Pular para o conteúdo principal

A Via Láctea é cheia de gordura tóxica, mostra estudo


A quantidade de óleo em nosso sistema solar é o equivalente a 40 trilhões de trilhões de potes de manteiga - VIA LÁCTEA (FOTO: NASA/ JPL-CALTECH)

O espaço é escuro, gelado e... em sua maior parte, bastante sujo e viscoso.

Para além da poeira espacial e da radiação eletromagnética entre as estrelas da Via Láctea, há também um amontoado de sebo tóxico, ou, mais adequado, uma “graxa espacial”.

Essa formação oleosa é um composto de carbono e hidrogênio que tem o nome científico de carbono alifático. Ele é um dos vários tipos de carbono que preenche os vazios do espaço e pode ser um dos principais ingredientes para a formação de novas estrelas e planetas.

Isso é o que indica novo estudo realizado por astrônomos da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, e da Universidade de Ege, na Turquia, publicado no periódico científico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

De acordo com os cientistas, é possível que a quantidade de partículas oleosas na Via Láctea seja cinco vezes maior do que se acreditava — em termos de comparação, a parcela de graxa seria o suficiente para embaçar o para-brisa de uma nave espacial.

Para chegar a essa estimativa, o grupo criou um representante de graxa espacial em laboratório. Foi preciso imitar o processo pelo qual as estrelas sintetizam gases e os lançam no meio interestelar (que é o que os astrônomos chamam de material entre as estrelas). Assim, eles expandiram um plasma rico em carbono (ou em gás ionizado) em uma câmera de vácuo. Desse plasma surgiu um poeira como subproduto, semelhante à poeira interestelar por onde a gordura espacial se espalha.

A partir da técnica da espectroscopia, os cientistas determinaram com que intensidade a poeira gordurosa absorvia comprimentos de onda de luz vermelha, o que poderia afetar a maneira como instrumentos podem captar sua presença.

Com esses dados, eles foram capazes de pressupor quantos carbonos oleosos estão na galáxia e o resultado foi de, aproximadamente, 11 bilhões de trilhões de milhões de toneladas (ufa!) de moléculas de carbono na Via Láctea. Isso equivale a 100 átomos de graxa espacial para cada um milhão de átomos de hidrogênio. Trazendo para o mundo real, esse número representa o equivalente a 40 trilhões de trilhões de potes de manteiga.

“Essa gordura espacial não é uma do tipo que você gostaria de espalhar em uma fatia de torrada”, afirmou Tim Schmidt, autor do estudo e professor de química da Universidade de Nova Gales do Sul. “Ela é suja, muito possivelmente tóxica e só se forma em ambientes interestelares espaciais – e em nosso laboratório”, completou.

Esse conhecimento da graxa espacial pode ajudar os cientistas a entenderem melhor nossa galáxia, uma vez que o carbono é essencial para a constituição da vida. Então, ao saber quanto desse elemento está disponível em várias formas em todo o meio interestelar pode servir como uma pista sobre a probabilidade de outros sistemas solares se formarem (ou já terem se formado) na Via Láctea.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…