Pular para o conteúdo principal

Esta criatura marinha de 500 milhões de anos vai assombrar sua imaginação


Uma criatura parecida com uma minhoca, com 30 membros, vasculhava o fundo do mar durante o início do período Cambriano, de acordo com uma nova pesquisa. Sua aparência bizarra e seu padrão de alimentação são diferentes de qualquer coisa já vista.

Pesquisadores escavando no Folhelho Burgess, na província canadense de Colúmbia Britânica, descobriram restos fossilizados de um lobopódio de 500 milhões de anos. Chamado de Ovatiovermis cribratus, o animal recém-descrito tinha apenas alguns centímetros de altura e se alimentava balançando seu corpo de um lado para o outro para capturar presas pequenas. Dadas sua idade extrema e suas características físicas únicas, cientistas disseram se tratar de um dos exemplos mais antigos nos registros de fósseis de artrópodes — grupo de animais que inclui insetos, aranhas, escorpiões e crustáceos.

Os lobopódios viveram durante o início do período Cambriano e são conhecidos por seus corpos com aspecto de minhoca e pernas curtas. Como outros lobopódios, o Ovatiovermis cribratus tinha algo entre 20 e 30 membros, mas era único no sentido de não ter os ferrões defensivos típicos dessas criaturas.

Os pesquisadores Jean-Bernard Caron e Cédric Aria, do Museu Real de Ontário, analisaram um par de espécimes fósseis encontradas no Folhelho Burgess, o que lhes permitiu documentar o plano de corpo distinto do animal. A parte de cima do Ovatiovermis cribratus apresenta pernas longas e esguias equipadas com uma fileira dupla de cerdas. Sua parte de baixo é mais grossa e robusta, assemelhando-se a uma raíz de gengibre. Este animal se alimentava por filtragem, ancorando-se ao fundo do mar com ganchos enquanto vasculhava a água procurando por comida, usando seus membros frontais dentados.

Os ártropodes, dos quais os lobopódios são exemplos extremamente antigos, acabaram se tornando um dos grupos de animais mais bem-sucedidos do planeta, abrangendo aproximadamente 80% de todas as espécies conhecidas. Hoje, os artrópodes estão divididos em vários subgrupos, incluindo cheliceratas (grupo que, por sua vez, inclui escorpiões e aranhas), crustáceos, insetos e miriápodes (como diplópodes e quilópodes). Antes do surgimento desses grupos, os artrópodes antigos incluíam tardígrados, onychophorans (vermes-aveludados) e os extintos lobopódios.

Juntos, esses animais compreendem um grupo conhecido como “panarthropoda”. A descoberta do Ovatiovermis cribratus — com suas pernas macias e seu padrão de alimentação por filtragem — o torna o membro conhecido mais primitivo dos panarthropoda.


Imagem: Danielle Dufault/Jean-Bernard Caron et al., 2017

Esta interpretação, segundo o paleontólogo Dave Marshall, da Universidade de Bristol (que não esteve envolvido no estudo), é significativa, já que demonstra funções de características físicas específicas na base de cada árvore genealógica. “Qualquer espécie subsequente na árvore genealógica que possua esses traços pode, então, tê-los herdado de um ancestral com ecologia similar”, escreve, no BMC Blog Network. “Podemos dizer, portanto, que os panarthropoda evoluíram de um ancestral filtrador.”

Na próxima vez em que você ver uma aranha se rastejando perto de sua banheira, talvez você queira se lembrar disso. Por mais que os aracnídeos modernos pareçam assustadores, seus vovôs da era Cambriana é que eram perturbadores de se ver.



[BMC Evolutionary Biology]

Imagem do topo: Jean-Bernard Caron et al., 2017

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…