Pular para o conteúdo principal

O que é o ‘relógio atômico’ com que a Nasa espera revolucionar a exploração espacial


Essa foi a terceira vez que o Falcon Heavy foi enviado ao espaço

Por Jonathan Amos
Repórter de Ciência da BBC

A Nasa colocou em órbita um relógio atômico compacto que, segundo a agência pode revolucionar a navegação no espaço.

Missões planetárias não têm GPS para navegar pelo espaço. Na realidade, são monitoradas no sistema solar por meio de sinais de rádio.

Esse sinais são enviados da Terra e são respondidos pelas naves. O tempo preciso que leva para as mensagens ecoarem de volta permitem que navegadores calculem a distância da nave e a posição exata da missão. Com isso, conseguem comandar seu curso com as correções necessárias.

Mas isso pode demorar muito para naves dirigidas por humanos - basta imaginar o quão ruim seria se um GPS na Terra demorasse mais que alguns segundos para calcular sua posição. Hoje, essa resposta para a navegação pode demorar cerca de 40 minutos.

Agora, esse novo relógio atômico compacto promete resolver o problema, dando aos humanos dentro das naves a possibilidade de determinarem sua posição de forma mais rápida e e dependendo menos da resposta enviada pela Terra, mais ou menos como já funciona a navegação com o GPS em carros e celulares.

Se as missões carregarem seus próprios relógios atômicos, o sistema de mão dupla usado atualmente,, dos sinais enviados da Terra, respondidos pelas naves e respondidos de novo pela Terra, pode ser reduzido para um só, e os computadores a bordo das missões poderão fazer os cálculos de navegação necessários sozinhos.

O relógio é do tamanho de uma torradeira e tem 50 vezes a estabilidade dos relógios espaciais como os que estão agora em satélites. "Estabilidade" se refere à assiduidade da medida de uma unidade de tempo por um relógio; a medida de uma unidade de segundo, por exemplo, tem que ser a mesma em diferentes períodos de tempo.

Se a tecnologia se provar eficiente —e deve demorar meses até que cientistas possam analisar o resultado—, a Nasa vai instalar o relógio nas próximas missões planetárias.


Pôster da Nasa celebrando o novo relógio atômico | NASA/JPL-Caltech

Missão

O relógio foi lançado junto com o foguete Falcon Heavy, que saiu da Flórida, nos Estados Unidos, nesta terça-feira (25).

O foguete também carregou uma pequena nave que vai testar um novo combustível eco-friendly, e outra plataforma cujo objetivo é usar a luz solar para o lançamento.

Mas o relógio, feito de átomos de mercúrio e desenvolvido em um laboratório da Nasa, foi a grande estrela.


O desenvolvimento do satélite para levar o relógio foi feito por uma empresa do Reino Unido

O relógio atômico usado atualmente na Terra para navegação especial tem o tamanho de uma geladeira. Os engenheiros da Nasa diminuíram seu tamanho para algo que pode caber facilmente em uma nave espacial.

A pesquisadora principal, Jill Seubert, afirmou que uma nave autônoma, que possa navegar sozinha, é uma das tecnologias básicas necessárias para colocar os humanos em Marte.

"Navegação autônoma significa que a nave pode fazer sua própria navegação, em tempo real, sem esperar que direções sejam enviadas de volta pelos navegadores aqui na Terra. E, com essa capacidade, uma nave embarcada com seres humanos pode pousar de forma segura em um lugar para o qual o caminho é incerto", disse aos repórteres.

Segundo Don Cornwell, do Programa de Comunicação e Navegação Espaciais da Nasa, para uma nave espacial navegando longe da órbita da Terra, a mínima imprecisão de um relógio pode levar a grandes erros navegacionais. "Mas [o novo relógio] tem um alto grau de estabilidade, o que significa que ele pode manter a precisão por muitos anos."



FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…