Pular para o conteúdo principal

Cientistas desvendam mistério: objeto em forma de charuto é cometa, e não asteroide


Os cientistas concluem que o objeto interestelar 'Oumuamua deve ser muito alongado por causa de suas variações dramáticas no brilho quando ele cai no espaço. Eles também concluem que as aberturas na superfície devem ter emitido jatos de gases, dando ao objeto um leve aumento na velocidade, que os pesquisadores detectaram medindo a posição do objeto quando este passou em 2017.
Créditos: NASA / JPL-Caltech

O objeto interestelar em forma de "charuto" que atravessou o Sistema Solar no final de 2017, batizado por astrônomos de 'Oumuamua, continua surpreendendo.

Quando os pesquisadores o viram pela primeira vez, não identificaram nele a cauda ou coma - a nuvem de gelo e poeira característica dos cometas - e o consideraram um asteroide.

Mas isso não explicava de forma satisfatória o comportamento do corpo celeste.

Agora, cientistas trabalham com a hipótese de que ele seja, de fato, um cometa, levando valiosas informações sobre sistemas planetários distantes.


Os cometas são feitos de rocha e gelo, diferente dos asteroides, objetos rochosos que orbitam principalmente em um cinturão entre Marte e Júpiter

O Oumuamua foi descoberto em 19 de outubro. Seu nome, em havaiano, significa "mensageiro de muito longe que chega primeiro".

Ele foi descoberto por Rob Weryk, do Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí, que, junto com o colega Marco Micheli percebeu que o objeto se movia muito rapidamente - com velocidade suficiente para evitar ser capturado pela força gravitacional do Sol - e que seguia uma trajetória excêntrica.

Sua velocidade e trajetória sugeriam que ele se originou em um sistema planetário que orbita ao redor de outra estrela, e não o Sol.

E, de acordo com a análise de uma equipe de pesquisadores liderada por Micheli, parte da aceleração observada do objeto está ligada ao efeito do calor do Sol sobre sua superfície gelada.

Cometas x asteroides

Os cometas são feitos de rocha e gelo e se formam em áreas frias o suficiente para a água se manter congelada.

No nosso Sistema Solar, isso significa estar quase tão longe do Sol quanto Júpiter.

Já os asteroides são objetos rochosos que orbitam principalmente em um cinturão entre Marte e Júpiter.

O Oumuamua não é o único caso de corpo celeste em que a distinção entre asteroide ou cometa causou dúvidas.

"Há uma linha cada vez mais tênue entre os dois, já que estamos encontrando objetos semelhantes a cometas no principal cinturão de asteroides", diz a professora Sara Russell, do Museu de História Natural de Londres.


Oumuamua era pequeno demais para parecer mais do que um ponto de luz, mesmo nos maiores telescópios. Mas sabemos que deve ser um objeto altamente alongado, pois varia dramaticamente no brilho a cada período de 7 a 8 horas. Ele parecia mais brilhante quando seu comprimento total ficava de frente para a Terra (imagem do meio), mas diminuía dramaticamente quando era apontado para a Terra (imagens esquerda e direita). As variações de brilho (representadas como quadrados na linha de baixo) repetiam-se repetidamente quando o objeto caía no espaço.
Créditos: NASA / JPL-Caltech

Por que a diferença é importante?
Como nosso primeiro visitante de um outro sistema solar, o cometa pode nos dizer mais sobre como os planetas se formam.

"Os cometas provavelmente se formaram em regiões periféricas de outros sistemas planetários, então talvez eles possam escapar da gravidade de sua estrela-mãe e entrar no espaço interestelar com mais facilidade do que um asteroide", disse Russell à BBC News.

"'O Oumuamua e outros viajantes interestelares que podem visitar nosso sistema solar podem potencialmente nos dar algumas pistas excelentes sobre a natureza e composição de outros sistemas planetários. Finalmente, esses objetos podem nos mostrar se nosso sistema solar é único, ou é um dos muitos sistemas habitáveis ​​em nossa galáxia".

Nós vamos aprender mais sobre o Oumuamua?
O objeto ficou visível a poderosos telescópios terrestres por cerca de 2 meses e meio, após sua descoberta.

De acordo com Micheli, ele foi visto pela última vez pelo Telescópio Espacial Hubble no início de 2018 - e se mostrou ter um cumprimento pelo menos dez vezes maior que sua largura.

Essa diferença entre largura e comprimento foi apontada como a maior observada em qualquer asteroide ou cometa visto no Sistema Solar.

E o formato incomum, comparado a um charuto, poderia ter várias explicações. Uma delas seria a de que ele poderia ter sido formado por objetos diversos que se juntaram. Ou pela colisão entre dois corpos com núcleos líquidos, que então expeliram uma rocha - mais tarde congelada em um formato alongado. Outra possibilidade é que ele seja uma "lasca" de um objeto maior destruído pela explosão de uma estrela.

Em um estudo recente, Gábor Domokos, pesquisador Universidade de Tecnologia de Budapeste, na Hungria, sugeriu que colisões entre o Oumuamua e poeira estelar durante milhões de anos podem ter produzido seu formato estranho.

"Estamos vendo uma corrida de cientistas para tentar descobrir como ele ficou assim, da onde veio, do que é feito. É muito empolgante", disse no final do ano passado Alan Fitzsimmons, professor da Queen's University de Belfast, na Irlanda, e autor de um dos estudos sobre o objeto.

"Todas as informações que temos até o momento são consistentes com o que poderíamos esperar de um objeto expelido por outra estrela", afirma o astrônomo.

Os pesquisadores continuam trabalhando nas informações coletadas em sua viagem de ida pelo Sistema Solar, mas não veremos o Oumuamua' de novo.

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…