Pular para o conteúdo principal

Esta criatura marinha de 500 milhões de anos vai assombrar sua imaginação


Uma criatura parecida com uma minhoca, com 30 membros, vasculhava o fundo do mar durante o início do período Cambriano, de acordo com uma nova pesquisa. Sua aparência bizarra e seu padrão de alimentação são diferentes de qualquer coisa já vista.

Pesquisadores escavando no Folhelho Burgess, na província canadense de Colúmbia Britânica, descobriram restos fossilizados de um lobopódio de 500 milhões de anos. Chamado de Ovatiovermis cribratus, o animal recém-descrito tinha apenas alguns centímetros de altura e se alimentava balançando seu corpo de um lado para o outro para capturar presas pequenas. Dadas sua idade extrema e suas características físicas únicas, cientistas disseram se tratar de um dos exemplos mais antigos nos registros de fósseis de artrópodes — grupo de animais que inclui insetos, aranhas, escorpiões e crustáceos.

Os lobopódios viveram durante o início do período Cambriano e são conhecidos por seus corpos com aspecto de minhoca e pernas curtas. Como outros lobopódios, o Ovatiovermis cribratus tinha algo entre 20 e 30 membros, mas era único no sentido de não ter os ferrões defensivos típicos dessas criaturas.

Os pesquisadores Jean-Bernard Caron e Cédric Aria, do Museu Real de Ontário, analisaram um par de espécimes fósseis encontradas no Folhelho Burgess, o que lhes permitiu documentar o plano de corpo distinto do animal. A parte de cima do Ovatiovermis cribratus apresenta pernas longas e esguias equipadas com uma fileira dupla de cerdas. Sua parte de baixo é mais grossa e robusta, assemelhando-se a uma raíz de gengibre. Este animal se alimentava por filtragem, ancorando-se ao fundo do mar com ganchos enquanto vasculhava a água procurando por comida, usando seus membros frontais dentados.

Os ártropodes, dos quais os lobopódios são exemplos extremamente antigos, acabaram se tornando um dos grupos de animais mais bem-sucedidos do planeta, abrangendo aproximadamente 80% de todas as espécies conhecidas. Hoje, os artrópodes estão divididos em vários subgrupos, incluindo cheliceratas (grupo que, por sua vez, inclui escorpiões e aranhas), crustáceos, insetos e miriápodes (como diplópodes e quilópodes). Antes do surgimento desses grupos, os artrópodes antigos incluíam tardígrados, onychophorans (vermes-aveludados) e os extintos lobopódios.

Juntos, esses animais compreendem um grupo conhecido como “panarthropoda”. A descoberta do Ovatiovermis cribratus — com suas pernas macias e seu padrão de alimentação por filtragem — o torna o membro conhecido mais primitivo dos panarthropoda.


Imagem: Danielle Dufault/Jean-Bernard Caron et al., 2017

Esta interpretação, segundo o paleontólogo Dave Marshall, da Universidade de Bristol (que não esteve envolvido no estudo), é significativa, já que demonstra funções de características físicas específicas na base de cada árvore genealógica. “Qualquer espécie subsequente na árvore genealógica que possua esses traços pode, então, tê-los herdado de um ancestral com ecologia similar”, escreve, no BMC Blog Network. “Podemos dizer, portanto, que os panarthropoda evoluíram de um ancestral filtrador.”

Na próxima vez em que você ver uma aranha se rastejando perto de sua banheira, talvez você queira se lembrar disso. Por mais que os aracnídeos modernos pareçam assustadores, seus vovôs da era Cambriana é que eram perturbadores de se ver.



[BMC Evolutionary Biology]

Imagem do topo: Jean-Bernard Caron et al., 2017

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…