Pular para o conteúdo principal

As mulheres negras esquecidas da NASA invadem o cinema


No começo da década de 1960, os Estados Unidos brigavam com a União Soviética pela hegemonia no espaço. Os soviéticos saíram na frente quando Iuri Gagarin tornou-se o primeiro humano na órbita da Terra, em abril de 1961.

Menos de um ano depois, em fevereiro de 1962, foi a vez do primeiro norte-americano, John Glenn, que deu três voltas na órbita terrestre. O que pouca gente sabe é que o sucesso do programa espacial da NASA deveu-se em grande parte a um grupo de mulheres conhecidas como computadores. Em especial, de um trio de mulheres negras, numa época em que as leis de segregação racial ainda estavam em vigor.

A história dessas figuras anônimas é contada no filme Estrelas além do tempo, de Theodore Melfi, um misto de drama com momentos de humor, que concorre a três Oscar: o de melhor roteiro adaptado, o de melhor atriz coadjuvante (para Octavia Spencer) e o de melhor filme.

Na trama, Katherine G. Johnson (interpretada por Taraji P. Henson) – que tem 98 anos e recebeu a Medalha da Liberdade em 2015, concedida pelo presidente Barack Obama –, Dorothy Vaughan (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe) triunfaram apesar das adversidades, como ter de pedir licença especial para estudar em universidades de brancos e andar meia hora para chegar ao único banheiro para negras da NASA. “Não sabia nada sobre essas mulheres”, disse Spencer em entrevista à GALILEU durante as filmagens, em Atlanta.

O longa-metragem chega em um momento crucial, em que o primeiro presidente negro dos Estados Unidos deixa o cargo e a própria Hollywood discute como ser mais inclusiva. “O que acontece hoje em dia nos mostra que caminhamos um bocado, mas não o suficiente”, afirmou Taraji P. Henson. “Estrelas além do tempo vem em boa hora. E quando você termina de assistir, percebe que realmente não deveria importar a cor da sua pele, sua raça, seu sexo, nada. O que importa é: você consegue dar conta do trabalho?”

Saiba mais sobre o trabalho delas abaixo:


(FOTO: HELENA SBEGHEN)

KathErine Johnson
Os cálculos de Katharine G. Johnson foram fundamentais para colocar John Glenn no espaço – na verdade, o astronauta disse que só entraria na nave se tivesse os números do novíssimo computador instalado na NASA checados por ela. Mais tarde, trabalhou nas missões Apollo (inclusive a que colocou o homem na Lua) e nos ônibus espaciais.




Dorothy Vaughan
Dorothy Vaughan foi a primeira supervisora negra da NASA Langley Research Center e aprendeu praticamente sozinha a programar o então novíssimo computador da IBM, incentivando suas colegas a aprender a mexer nas máquinas e, assim, continuar relevantes mesmo com a nova tecnologia.




Mary Jackson
Mary Jackson precisou pedir autorização num tribunal para frequentar uma escola para brancos, a única que podia lhe dar os créditos necessários para se tornar uma engenheira. Foi a primeira engenheira aeroespacial da NASA, talvez a primeira engenheira dos Estados Unidos.





FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…