Pular para o conteúdo principal

Crânio de quase dois mil anos, de vítima de erupção em Pompeia, é encontrado intacto



Por: George Dvorsky

No mês passado, arqueólogos na Itália encontraram restos de esqueletos de um um morador de Pompeia. Aparentemente, ele tinha tido sua cabeça esmagada por uma pedra gigante enquanto tentava fugir da erupção, que aconteceu na região a cerca de dois mil anos atrás. O crânio da vítima agora foi recuperado, e seu estado surpreendentemente conservado sugere uma outra causa de morte.

O Monte Vesúvio de Pompeia entrou em erupção no ano 79 d.C e o episódio ficou famoso por ter matado as vítimas instantaneamente, graças ao fluxo piroclástico, uma nuvem densa e rápida, que as deixou paralisadas na posição em que estavam.


Escavações realizadas em maio revelaram o esqueleto do homem, mas seu crânio estava desaparecido. Imagem: Parque arqueológico de Pompeia

Novas escavações no sítio arqueológico no final de maio, descobriu os restos de uma vítima: um homem com cerca de 30 anos que parecia ter sido atingindo por uma grande rocha enquanto tentava fugir. A rocha, que pesa quase 300 quilos, provavelmente se desalojou a partir de um batente de uma porta, o que prendeu a vítima ao lapilli (uma camada de pequenas pedras vulcânicas).

Essa interpretação inicial, no entanto, agora parece estar errada, graças a descoberta do crânio intacto da vítima.

“Durante a primeira fase de escavação, parecia que a parte superior do tórax e o crânio, que ainda não tinham sido identificados, haviam sido cortados e arrastados para baixo de um bloco de rocha que atingira a vítima”, explicou o Parque arqueológico de Pompeia em uma publicação no Facebook. “Essa hipótese preliminar surgiu a partir da observação do corpo da pedra impressa no cinerício [solo arenoso]. Após novas investigações, o crânio foi encontrado, posicionado em um nível mais baixo do que o resto do corpo”.


Imagem: Parque arqueológico de Pompeia

O crânio, numa condição quase perfeita, não exibe nenhum sinal de trauma, ou outra indicação que tenha sido atingido por uma rocha. Sua presença em nível mais baixo se deu provavelmente a um efeito da escavação relativamente recente, quando partes do solo entraram em colapso no século 19. Essa escavação levou o crânio e pedaços dos ossos, deixando o resto do esqueleto – e a grande rocha – na posição original.

“Acreditamos que ele morreu por ter sido sufocado pela poeira e cinzas vulcânicas”, disse Massimo Osanna, diretor do sítio arqueológico, ao The Telegraph. “Sua morte provavelmente não foi, portanto, devido ao impacto do bloco de pedra, como inicialmente pensado, mas provavelmente pela asfixia causada pelo fluxo piroclástico.”

Foi só após a sua morte que a rocha caiu sobre seu corpo, argumentam os arqueólogos.

As escavações também encontraram uma bolsa de moedas do homem, que ele havia pendurado no pescoço. A bolsa tinha 22 moedas de prata e bronze, com cerca de 80 sestércios, o que teria sido suficiente para sustentar uma família por cerca de duas semanas. O homem, provavelmente um comerciante, estava desesperado para salvar seu sustento enquanto tentava fugir da erupção vulcânica – uma tarefa ainda mais difícil devido à infecção óssea em sua perna.


Imagem: Parque arqueológico de Pompeia

A posição de seu crânio recém-descoberto, com a boca aberta como se estivesse dando um grito final, praticamente diz tudo.

[Telegraph, Science Alert]

Imagem do topo: Parque arqueológico de Pompeia

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…