Pular para o conteúdo principal

Cientistas acreditam ter resolvido o Paradoxo da Biodiversidade


Os cientistas não conseguem explicar como recursos limitados no ambiente podem sustentar tanta vida.[Imagem: CC0 Creative Commons]

Paradoxo do plâncton

Há décadas os cientistas tentam explicar como é possível que os recursos limitados do planeta consigam sustentar a multiplicidade de espécies que vivem na Terra.

As primeiras tentativas teóricas conduziram a uma conclusão que não passava pelo teste da realidade: a teoria previa que o número de espécies tinha de ser igual ao número de tipos de recursos disponíveis no meio ambiente, algo que claramente não corresponde ao que vemos à nossa volta.

O contraste entre a teoria e a observação experimental é tão flagrante que tem sido qualificado de paradoxal. Este paradoxo é conhecido como "paradoxo do plâncton" porque é muito bem ilustrado pelas propriedades dos ecossistemas de plâncton. Nos oceanos, existem menos de dez recursos que sustentam o crescimento destes organismos, tais como luz, nitrogênio, carbono, fósforo, ferro etc. Contudo, mesmo nestas condições, centenas de espécies diferentes de plâncton conseguem coexistir de forma estável, sem que nenhuma delas leve as outras à extinção.

Agora, uma equipe do Centro Champalimaud de Lisboa, em Portugal, desenvolveu um novo modelo matemático que poderá resolver este enigma da biodiversidade.

Teoria dos jogos

Segundo Andres Laan e Gonzalo Polavieja, os modelos clássicos de competição pelos recursos preveem que cada recurso irá sustentar a espécie que o consuma com mais eficiência, conduzindo portanto as espécies concorrentes à extinção. Mas esta correspondência unívoca não acontece na natureza. Pelo contrário, a ordem de grandeza do número de espécies que vivem na Terra é muito maior.

Para explicar a biodiversidade, os biólogos usaram uma ferramenta chamada Teoria dos Jogos. [Imagem: CC0 Creative Commons]

A equipe então foi buscar inspiração numa área da matemática chamada teoria dos jogos, a ferramenta preferida dos economistas, mas que também tem sido usada para criar moderadores virtuais para ajudar negociadores e até a polêmica criação de robôs capazes de fraudar e enganar.

"Partimos de um cenário teórico onde só tínhamos duas 'espécies': falcões e pombos", explica Laan. "Os falcões são carnívoros e estão sempre dispostos a lutar. Os pombos são pacíficos e tendem a partilhar os recursos ou a fugir da luta. Segundo a teoria dos jogos, no final, nem os falcões puros nem os pombos puros se tornam dominantes - pelo contrário, as duas espécies coexistem."

A coisa fica mais interessante quando várias espécies entram nesse jogo de falcões e pombos, competindo por muitos tipos de recursos simultaneamente. "Este rico conjunto de escolhas gerou uma diversidade combinatória que resultou num grande número de potenciais espécies. E tal como tinha acontecido no caso simples de duas espécies, as múltiplas espécies acabaram por coexistir e não por se extinguir mutuamente," diz Laan.

Rumos da evolução

Conforme o modelo, a biodiversidade aumenta exponencialmente com o número de recursos. "Com um recurso, duas espécies conseguem coexistir; com dois recursos, quatro espécies; com quatro recursos, 16 espécies; e com dez recursos, obtemos mais de 1.000 espécies coexistindo. O crescimento exponencial é muito rápido, fornecendo portanto uma boa forma de manter a biodiversidade," explicou Laan.

Os pesquisadores acreditam que a solução do paradoxo poderá fornecer a chave não só para perceber a biodiversidade, mas também para melhor compreender a extinção de espécies e prever possíveis direções futuras da evolução animal.

"Estas ideias ainda são em grande parte teóricas e precisamos testar até que ponto os mecanismos de competição propostos no nosso artigo descrevem corretamente o que se passa na competição entre espécies reais, mas estes primeiros resultados parecem bastante promissores," concluiu Laan.

Bibliografia:

Species diversity rises exponentially with the number of available resources in a multi-trait competition model
Andres Laan, Gonzalo G. de Polavieja
Proceedings of the Royal Society B
DOI: 10.1098/rspb.2018.1273

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…