostra, a destruição da amostra, contaminação da amostra, se ela irá se modificar com o ambiente, entre outras são perguntas importantes.

Por isso, os pesquisadores falam que para subir cada degrau dessa escada é preciso vencer uma série de desafios.

Para finalizar eles dizem que esse guia não é algo totalmente fechado, à medida que mais discussão, descoberta, estudo são feitos, um degrau da escada pode ser removido ou outros podem ser adicionados.

Mas pelo menos é um bom começo para começar a nossa caçada pela vida no universo.



FONTE: https://phys.org/news/2018-06-climbing-ladder-life.html via Space Today TV

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …