Pular para o conteúdo principal

‘Cidade perdida’ em floresta de Honduras revela tesouros biológicos


A BORBOLETA MORPHO HELENOR, ENCONTRADA NA CHAMADA CIDADE BRANCA (FOTO: TROND LARSEN)

Pesquisadores encontram espécies raras e tidas como extintas; estudo foi feito na região de Mosquitia, uma das matas tropicais menos exploradas do mundo

A região de Mosquitia, ao leste de Honduras, guarda uma lenda que atravessou séculos. Conta-se que ali está a La Ciudad Blanca (a cidade branca), também conhecida como Cidade do Deus Macaco. Segundo as histórias, o local misterioso e paradisíaco abrigava uma civilização perdida, onde indígenas se refugiavam dos conquistadores espanhóis — e de onde ninguém retornava.

Muitos exploradores tentaram localizá-la, mas só em 2012 foram encontradas ruínas do que parece ter sido a tal cidade branca (o nome vem das edificações em pedra clara que, de acordo com as lendas, erigiram em meio à mata fechada). Pouco se sabe sobre essa civilização, mas de uma coisa os pesquisadores têm certeza: trata-se de um ecossistema extremamente rico e único.

Foi ali que um grupo de cientistas descobriu uma espécie de santuário de fauna e flora. Afinal, trata-se da maior reserva natural de Honduras (cerca de 350 mil hectares) e de uma das florestas tropicais menos exploradas do mundo. “Encontramos uma enorme biodiversidade, inclusive muitas espécies raras e ameaçadas e algumas descobertas”, disse o biólogo, Trond Larsen, da ONG Conservation International, ao site Science Alert. “Tudo isso indica que essa área é uma região selvagem que precisa ser preservada para manter a integridade dos corredores ecológicos da América Central.”

Larsen e sua equipe visitaram a floresta em 2017, num trecho da reserva nomeado Cidade do Jaguar. Precisaram chegar de helicóptero, dada a mata fechada, e com escolta policial, caso encontrassem um esquema de tráfico de drogas operando dentro da floresta.

Mas o que encontraram foi uma extensa biodiversidade. Catalogaram 183 espécies de plantas, outras 246 de insetos, 198 pássaros, 13 peixes, 35 répteis, 22 anfíbios e 70 mamíferos.

Entre os achados está o Phylloderma stenops, um morcego que não era visto em Honduras há mais de 70 anos, e o Odontochila nicaraguense, um besouro de tigre que, acreditava-se, só tinha existido na Nicarágua e já estava extinto — o que pelo jeito não é verdade.


PHYLLODERMA STENOPS, UM MORCEGO QUE NÃO ERA VISTO EM HONDURAS HÁ MAIS DE 70 ANOS (FOTO: TROND LARSEN)

“Muitas dessas espécies são raras em outros locais devido à perda de habitat, à degradação, à caça e a outras pressões”, escreveram os pesquisadores em estudo recém-publicado. “É uma das poucos áreas na América Central onde os processos ecológico e evolutivo continuam intactos.”

Segundo os especialistas, essa imensa diversidade se deve a dois fatores: as incríveis condições terrestres e de água fresca na Cidade do Jaguar e a floresta intacta que permeia a região de Mosquitia.

Infelizmente, é uma área que sofre ameaças do desmatamento e da pecuária ilegais. O governo hondurenho, por outro lado, se comprometeu a proteger a região e a dar suporte aos estudos científicos. Enquanto as descobertas biológicas avançam, resta saber quem foi o povo da cidade perdida que tinha adoração por um deus macaco.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…