Pular para o conteúdo principal

Restos de proteína em fóssil podem ajudar cientistas a descobrir mais sobre os dinossauros



A matéria orgânica se decompõe, e o sedimento toma seu lugar durante o processo de fossilização, transformando ossos em pedra. Tecido macio e proteínas não permanecem. Mas pelo menos no osso da costela de um dinossauro de 195 milhões de anos, uns pedaços antigos de colágeno acharam um jeito de “sobreviver”.

Um time de cientistas chineses, taiwaneses e canadenses usou uma espécie de acelerador de partículas, chamado de síncrotron, para projetar uma amostra de costela do lufengossauro, um “pequeno” dinossauro de 6,09 metros, semelhante ao brontossauro encontrado na China, e acharam colágeno dentro dela. Os cientistas também encontraram hematite, um mineral contendo ferro, possivelmente vindo do sangue do dinossauro, o que provavelmente contribuiu para a preservação dos pedaços de proteínas.

As proteínas são a maneira de se manifestar do DNA, então restos dela podem ajudar os cientistas a conseguir informações sobre a biologia dos dinossauros e sua evolução, algo que os fósseis não conseguem por si só.


Lufengossauro: (Imagem: Debivort/Wikimedia Commons)

“Essa é, de longe, a evidência mais antiga de colágeno encontrada em um fóssil”, contou ao Gizmodo Robert Reisz, paleontólogo da Universidade de Toronto, Mississauga. “O trabalho mais antigo até então estava na região de 65 milhões a 70 milhões de anos. Este tem 195 milhões de anos.”


A costela de lufengossauro em que foram encontradas as proteínas (Imagem: Robert Reisz)

A equipe estudou a seção do osso de costela no Centro de Pesquisa de Radiação Síncrotron, em Taiwan. Lá, ímãs fazem as partículas correr quase 122 metros em volta de um polígono de vários lados, cuspindo partículas de luz, chamadas fótons, em cada curva. Quando os fótons atingem os ossos de dinossauro, os cientistas sabem que tipos de partículas estão dentro deles baseados em como os ossos absorvem a luz.

Este método permitiu aos cientistas estudar o fóssil sem destrui-lo, disse Reisz. Só precisaram fazer um corte para expor os canais vasculares, regiões dentro do osso que teriam carregado veias e sangue.


Zoom do canal vascular com partículas escuras de hematite (Imagem: Robert Reisz)

Os resultados, publicados nesta terça-feira no periódico Nature Communications, revelou os tipos de traços de proteína que indicam fragmentos de colágeno degradado, o que provavelmente compunha as paredes das veias, e hematite contendo ferro, que possivelmente veio da hemoglobina, proteína que transporta o oxigênio no sangue. “Isso é que é legal”, afirmou Reisz. “Há uma associação entre essas proteínas e as partículas de hematite”, o que significa que a hematite pode ter ajudado na preservação das proteínas.

Perguntamos como a equipe podia ter tanta certeza de que as proteínas não eram de alguma fonte externa, e Reisz nos assegurou de que eles usaram um protocolo increvelmente rigoroso para prevenir contaminação. Tão rigoroso, aliás, que inicialmente estavam limpando e eliminando as proteínas de dinossauro da amostra e só fizeram a descoberta após trocar o agente de limpeza de água para álcool.

Outros cientistas ficaram empolgados com o resultado, mas hesitam em cravar a descoberta. “É uma notícia fantástica e mostra mais evidências de preservação de proteínas em espécimes de fóssil de milhões de anos, reforçando nossas afirmações anteriores”, disse John M. Asara, professor assistente da faculdade de medicina da Universidade de Harvard. “É difícil provar a origem dessas ligações de proteína neste fóssil de 195 milhões de anos sem proteínas ou sequenciamento de dados genéticos para sustentar sua origem.”

Para Reisz, a melhor parte do projeto foi sua internacionalidade. “É muito legal conseguir essa colaboração em vários continentes”, afirmou.

[Nature Communications]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…