Pular para o conteúdo principal

Descoberta de Caronte, maior lua de Plutão, completa 40º aniversário


O astrônomo James Christy fez a descoberta sem querer no Observatório Naval dos EUA, no dia 22 de junho de 1978 (CARONTE, A LUA DE PLUTÃO/FOTO: NASA)

Aquele 22 de junho era mais um dia comum de trabalho do astrônomo James Christy no Observatório Naval dos EUA. Ele coletava informações para calcular de forma mais precisa a órbita de Plutão quando notou em meio às imagens granuladas do telescópio uma pequena protuberância em um dos lados do que ainda era considerado um planeta de nosso sistema solar.

Apesar de parecer pequeno na imagem, de perto deveria ser algo gigantesco. De duas uma: ou se tratava de uma montanha com milhares de quilômetros de altura ou um satélite em órbita síncrona, ou seja, que acompanha o movimento de rotação.

Christy vasculhou os arquivos de imagens do observatório e encontrou mais casos em que Plutão parecia estranhamente alongado. Ele mediu o ângulo onde os alongamentos apareceram, enquanto seu colega Robert Harrington calculou qual seria a resposta "se o alongamento fosse causado por um satélite em órbita". Na mosca.

Para ter certeza, fizeram mais uma confirmação no telescópio do Observatório Naval e, em 2 de julho, que mostraram que o alongamento se tratava definitivamente de um satélite. Eles anunciaram sua descoberta ao mundo cinco dias depois. Isso foi há 40 anos, e o 22 de junho de 1978, entrou para a história como o dia da descoberta de Caronte, a maior lua de Plutão.


A DUPLA DINÂMICA: CARONTE E PLUTÃO (FOTO: NASA)

O nome foi uma homenagem de James a sua esposa, Charlene, conhecida pelos amigos como “Char”. O nome virou Charon, em inglês. “Vários maridos prometem as suas esposas a lua”, disse Charlene Christy. “Mas Jim (apelido de James) realmente entregou”.

Mas James não sabia se o nome seria aceito, e resolveu pesquisar. Descobriu que “Charon”, ou Caronte em português, era o nome do barqueiro mitológico que carregava almas através do rio Aqueronte, um dos cinco rios míticos relatados pelo filósofo grego Platão.

Novas descobertas
Por muitos anos acreditava-se que Charon, a maior das cinco luas de Plutão, se tratava de uma grande e monótona bola rochosa cheia de crateras. Até julho de 2015, quando a sonda New Horizons passou a “apenas” 29 mil quilômetros do satélite e revelou uma paisagem coberta de montanhas gigantes, cânions imensos, uma estranha calote polar, variações de cor da superfície e deslizamentos de terra.


O SOL E CARONTE VISTOS A PARTIR DA SUPERFÍCIE DE PLUTÃO, A UMA DISTÂNCIA MÉDIA DE 5,91 BILHÕES DE QUILÔMETROS DO SOL. ELE PODE TER SIDO REBAIXADO, MAS NOS NOSSOS CORAÇÕES PLUTÃO SERÁ SEMPRE O NONO PLANETA DO SISTEMA SOLAR (FOTO: RON MILLER | DIVULGAÇÃO)

Imagens em alta resolução do hemisfério de Charon voltado para Plutão mostraram um cinturão de fraturas e desfiladeiros que se estendem por mais de 1.600 quilômetros em toda a face de Charon. Quatro vezes mais longo que o Grand Canyon, e duas vezes mais profundo, essas falhas e canhões indicam uma reviravolta geológica titânica no passado de do satélite.

“Provavelmente tinha um oceano sob sua superfície, e quando o oceano congelou, o gelo se expandiu e quebrou a superfície ”, disse Cathy Olkin, cientista do projeto New Horizons. "Essa é uma descoberta importante, especialmente à luz do crescente interesse científico nos mundos oceânicos no sistema solar".

Uma característica especialmente interessante é a coloração polar avermelhada de Charon. O gás metano escapa da atmosfera de Plutão e fica "preso" pela gravidade da lua e congela na superfície fria e gelada do pólo de Charon. O processamento químico pela luz ultravioleta do Sol transforma o metano em hidrocarbonetos mais pesados e, eventualmente, em materiais orgânicos avermelhados, chamado tolina.

Todo esse conhecimento só aconteceu devido à descoberta de Christy. "A importância da descoberta de Caronte realmente não pode ser subestimada", disse Alan Stern, pesquisador principal da New Horizons. "Nós devemos uma grande dívida de gratidão a Jim Christy por sua descoberta histórica."


Quarenta anos depois de sua importante descoberta, Jim Christy segura duas das imagens do telescópio que usou para localizar a grande lua de Plutão, Caronte, em junho de 1978. Uma foto em close-up de Caronte, tirada pela nave espacial New Horizons durante seu voo de julho de 2015, é exibida em sua tela de computador.
Créditos: NASA / Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins / Southwest Research Institute / Art Howard / GHSPi



FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…