Pular para o conteúdo principal

Fóssil de 230 milhões de anos revela segredos sobre a origem dos répteis


COM CERCA DE METROS DE COMPRIMENTO, OSSADA FOI IDENTIFICADA COMO UMA NOVA ESPÉCIE (FOTO: XIAO-CHUN WU)

Amostra de tartaruga pode ajudar pesquisadores a determinar como e quando os bichos desenvolveram alguns aspectos

O fóssil de uma tartaruga encontrado na China preenche uma lacuna na evolução dos répteis. A descoberta vai ajudar pesquisadores a determinar quando as tartarugas mordernas adquiriram singularidades como a casca, por exemplo, além de entender as origens do grupo animal.

Publicado na revista Nature, o estudo mostrou que a ossada tinha cerca de dois metros de comprimento. Chamada de Eorhynchochelys sinensis, a espécie viveu aproximadamente 230 milhões de anos atrás. O crânio do fóssil é semelhante ao de tartarugas modernas, enquanto o resto do corpo é mais parecido com um réptil antepassado que viveu há 10 milhões de anos.

Segundo Rainer Schoch, paleontólogo do Museu Estadual de História Natural de Stuttgart, na Alemanha, esta nova espécie se encaixa quase perfeitamente no quadro evolutivo dos répteis. "Estamos muito felizes em ver isso", ele comentou.

Evolução
De acordo com a pesquisa, as tartarugas não mudaram muito nos últimos 210 milhões de anos. Todas têm uma casca superior formada a partir da fusão de sua espinha e costelas, uma concha inferior que protege sua barriga, um bico afiado e uma boca sem dentes. Mas o bicho carece de uma característica comum à maioria dos répteis modernos: dois pares de buracos no crânio, atrás dos olhos, onde os músculos da mandíbula estão presos.

A ausência desses buracos foi debatido por décadas por especialistas que tentavam entender a posição das tartarugas na árvore genealógica dos répteis. Em 2008, foi descoberta a espécie Odontochelys semitestacea. Com cerca de 220 milhões de anos, a tartaruga possuía dentes e uma concha inferior, e suas largas costelas sugeriam o começo da formação de uma casca superior. Mas faltava o bico e os pares de buracos no crânio.

Pouco tempo depois, em 2015, cientistas identificaram o Pappochelys rosinae, espécime de 240 milhões de anos que não possuía casca, mas mostrou os primeiros sinais de uma camada inferior. P. rosinae tinha dois pares de aberturas no crânio, indicando que as tartarugas estavam relacionadas com outros répteis modernos.


REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA DA TARTARUGA EORHYNCHOCHELYS SINENSIS (FOTO: YU CHEN)

Agora, a análise de Eorhynchochelys preenche a lacuna entre essas duas espécies. O fóssil possui um único par de buracos atrás de seus olhos, sugerindo uma transição gradual de Pappochelys para as tartarugas modernas.

A presença de um bico no esqueleto de Eorhynchochelys intrigou Xiao-Chun Wu, paleontologista do Museu Canadense da Natureza, no Canadá. Para ele, a característica sugere que a evolução do bico nas tartarugas modernas não foi um caminho reto.

Para o paleontólgo Schoch, contudo, o fóssil ainda não deixa claro o lugar de Eorhynchochelys na árvore evolucionária. Diversos estudos genéticos já classificaram os crocodilos, dinossauros e pássaros modernos como parentes evolucionários mais próximos das tartarugas.

Depois de comparar as características físicas de Eorhynchochelys com as de outros répteis fossilizados, Wu afirmou que as tartarugas não estão tão relacionadas a nenhum desses grupos. "Elas são um desdobramento de ancestrais anteriores", falou.

Mas Schoch é cético. Ele acredita que pesquisadores ainda não sabem o suficiente sobre a anatomia dos primeiros ancestrais répteis para saber com certeza o parentesco das tartarugas. "Precisamos descobrir mais sobre os primeiros ancestrais. Esse é o grande problema e o próximo passo que terá que ser dado", ressaltou.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…