Pular para o conteúdo principal

Fóssil de réptil que viveu há mais de 230 milhões de anos é descoberto no Rio Grande do Sul


Como seria o Pagosvenator candelariensis no seu habitat da época (Foto: Ilustração Renata Cunha/UFRGS/Divulgação)

Pesquisadores acreditam que a nova espécie, denominada como 'Pagosvenator candelariensis', tenha sido encontrada em Candelária. Conforme o estudo, animal faria parte da linhagem que deu origem aos crocodilos.

m grupo de pesquisadores do Rio Grande do Sul descobriu uma nova espécie de réptil fóssil pré-histórico, que viveu há aproximadamente 237 milhões de anos. O estudo foi feito por paleontologistas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), e um artigo foi publicado no periódico britânico Zoological Journal of the Linnean Society, em abril deste ano.

A nova espécie foi denominada como "Pagosvenator candelariensis", e teria sido encontrada no município de Candelária, no Vale do Rio Pardo, distante cerca de 190 km de Porto Alegre. Como o fóssil foi doado anonimamente para o Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues, em Candelária, não é possível saber com exatidão o local em que foi encontrado. Porém, os pesquisadores dizem que a análise dos elementos químicos presentes no objeto, as características da espécie e o período de sua formação indicam que é bastante provável que o fóssil estivesse na região.

"Cada fóssil tem como se tivesse uma impressão digital, falando metaforicamente, que identifica a localidade a partir da rocha de onde ele veio. Se você conseguir analisar isso, consegue estabelecer uma conexão, para identificar o local. Nós analisamos a taxa de terras raras encontrada e é possível identificar de onde veio", relata o líder da pesquisa, Marcel Lacerda, ao G1.

O fóssil entregue aos pesquisadores tinha crânio e uma mandíbula quase completos, o que é considerado bastante raro. Algumas vértebras do pescoço e placas ósseas também chegaram ao grupo de pesquisa, que diz ser similar aos dos crocodilos atuais. Para realizar o estudo, foram utilizadas técnicas de tomografia computadorizada, a partir das quais os cientistas tiveram acesso a diversas informações sobre a anatomia do animal sem danificar o material.


Acima, foto do crânio do fóssil. Abaixo, imagem de tomografia computadorizada (Foto: UFRGS/Divulgação)

Lacerda conduziu o trabalho durante seu doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geociências da UFRGS, e conta que Pasgosvenator era um animal de médio porte, com até três metros de comprimento, e, com base na comparação com outras espécies semelhantes já conhecidas, existe forte evidência de que seria um quadrúpede. Os dentes longos e recurvados indicam que o animal apresentava uma dieta carnívora, possivelmente baseada em pequenos e médios animais.

O professor de Paleontologia da Univasf Marco França, coautor do estudo, explica que o Pagosvenator pertence ao grande grupo dos arcossauros, que apresenta duas linhagens evolutivas: uma formada pelos ancestrais dos crocodilianos modernos e outra que inclui aves e dinossauros.

"A nova espécie descrita não tem relação com as aves e os dinossauros, ela está na linhagem que deu origem aos crocodilos, embora ainda seja muito distante destes. Mais especificamente, o grupo em que o Pagosvenator se insere é denominado de Erpetosuchidae, sobre o qual, apesar de ser conhecido e estudado há muito tempo (desde o século XIX), não se possui muitas informações sobre a anatomia e as relações de parentesco entre seus componentes, já que é representado apenas por espécimes incompletos", explica França.

Fósseis desse grupo foram encontrados na Europa, nos Estados Unidos, no leste da África e na Argentina. O fóssil que está no Rio Grande do Sul é a primeira ocorrência desse grupo no Brasil.

O nome da nova espécie foi dado em homenagem a Candelária, considerado um município importante para a paleontologia. Pagosvenator candelariensis significa "o caçador da região de Candelária". Pagos é um jargão gaúcho usado para se referir ao lugar de onde veio o material, derivado do latim pagus, que significa aldeia, região, província; e venator é um termo em latim que significa caçador.

Espécie vivia no Período Triássico
De acordo com o estudo, essa espécie vivia no Período Triássico – que durou entre 251 até 201 milhões de anos. Esse é o primeiro período da Era Mesozoica, considerado um importante momento na história da vida dos animais terrestres, por ser o intervalo temporal no qual surgiram os primeiros dinossauros, além dos ancestrais dos lagartos, dos crocodilos e dos mamíferos atuais.

"Este trabalho é importante porque soma aos outros trabalhos na área que buscam compreender como era a região há 230 milhões de anos", afirma o professor do Departamento de Paleontologia e Estratigrafia da UFRGS Cesar Schultz, que também participou da pesquisa.

"Graças a estes estudos, hoje sabemos que os predadores desta época eram bem diversos. Vários deles, como Pagosvenator candelariensis, eram maiores que os dinossauros nessa época", complementa França.

Para o líder da pesquisa, a descoberta amplia o conhecimento das espécies fósseis do Rio Grande do Sul e aumenta a compreensão dos processos evolutivos que levaram à diversidade de registros fósseis do estado.

"Toda informação nova é útil para conseguirmos entender como eram o ambiente e a fauna daquela época. São informações que ajudam a contar a história da diversidade da vida daquele período", enfatiza o pesquisador.

"Todo mundo conhece o Tiranossauro Rex, até mesmo por causa dos filmes, mas aqui no Brasil temos vários outros que muita gente nem sabe, que podem ter sido encontrados na sua cidade até", salienta Lacerda.
O trabalho foi realizado com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe).

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…