Pular para o conteúdo principal

Objetos celestes fantásticos e onde habitam


Plutão é ou não é planeta? E que chance temos de responder isso com convicção absoluta? (Crédito: Nasa)

Salvador Nogueira
“O que há num nome?”, já se perguntava Shakespeare. “Aquilo a que chamamos rosa, com qualquer outro nome, continuaria a exalar o mesmo perfume.” Mas e o que chamamos de planetas, estrelas e luas? O caso é rigorosamente o mesmo. Categorizar coisas é uma das obrigações da ciência, em seu esforço reducionista de entender a natureza. Mas é preciso entender os limites desse exercício e reconhecer que as definições são arbitrárias.

A situação familiar a todos é a de Plutão. É ou não é planeta? Os dinamicistas defendem que não — a origem de Plutão não é igual à dos outros oito planetas, já que seu nascimento foi incapaz de dragar a maior parte da massa residente em sua órbita para si.

Já os cientistas planetários, aptos a estudar corpos celestes por suas características intrínsecas, discordam. Para eles, Plutão tem complexidades típicas de planeta: diversificação em camadas, formato esférico e superfície moldada por processos geológicos. Logo, devia ser classificado como planeta.

Esses especialistas, a esta altura, vão ainda mais longe: querem derrubar as barreiras hierárquicas que separam planetas e satélites naturais de grande porte. Pouco importa em torno de quê o objeto está girando; para eles, objetos como a Lua, Ganimedes, Io e Encélado merecem ser planetas também.

Restaria então a divisão clara entre planetas e estrelas. Mas será? Há objetos que não são nem estrelas, nem planetas. As chamadas anãs marrons têm massa intermediária e uma capacidade tênue e fugidia de gerar sua própria energia por fusão nuclear. São como uma estrela abortada _começam estrelas, terminam planetas.

E agora um novo estudo mostrou que a atmosfera de exoplanetas gasosos muito próximos à sua estrela também pode ser mais parecida com a de estrelas — mas só no lado iluminado. No hemisfério escuro, eles se parecem com planetas gasosos mesmo.

Dos menores asteroides às maiores estrelas, todos são objetos com identidade própria, moldados pelas mesmas leis da física e da química, em circunstâncias diferentes. A natureza não colocou etiqueta dizendo “esse é de um tipo”, “aquele é de outro”. Isso nós fazemos, com todas as boas intenções, imperfeições e arbitrariedades das escolhas humanas.

Então, a melhor coisa neste caso é apreciarmos esses mundos pelo que são, em vez de surtarmos sobre categorias. E, quando um nome é inevitável, vale escolhê-lo com base em conveniências educacionais e científicas, aceitando que são apenas uma muleta do nosso discurso. A rosa e Plutão, como Shakespeare já sabia, sempre serão o que são, pouco importando que nome damos a eles.

Esta coluna é publicada às segundas-feiras, na Folha Corrida.

FONTE: mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…