Pular para o conteúdo principal

Apollo 11: conheça as principais conquistas da missão à Lua


TODOS OS CAMINHOS LEVAM À LUA (FOTO: ILUSTRAÇÃO: OTÁVIO SILVEIRA)

O programa Apollo começou como uma missão impossível para os EUA, mas em somente oito anos a promessa de levar humanos à Lua virou realidade

POR A. J. OLIVEIRA | EDIÇÃO GIULIANA DE TOLEDO | ILUSTRAÇÃO OTÁVIO SILVEIRA | DESIGN FEU

Quando o então presidente dos Estados Unidos propôs, em maio de 1961, que seu país se comprometesse a mandar astronautas à Lua até o final daquela década, talvez não imaginasse o tamanho do desafio que colocava nas mãos da Nasa. Era uma missão impossível.

Na época do famoso discurso de Kennedy, os EUA não tinham um foguete capaz de levar humanos até nosso satélite natural, não tinham computadores compactos para guiar a espaçonave, sequer tinham trajes para os astronautas vestirem ou um meio de se comunicarem durante a viagem. Para falar a verdade, nem mesmo sabiam como chegariam lá.

No primeiro ano do programa Apollo, a Nasa gastou US$ 1 milhão com o projeto — quantia que seria consumida pela agência a cada três horas cinco anos mais tarde. Foi graças ao esforço de centenas de milhares de cientistas, engenheiros, técnicos e tantos outros profissionais que todos esses problemas, e muitos mais, foram resolvidos. Entre maio de 1961 e julho de 1969, o quebra-cabeça mais complicado da história foi montado.

Neil Armstrong, o comandante, Buzz Aldrin, o piloto do módulo lunar, e Michael Co-
llins, o piloto do módulo de comando, partiram da Terra em 16 de julho de 1969 no topo do lendário foguete Saturn V sem saber se voltariam vivos. “Havia numerosas incertezas, por isso todo mundo envolvido só podia considerar a missão um sucesso quando ela terminasse”, afirmou a Nasa à GALILEU por meio de sua assessoria de comunicação.

Mas deu tudo certo e, há exatos 50 anos, em 20 de julho de 1969, o módulo Eagle pousou na Base Tranquilidade. Armstrong e Aldrin deixaram uma placa que reforçava que haviam ido em paz, por toda a humanidade.

DÁDIVAS DE APOLLO

Conheça alguns dos principais avanços trazidos pelo programa


(ILUSTRAÇÃO: OTÁVIO SILVEIRA)

1. Terra

É irônico, mas os primeiros beneficiados pelo programa foram os geocientistas. Apollo 7 (1968) e Apollo 9 (1969) tiraram fotos da Terra em vários comprimentos de onda, revelando elementos até então invisíveis.

2. Engenharia

Equipamentos das cápsulas Apollo foram usados na Skylab, primeira estação espacial dos EUA, lançada em 1973. Lições da Apollo também ajudaram a projetar ônibus espaciais mais resistentes, leves e seguros.

3. Amostras

Astronautas trouxeram 382 quilos de rochas lunares, que geram descobertas até hoje — elas nos ensinam sobre Lua, Terra e Sistema Solar. Em 2015, saíram mais de 2,5 mil papers com dados da Apollo.

4. Diplomacia

As relações internacionais se beneficiaram muito. Em 1975, a última cápsula do programa acoplou-se em órbita com uma Soyuz soviética — a semente que culminou na Estação Espacial Internacional.

UM SALTO GIGANTESCO PARA A CIÊNCIA

Descobertas resultantes das missões da Nasa na década de 60 revolucionaram conhecimento sobre os planetas

Mesmo com o viés político que ofuscava os objetivos científicos do programa, as missões Apollo se tornaram um dos momentos mais prolíficos na história da ciência. Não é exagero dizer que quase tudo o que sabemos sobre o Sistema Solar foi descoberto graças a essas expedições.

Nossa visão da Lua mudou profundamente. Se antes ela era tida como um objeto primordial de origem e estrutura incertas, passou a ser vista como um mundo complexo, não tão diferente da Terra em vários pontos. Dona de um passado geológico bastante ativo (entre 4,6 e 4,4 bilhões de anos atrás, era coberta por um profundo oceano de magma), seu material rochoso já foi derretido, entrou em erupção através de vulcões e foi esmagado por impactos de meteorito repetidas vezes.

Como evoluiu sob a influência gravitacional terrestre, tornou-se um pouco assimétrica. Sua superfície é coberta por uma grossa camada de poeira e fragmentos de pedra: o regolito lunar. Ele preserva um registro químico único de 4 bilhões de anos de radiação solar — importante para entender mudanças climáticas na Terra.

Ao estudar a Lua, os cientistas se sentem como paleontólogos espaciais: as rochas lunares mais jovens têm a mesma idade que as terrestres mais velhas. Aqui, a tectônica de placas e a erosão estão sempre modificando as superfícies mais antigas. Na Lua, elas permanecem intocadas. Estudos sobre as rochas de lá e de cá também deixaram claro que as composições são bem parecidas. Portanto, a Terra e seu satélite natural têm uma origem comum.

Mas há um ponto em que são muito diferentes: muito já se testou à procura de sinais de vida, passada ou presente, nas amostras lunares — e nada foi encontrado.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…