Pular para o conteúdo principal

O estranho animal que come rochas e excreta areia - e pode ser importante para a saúde humana


Embora para os cientistas o animal seja totalmente novo, os habitantes locais das Filipinas não apenas o conhecem como o comem (CORTESIA DAN DISTEL)

Reuben Shipway teve de retirar a estranha criatura com muito cuidado de uma rocha.

Parecia uma "salsicha translúcida", segundo um comunicado da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, onde o pesquisador trabalhava.

Descobriu-se que o animal era uma variação do que é comumente chamado de "verme de barco". Estes animais têm a aparência de um verme, mas são moluscos, e têm esse nome por mastigar e digerir a madeira nos barcos até que estejam cheios de buracos.

O animal extraído por Shipway, no entanto, não comeu madeira, mas rocha. E defecava areia.

Velho conhecido

O molusco foi encontrado no rio Abatan, na ilha de Bohol, nas Filipinas. Os cientistas acreditam que o animal vive apenas em uma determinada área do rio.

Os pesquisadores chamaram o verme de Lithoreda abanatica. A primeira parte do nome inclui os termos em latim para rocha (litho) e verme (teredo). A segunda parte é uma referência ao rio onde foi encontrado.

O animal é tão estranho para a ciência que não é apenas uma nova espécie, mas um novo gênero.

No entanto, para os habitantes da ilha era um velho conhecido.

Os habitantes de Bohol não apenas indicaram a Shipway onde encontrar o verme, mas também disseram ao pesquisador que o animal é uma iguaria que eles comem em ocasiões especiais.


O grande mistério é onde esses moluscos obtêm sua comida, já que não há nutrientes na rocha

Os habitantes da ilha chamam o verme "antingaw" e as mães os comem para aumentar a lactação, de acordo com uma crença local.

"É um animal quase mítico", disse Shipway, atualmente pesquisador da Universidade de Massachusetts e principal autor de um novo estudo que descreve cientificamente o animal.

"Isso é típico dos cientistas. Vamos a lugares e 'descobrimos' esses animais, mas a população local já os conhece há muito tempo", disse Dan Distel, diretor do Centro de Legados do Genoma do Oceano - Ocean Genome Legacy Center - da Universidade Nortwestern e outro dos autores do estudo.

Como ele se alimenta?

Os vermes haviam mudado completamente o ecossistema. As rochas estavam cheias de buracos e, de muitos desses buracos, projetavam-se os sifões ou estruturas tubulares dos animais.

Os buracos deixados pelos moluscos agora abrigam pequenos peixes e crustáceos.

Os animais medem cerca de 15 centímetros de comprimento. E são fisicamente diferentes dos vermes da madeira, já que têm dentes maiores para furar a rocha, de acordo com o estudo publicado no Proceedings of the Royal Society B, a revista da Academia de Ciências do Reino Unido.

Um dos grandes enigmas é saber de onde esses vermes obtêm sua energia, porque na rocha não há nutrientes que eles possam absorver.

Os cientistas acreditam que esses pequenos moluscos consigam sobreviver por meio das bactérias que vivem em seu organismo.

E essa relação simbiótica com bactérias pode ser importante para os humanos.

Saúde humana

Shipway faz parte de uma iniciativa chamada Projeto de Simbiontes de Moluscos das Filipinas, uma colaboração entre universidades filipinas e americanas.

O projeto tem como objetivo documentar a biodiversidade do país asiático e procurar por compostos úteis para a medicina humana.

Mas que relação esses vermes podem ter com nossos corpos?


Dan Distel (à esquerda) e Reuben Shipway têm estudado as bactérias nos vermes de barcos no Centro de Ciências Marinhas da Universidade Northwestern, nos EUA (MATTHEW MODOONO/NORTHEASTERN UNIVERSITY)

"Se você sempre olhar para os mesmos organismos, continuará encontrando os mesmos compostos. Mas precisamos de novos compostos", disse Margo Haywood, professora de química medicinal da Universidade de Utah e diretora do Projeto de Simbiontes de Moluscos das Filipinas.

"Nossa nova fonte de compostos são as bactérias que vivem em moluscos em diferentes associações, algo que só começou a ser investigado muito recentemente."

A teoria é que as bactérias que coexistem com um organismo dentro dele - as chamadas bactérias simbióticas - evoluíram para beneficiar seu hospedeiro sem matá-lo.

Se as bactérias não são prejudiciais para um molusco, é improvável que sejam prejudiciais a um ser humano.

No caso do verme dos barcos, as bactérias que vivem nelas decompõem a madeira em açúcares úteis.

E os pesquisadores querem determinar se as substâncias químicas produzidos por essas bactérias também poderiam ser úteis para a produção de novos antibióticos, ou drogas para combater o HIV, câncer e outras doenças.

O próximo passo é analisar as bactérias que vivem no Lithoredo, que, segundo Distel, "são diferentes daquelas dos vermes dos barcos e provavelmente de todas as outras bactérias simbióticas que conhecemos até agora".

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…