Pular para o conteúdo principal

Anéis de Urano "brilham" em luz fria


Ilustração do planeta Urano e do seu sistema de anéis escuros. Em vez de observarem a luz solar refletida dos anéis, os astrônomos observaram o "brilho" milimétrico e infravermelho naturalmente emitido pelas partículas frias dos próprios anéis.
Crédito: NRAO/AUI/NSF; S. Dagnello

Os anéis de Urano são invisíveis para todos, menos para os maiores telescópios - só foram descobertos em 1977 - e destacam-se como surpreendentemente brilhantes em novas imagens térmicas do planeta obtidas por dois grandes telescópios no Chile.

O brilho térmico abre aos astrônomos outra janela para os anéis, que foram apenas observados porque refletem um pouco de luz no visível e no infravermelho próximo. As novas imagens obtidas pelo ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) e pelo VLT (Very Large Telescope) permitiram à equipa medir, pela primeira vez, a temperatura dos anéis: uns frios 77 Kelvin (-196,15º C), 77 graus acima do zero absoluto - a temperatura de ebulição do azoto líquido.

As observações também confirmam que o anel mais brilhante e denso de Úrano, chamado anel épsilon, difere dos outros sistemas de anéis conhecidos dentro do nosso Sistema Solar, em particular dos anéis espetacularmente bonitos de Saturno.

"Os anéis de Saturno, principalmente de gelo, são brilhantes, largos e as suas partículas têm vários tamanhos, desde tamanhos microscópicos no anel D, o mais interno, até dezenas de metros nos anéis principais," disse Imke de Pater, professora de astronomia na Universidade da Califórnia em Berkeley, EUA. "A gama mais pequena está ausente dos principais anéis de Úrano; o anel mais brilhante, épsilon, é composto de rochas do tamanho de bolas de golfe e maiores."

Em comparação, os anéis de Júpiter contêm principalmente partículas de tamanho micrométrico (um micrômetro é um milésimo de milímetro). Os anéis de Neptuno são na sua maioria poeira e até mesmo Urano tem camadas largas de poeira entre os anéis estreitos principais.

"Nós já sabemos que o anel épsilon é um pouco estranho, porque não vemos o material mais pequeno," disse o estudante Edward Molter. "Algo tem vindo a varrer os objetos mais pequenos ou a juntá-los todos. Simplesmente não sabemos. Este é um passo para entender a sua composição e se todos os anéis vieram do mesmo material de origem ou se cada um tem uma origem diferente."

Os anéis podem ser antigos asteroides capturados pela gravidade do planeta, remanescentes de luas que colidiram umas com as outras e se fragmentaram, restos de luas dilaceradas quando passaram demasiado perto de Úrano, ou detritos remanescentes do tempo de formação há 4,5 bilhões de anos.

Os novos dados foram publicados a semana passada na revista The Astronomical Journal. De Pater e Molter lideraram as observações do ALMA, enquanto Michael Roman e Leight Fletcher da Universidade de Leicester, Reino Unido, lideraram as observações do VLT.

"Os anéis de Úrano são composicionalmente diferentes do anel principal de Saturno, no sentido que no visível e no infravermelho, o albedo é muito mais baixo: são realmente escuros, como carvão," explicou Molter. "São também extremamente estreitos em comparação com os anéis de Saturno. O mais largo, o anel épsilon, varia de 20 a 100 quilômetros de largura, enquanto os de Saturno têm centenas ou dezenas de milhares de quilômetros de largura."

A ausência de partículas de poeira de tamanho microscópico, nos anéis principais de Úrano, foi observada pela primeira vez quando a Voyager 2 passou pelo planeta em 1986 e os fotografou. No entanto, a sonda foi incapaz de medir a temperatura dos anéis.

Até à data, os astrônomos contaram um total de 13 anéis ao redor do planeta, com algumas faixas de poeira entre os anéis. Os anéis diferem de outras maneiras dos de Saturno.

"É interessante que possamos fazer isto com os instrumentos que temos," realçou Molter. "Estava apenas a tentar observar o planeta o melhor que conseguia e vi os anéis. Foi fantástico."

Ambas as observações do VLT e do ALMA foram projetadas para explorar a estrutura de temperatura da atmosfera de Urano, com o VLT a sondar comprimentos de onda mais curtos do que o ALMA.

"Ficamos surpresos ao ver os anéis saltarem claramente à vista quando reduzimos os dados pela primeira vez," salientou Fletcher.

Isto representa uma oportunidade excitante para o Telescópio Espacial James Webb, que será capaz de fornecer restrições espectroscópicas bastante melhores dos anéis de Urano ao longo da próxima década.


Composição da atmosfera e dos anéis de Urano no rádio, obtida pelo ALMA em dezembro de 2017. A imagem mostra, pela primeira vez, a emissão térmica, ou calor, dos anéis de Urano, permitindo com que os cientistas determinassem a sua temperatura: 77 K (-196,15º C). As bandas escuras na atmosfera de Urano, nestes comprimentos de onda, mostram a presença de moléculas que absorvem ondas de rádio, em particular o gás sulfato de hidrogénio (H2S), e as regiões brilhantes como na mancha polar norte contêm muito poucas quantidades destas moléculas.
Crédito: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO); Edward M. Molter e Imke de Pater

FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…