Pular para o conteúdo principal

Estas esculturas peruanas de 3.800 anos parecem emojis modernos



Por: George Dvorsky

Arqueólogos no Peru descobriram um antigo relevo de parede que data de antes da Civilização de Caral — a mais antiga civilização conhecida no Novo Mundo. Embora extravagantes na aparência, esses símbolos antigos têm um significado muito sério.

O encantador relevo foi descoberto por uma equipe da Zona Arqueológica de Caral (ZAC), no complexo arqueológico de Vichama, no Vale do Supe, a cerca de 180 km de Lima, capital do Peru, conforme noticiado pela Deutsche Welle. Remontando ao fim do Período Arcaico dos Andes Centrais, esse local já foi o lar da Civilização de Caral, também conhecida como Norte Chico, que é considerada a mais antiga civilização conhecida nas Américas. Em seu auge, estima-se que três mil pessoas viviam nesse complexo, que tinha praças, moradias e um grande templo. As escavações no Vichama começaram em 2007, e os arqueólogos têm descoberto artefatos desde então.


A parede completa. Imagem: Zona Arqueológica de Caral

A parede, feita de adobe, tem um metro de altura e três metros de largura. A arqueóloga Ruth Shady Solís, diretora das escavações no Vichama, diz que um dia a estrutura formou a antecâmara de um prédio público e ficava de frente para os campos de agricultura do Vale do Huara, segundo o Latin American Herald Tribune. Esse antigo prédio incluía janelas escalonadas e uma praça circular afundada, abrangendo uma área de cerca de 875 m². Ao todo, 22 prédios foram localizados dentro do complexo, que foi construído entre 1800 e 1500 a.C.

O relevo de parede retrata quatro cabeças humanas com os olhos fechados. Duas cobras as cercam, levando a uma quinta cabeça central, não-humana, que supostamente representa um símbolo de semente antropomórfico ou humanoide. Com a boca aberta, a semente parece estar cavando ou brotando do solo. O relevo de parede pode simbolizar um período de seca e fome, já que outros relevos encontrados nas proximidades retratam humanos emaciados.


As cobras, provavelmente um deus da água, pousam na semente humanoide. Imagem: Zona Arqueológica de Caral

“Os relevos simbolizam a fertilização da terra: as cobras representam a divindade, ligada à água, que filtra na terra e faz a semente germinar”, explicou Shady Solís, na TeleSur. “O novo relevo reforça a abordagem de capturar, na memória coletiva, as dificuldades enfrentadas pela sociedade devido à mudança climática e à escassez de água, que causaram sérios efeitos na produtividade agrícola”, disse Shady Solís.

Em algum momento, o povo Caral abandonou seus assentamentos e a região. Não se sabe muito sobre essa civilização e o que aconteceu com ela, mas essa descoberta mais recente reforça as dificuldades enfrentadas pelos habitantes do que é provavelmente a cidade mais antiga do Novo Mundo.

[Deutsche Welle, TeleSUR, Latin American Herald Tribune]

Imagem do topo: Zona Arqueológica de Caral

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…