Pular para o conteúdo principal

5 dados que você talvez não saiba sobre 'The Big Bang Theory', que acabará após a 12ª temporada



É oficial: a série de televisão americana The Big Bang Theory chegará ao fim em 2019.

"Somos eternamente gratos aos nossos fãs pelo apoio a The Big Bang Theory", diz o comunicado conjunto divulgado nesta semana pela Warner Bros. Television, Chuck Lorre Productions e CBS.

"Nós, junto ao elenco, aos roteiristas e à produção, somos extremamente gratos pelo sucesso da série e queremos que a última temporada tenha um encerramento épico e criativo", acrescenta o texto.

O seriado, que gira em torno do relacionamento de um grupo de amigos nerds e uma vizinha aspirante a atriz, terminará após a 12ª temporada, prevista para ir ao ar em setembro nos Estados Unidos.

Quando terminar, terão sido rodados 279 episódios no total, o que faz de The Big Bang Theory a série de comédia no estilo sitcom mais longa da história da televisão nos Estados Unidos.

Antes de se despedir de Sheldon, Leonard, Penny e companhia, confira cinco curiosidades que talvez você não saiba sobre o seriado.

1. US$ 1 milhão por episódio
A série alavancou as carreiras dos atores Kaley Cuoco (Penny), Johnny Galecki (Leonard), Simon Helberg (Howard), Kunal Nayyar (Raj) e, especialmente, Jim Parsons, cuja interpretação do excêntrico Sheldon Cooper rendeu a ele um Globo de Ouro e quatro prêmios Emmy.

Em 2016, o elenco principal ganhava aproximadamente US$ 1 milhão por episódio.

Mas, de acordo com a revista Variety, em 2017, os cinco protagonistas aceitaram reduzir o salário para aumentar a remuneração de Mayim Bialik (Amy) e Melissa Rauch (Bernadette).

As duas começaram a série como parte do elenco secundário, antes de se tornarem personagens essenciais da trama.

Segundo a revista Entertainment Weekly, os altos salários dos atores e os vários anos de filmagem (o primeiro episódio foi lançado em 2007) fizeram de The Big Bang Theory um dos programas mais caros para se produzir na televisão.


A série vai acabar após a 12ª temporada

2. A ciência é real
Todos os dados científicos apresentados em The Big Bang Theory são reais.

O professor de física David Saltzberg trabalha como consultor científico da série desde 2007.

Ele é responsável por garantir que todas as informações científicas estejam corretas, incluindo as piadas de Sheldon sobre física e os experimentos realizados na trama.

Mas David Saltzberg não é o único no set de filmagem que entende de ciências.

Mayim Bialik, a atriz que interpreta a neurobióloga Amy Farrah Fowler, tem doutorado em neurociência.

E também ajuda os roteiristas a verificar se todas as informações sobre ciência e biologia estão precisas.


Mayim Bialik, atriz que interpreta a neurobióloga Amy Farrah Fowler

3. 'Bazinga' agora é uma espécie de abelha
É sério: a palavra favorita de Sheldon Cooper, "Bazinga", também é uma espécie de abelha.

O personagem utiliza essa expressão com frequência, principalmente quando conta uma piada ou prega uma peça em um de seus colegas.

O jargão foi imortalizado por um grupo de cientistas brasileiros, que nomearam uma espécie de abelha nativa de orquídeas: Euglossa bazinga.

O biólogo André Nemesio conta que é uma homenagem ao "inteligente, engraçado e 'nerd' Sheldon Cooper", porque a abelha tinha conseguido enganar os cientistas por um tempo devido à sua semelhança com outras espécies.

4. Sheldon não é 'nerd' na verdade
Isso pode ser um choque para os fãs da série, mas o ator que interpreta o rei dos "nerds" é muito diferente na vida real.

Jim Parsons admitiu em uma entrevista à revista Time que, ao contrário do personagem que interpreta, nunca viu Jornada nas Estrelas ou a série britânica Doctor Who.

Simon Helberg, o Howard, também confessou que não gosta de Jornada nas Estrelas, tampouco de histórias em quadrinhos.

Já o ator Kunal Nayyar, que interpreta Raj, declarou em entrevista à CNN ser fã incondicional de quadrinhos e Guerra nas Estrelas.

Johnny Galecki, o Leonard, compartilha o interesse de "Raj" por Guerra nas Estrelas, mas assim como "Sheldon" não gosta muito de Jornada nas Estrelas.


Jim Parsons interpreta o excêntrico Sheldon Cooper

5. Uma canção de ninar quase foi parar nos tribunais
"Soft kitty, warm kitty. Little ball of fur. Happy kitty, sleepy kitty. Purr, purr, purr."

Se você é fã incondicional da série, certamente conhece a canção de ninar que Sheldon exige que Penny cante para ele toda vez que fica doente - e que foi traduzida para as legendas em português no Brasil assim: "Gatinho macio. Gatinho quentinho. Bolinha de pêlo. Gatinho feliz. Gatinho dorminhoco. Miau, miau, miau."

Mas o afago de Penny poderia ter saído muito caro.

A poetisa Edith Newlin escreveu a cantiga em 1937. E, segundo suas filhas, a letra da música foi usada na série sem permissão - elas apresentaram uma denúncia por violação de direitos autorais em 2015.

No entanto, para a sorte dos produtores, a ação não prosperou e não chegou aos tribunais.



FONTE: BBC BRASIL - The Big Bang: Theory BR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…