Pular para o conteúdo principal

EUA formulam plano contra impacto de asteroide



Salvador Nogueira

Na semana que passou, o governo americano mostrou que leva a sério o risco de impactos de asteroide contra a Terra, ao divulgar um plano de ação, envolvendo diversas agências e departamentos, para lidar com um evento desse tipo.

Claro que só o fato de esse relatório existir é um prato cheio para os incansáveis teóricos da conspiração que vivem pelo mantra “Nasa mente”. E claro que a agência espacial americana de imediato informou que no momento não há qualquer bólido espacial perigoso que tenha sido identificado em rota de colisão com a Terra, esclarecendo que o estudo governamental tem por objetivo apenas antecipar ações e decisões para o inevitável dia em que a ameaça for real.

Inevitável, sim senhor. Mais dia, menos dia, haverá um asteroide perigoso com nosso nome marcado nele. As probabilidades jogam contra ser amanhã, mas já aconteceu muitas vezes antes na história da Terra e com certeza vai acontecer de novo.

O relatório destaca cinco grandes metas a serem perseguidas pelo governo americano, e a primeira, naturalmente, é melhorar os sistemas de descoberta e acompanhamento de objetos celestes potencialmente perigosos.

O estudo descarta um “apocalypse now”, ao indicar que praticamente todos os asteroides ameaçadores com 1 km ou mais — tamanho capaz de estrago em escala global — já foram identificados, e nenhum deles vai bater nos próximos séculos.

Contudo, a má notícia é que a população de objetos com até 140 metros, capazes de estragos enormes, embora não apocalípticos, ainda é largamente desconhecida. Em 2005, o Congresso americano estabeleceu a meta de catalogar 90% desses objetos até 2020. Mas o ritmo atual sugere que apenas metade eles estará registrada até 2033. É preciso acelerar o passo.

As outras metas do plano são: melhorar os sistemas de simulação de impactos; desenvolver tecnologias para desvio e até destruição de asteroides perigosos; aumentar a cooperação internacional; e implementar uma rotina de exercícios de procedimentos de emergência em caso de colisão iminente.

Aí é questão de olhar o copo meio cheio ou meio vazio. Por um lado, está claro que a Terra ainda não está pronta para enfrentar adequadamente essa ameaça. Por outro lado, o plano mostra que há intenção de remediar isso nos próximos anos e tornar a humanidade imune a eventos de extinção como o que acabou com os dinossauros há 65 milhões de anos. Desde que a vida surgiu por aqui, há 4 bilhões de anos, nenhuma outra espécie chegou tão perto de neutralizar esse perigo.

DIA DO ASTEROIDE

No próximo sábado, 30 de junho, o mundo celebra o Dia do Asteroide — iniciativa da ONU para aumentar a conscientização sobre o problema dos asteroides e educar a população global a respeito. Na capital paulista, o CASP (Clube de Astronomia de São Paulo) deve promover, se a meteorologia permitir, uma noite de TR (Telescópios na Rua) para a observação do asteroide Vesta, o segundo maior do cinturão entre Marte e Júpiter. Ele está incomumente próximo da Terra por esses dias e pode ser observado com mais facilidade. Para mais informações, deem uma passada na página do CASP no Facebook, clicando aqui.



FONTE: mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …