Pular para o conteúdo principal

Arqueólogos encontram cemitério de sociedade igualitária de 5 mil anos


CÍRCULOS DE PEDRAS PODEM SER VISTOS NA PLATAFORMA CENTRAL DO CEMITÉRIO, NO QUÊNIA, ÁFRICA (FOTO: KATHERINE GRILLO)

Local foi construído pelos primeiros pastores que viveram em uma região do Quênia e sugere que a população antiga não era hierarquizada

Pesquisadores encontraram o maior e mais antigo cemitério monumental da África Oriental de que se tem notícia. O sítio arqueológico Lothagam Pilar do Norte foi construído há cinco mil anos pelos pastores primitivos que viviam em torno do Lago Turkana, na região do Quênia.

Acredita-se que a população da área tivesse uma sociedade igualitária, sem hierarquia social estratificada. O formato amplo do cemitério contradiz as narrativas sobre as primeiras comunidades complexas, que sugerem que uma estrutura social estratificada é necessária para permitir a construção de grandes edifícios públicos ou monumentos.

Estudiosos estimam que pelo menos 580 indivíduos foram enterrados lá. Homens, mulheres e crianças de diferentes idades – de bebês a idosos – foram colocados na mesma área, sem que nenhum sepultamento tivesse tratamento especial. Além disso, todos foram enterrados com ornamentos pessoais, e a distribuição dos objetos foi relativamente igual em todo o cemitério. Para os arqueólogos, esses fatores indicam uma sociedade igualitária sem estratificação.

"Esta descoberta desafia as ideias anteriores sobre monumentalidade", explicou Elizabeth Sawchuk, da Stony Brook University, nos Estados Unidos. "Sem outras evidências, Lothagam fornece um exemplo de monumentalidade que não está ligada ao surgimento da hierarquia, forçando-nos a considerar outras narrativas de mudança social."


PINGENTES E BRINCOS DE PEDRAS ENTERRADOS JUNTO AOS CORPOS DO CEMITÉRIO NA ÁFRICA (FOTO: KATHERINE GRILLO)

Publicada na revista Proceedings of National Academy of Sciences, a pesquisa indica que o Lothagam foi construído e usado entre cerca de 4,3 e 5 mil anos atrás. Os primeiros pastores levantaram uma plataforma de aproximadamente 30 metros de diâmetro e escavaram uma grande cavidade no centro para enterrar os mortos.

Depois que a cavidade foi preenchida e coberta com pedras, foram colocados grandes pilares megalíticos, alguns de até um quilômetro de distância, no topo. Círculos de pedra e moledros (montículos de pedras) foram adicionados nas proximidades.

"O Lothagam é o local monumental mais antigo da África Oriental, construído pelos primeiros pastores da região", informou Hildebrand. "Essa descoberta nos faz reconsiderar como definimos a complexidade social e os tipos de motivos que levam grupos de pessoas a criar uma arquitetura pública".


ESCULTURA DE BOVINO FEITA DE PEDRA PELOS ANTIGOS HABITANTES DO LAGO TURKANA, NA ÁFRICA (FOTO: KATHERINE GRILLO)

História
Segundo os arqueólogos, Lothagam foi erguido durante um período de mudanças. O pastorismo acabara de ser introduzido na Bacia de Turkana e os recém-chegados que levavam ovelhas, cabras e gado teriam encontrado diversos pescadores e caçadores que já viviam ao redor do lago.

Além disso, os recém-chegados e os habitantes locais enfrentaram uma situação ambiental difícil, uma vez que as chuvas anuais diminuíram e o Lago Turkana reduziu em até 50%. Os primeiros pastores podem ter construído o cemitério como um lugar de união, para manter as pessoas informadas e unidas sobre as mudanças econômicas e climáticas.

"Os monumentos podem ter servido como um lugar para as pessoas se reunirem, renovarem laços sociais e reforçarem a identidade da comunidade", afirmou Anneke Janzen, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, na Alemanha. "A troca de informações e a interação por meio de rituais compartilhados podem ter ajudado os pastores a navegar em uma paisagem física em rápida mudança".

Depois de vários séculos, a pastorícia ficou obsoleta e o nível do lago Turkana se estabilizou. Foi nessa época que o cemitério deixou de ser usado.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…