Pular para o conteúdo principal

Entenda como o programa Artemis, da Nasa, pode nos levar a Marte


ARTEMIS É A DEUSA QUE DÁ NOME AO NOVO PROGRAMA ESPACIAL DA NASA (FOTO: ILUSTRAÇÃO: OTÁVIO SILVEIRA)

A Nasa desenhou a missão para começar acelerada; a partir de 2028, porém, será a hora de garantir presença humana permanente na órbita lunar

POR A. J. DE OLIVEIRA | EDIÇÃO: GIULIANA DE TOLEDO

Desde 2017, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou a Diretiva de Política Espacial 1, a Nasa foi incumbida de planejar seu retorno à Lua, com um programa de exploração inovador e sustentável. Inicialmente, a ideia era montar a estação lunar Gateway para uma missão tripulada em 2028. Mas o prazo acabou ficando quatro anos mais curto.

Com isso, a Nasa dividiu o programa Artemis em duas fases. Velocidade define a primeira. Para cumprir a meta de humanos no polo sul da Lua em 2024, a agência terá de deixar a configuração inicial da estação lunar mais enxuta, reduzir os tripulantes da missão à superfície de quatro para dois e contar com envolvimento comercial mais forte bem mais cedo — principalmente no projeto do pousador.

Já a segunda fase é focada na permanência: aí será hora de expandir o Gateway e fortalecer a cooperação com outras agências espaciais para estabelecer presença humana permanente em 2028. Assim será possível instalar instrumentos complexos na superfície, para responder a questões científicas ainda mais revolucionárias em missões de maior duração, além de impulsionar empresas a construir uma economia lunar, explorando atividades como mineração e turismo.

Jim Bridenstine, administrador da Nasa, estima o custo total do programa Artemis entre US$ 20 bilhões e US$ 30 bilhões, parcelados pelos próximos cinco anos. Se a Nasa não quiser canibalizar a verba de outros projetos, terá de pedir ao Congresso bem mais que o extra de US$ 1,6 bilhão que solicitou para reforçar o orçamento de US$ 21 bilhões para 2020. Mais especificamente, algo entre US$ 4 bilhões e US$ 6 bilhões anuais. É o preço de construir uma casa na Lua.

DA LUA A MARTE

Como o programa Artemis vai criar raízes lunares e abrir caminho para o Planeta Vermelho


MARTE (FOTO: PIXABAY)

2019

Nasa anuncia a primeira leva de serviços comerciais para dar suporte ao programa Artemis: empresas dos EUA vão poder fazer ciência e demonstrar tecnologias em solo lunar.

2020

Na missão Artemis 1, a cápsula Orion viajará ainda sem passageiros, mas deverá mostrar que a Nasa não esqueceu como se manda uma espaçonave tripulável à órbita lunar.

2022

Na Artemis 2, astronautas irão à Lua pela primeira vez em 50 anos. Ainda não para pousar, só circunavegar. No fim do ano, o primeiro módulo do Gateway será inserido na órbita lunar.

2023

A Nasa lançará um rover lunar em parceria com o setor privado para procurar gelo de água e coletar amostras. Também será lançado o primeiro módulo habitacional do Gateway.

2024

Sistema de pouso será lançado em partes: após montagem na órbita lunar, grudará no Gateway para levar os astronautas da Artemis 3 até a Lua. E o mundo vai parar para ver.

2025-2028

Será hora de consolidar a presença na Lua. No período, quatro missões Artemis tripuladas (4, 5, 6 e 7) deverão chegar à órbita lunar. Haverá expedições dentro e fora do Gateway.

Anos 2030

Daí em diante, a meta será expandir as capacidades do Gateway e dos pousadores — e, sobretudo, partir para Marte, replicando o processo no Planeta Vermelho.

EM BUSCA DA PRIMEIRA MULHER

Até hoje, 12 humanos pisaram na Lua — todos homens. Isso deve mudar, mas ainda não se sabe quem será a pioneira

Por mais lendárias que tenham sido as missões Apollo, não se pode negar que elas foram um verdadeiro clube do bolinha. Apenas 12 seres humanos tiveram a honra de pisar na Lua — todos homens. E brancos.

Quando o assunto é participação feminina na exploração espacial, os soviéticos estavam anos-luz à frente dos americanos. A cosmonauta Valentina Tereshkova, primeira mulher no espaço, chegou lá em 1963, dois anos depois de Yuri Gagarin. Só 20 anos mais tarde, em 1983, a Nasa lançou sua primeira mulher, Sally Ride.

Montar um programa lunar tripulado 100% masculino podia até ser aceitável nos anos 60. Mas, no século 21, algo do gênero seria completamente impensável. “Hoje, nosso corpo de astronautas é mais diverso, e estamos ansiosos pelo momento histórico em que pousaremos a primeira mulher na Lua por meio do programa Artemis”, disse Sean Potter, da Nasa.

Atualmente, o time de exploradores espaciais da Nasa conta com 38 astronautas na ativa, 26 homens e 12 mulheres. Mas parece que a agência está caminhando para uma divisão mais igualitária de suas vagas: entre os 12 candidatos selecionados na turma de 2017, por exemplo, cinco são do sexo feminino.

Por enquanto, ainda não se tem nenhuma pista de quem vai ocupar o prestigioso papel de primeira mulher a pisar na Lua. O que se sabe é que todas (e todos) as astronautas da agência estão profundamente envolvidas com o desenvolvimento da cápsula Orion e do foguete Space Launch System. “Detalhes adicionais sobre a tripulação e requerimentos específicos de treinamento para as missões à superfície lunar serão compartilhados em uma data futura”, afirma Potter.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…