Pular para o conteúdo principal

Estações do ano em exoplanetas podem ajudar a encontrar vida alienígena


Alterações atmosféricas coincidindo com estações do ano em exoplanetas podem ser indicativos de vida

Novo trabalho recentemente publicado aponta que modificações sazonais poderão ser observadas pelos próximos telescópios a entrar em serviço, facilitando a busca por seres vivos em mundos alienígenas

Com o lançamento do telescópio espacial Tess da NASA, o futuro lançamento do James Webb também da agência espacial norte-americana, além dos grandes telescópios em terra que devem entrar em serviço nos próximos anos, está se intensificando a busca por vida extraterrestre em exoplanetas. Um estudo muito promissor, publicado no periódico The Astrophysical Journal Letters, aponta que o estudo das atmosferas de mundos alienígenas, bem como suas alterações sazonais, dependendo das estações do ano nesses astros, poderão ser de grande auxílio na busca pelos alienígenas.

O estudo fez uma comparação com o que acontece na Terra, onde o hemisfério norte tem mais terras e mais vegetação. Assim no verão há menos dióxido de carbono na atmosfera e mais oxigênio, e os pesquisadores afirmam que um fenômeno similar deverá ser observado em mundos distantes. A líder do estudo, Stephanie Olson, estudante de graduação da Universidade da Califórnia em Riverside, afirmou: "Buscando vida baseando-se na sazonalidade não necessita um entendimento detalhado da bioquímica alienígena, porque será uma resposta biológica a mudanças de estações no ambiente, e não consequência de uma atividade biológica específica que pode ser única da Terra". A equipe construiu modelos de computador para várias moléculas importantes para a vida, como oxigênio, monóxido de carbono e metano. Estas são formadas por processos biológicos e inorgânicos, e suas alterações sazonais em um ambiente alienígena são úteis para determinar suas origens.

Stephanie Olson prossegue: "Um bom método de determinar a habitabilidade de um exoplaneta é observar sua atmosfera ao longo de sua órbita, e tentar detectar mudanças em gases de bioassinaturas durante o ano. Em algumas circunstâncias, tais mudanças seriam difíceis de explicar sem a presença de vida, e nos permitiriam não somente reconhecer mas caracterizar a vida alienígena em um exoplaneta". Os modelos ainda mostram que verificar variações na presença de ozônio seria simples, mesmo com níveis baixos de oxigênio. Isso seria importante em planetas novos, com vida unicelular e onde seres complexos ainda não tiveram tempo de evoluir. O professor Timothy Lions, coautor do estudo, complementa que caracterizando os níveis de oxigênio em planetas recém-formados abre novas perspectivas: "Variações sazonais reveladas pelo ozônio seriam facilmente detectáveis em um planeta que fosse como a Terra há bilhões de anos, quando a maior parte da vida era microscópica e vivia no oceano". A equipe adiantou que os novos instrumentos que entrarão em serviço nos próximos anos poderão se beneficiar dos resultados de sua pesquisa.

http://iopscience.iop.org/article/10.3847/2041-8213/aac171/meta
http://exoplanet.eu/

FONTE: REVISTA UFO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …