Pular para o conteúdo principal

O instrumento musical que identifica remédios adulterados


(studiocasper; BEingNothing/Montagem sobre reprodução)

Remédios adulterados com uma substância chamada dietilenoglicol já mataram mais de 700 pessoas. Mas um antigo instrumento africano pode virar o jogo.

Por Bruno Vaiano

A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que 10% dos remédios disponíveis em países subdesenvolvidos sejam adulterados. Uma dos golpes mais comuns é substituir o glicerol, que vai na fórmula de vários xaropes, pelo dietilenoglicol – que é tóxico e foi responsável por 13 casos de envenenamento coletivo entre 1937 e 2008 (somados, eles mataram 753 pessoas).

Identificar esse tipo de adulteração exige pessoas formadas em Farmácia e laboratórios com equipamento especializado – duas coisas que são raras lugares mais pobres, justamente os que mais sofrem com o problema. Em busca de uma solução mais acessível e democrática para o problema, o pesquisador William Grover, da Universidade da Califórnia, chegou a uma solução inusitada – nada menos que um instrumento musical, de origem africana, chamado mbira.

O que ele tem a ver com a história? Bem, é o seguinte: o mbira faz parte de uma família de instrumentos de percussão que produz notas quando o músico bate em tiras de madeira ou metal (alguns outros membros mais famosos são a marimba, o xilofone e o vibrafone).

Cada tira tem as dimensões e a massa exatas para que, ao vibrar, produza uma determinada nota – e só essa nota. Qualquer modificação na peça, por menor que seja, desafina o som.

Grover e sua equipe criaram um mbira em que as tiras de metal não são tiras, e sim pequenos tubos. No interior de um dos tubos, eles colocaram um pouquinho de xarope de verdade, com glicerol. E aí eles tocaram o tubo para ver qual nota ele produzia.

Registrada essa nota – que é a correta –, eles encheram o mesmo tubo com uma porção de xarope adulterado. Tocaram e mediram a frequência da onda sonora que era produzida – o que nada mais é do que a versão da física daquilo que os músicos chamam de “nota”.

Depois, as frequências notas foram comparadas. Eles descobriram que, por causa das diferenças na densidade do glicerol e do dietilenoglicol, as notas produzidas tinham uma diferença de 10 Hz. Isso é muito pouco para um ouvido humano não-treinado discernir (por isso era tão importante medir a frequência). Mas também não é necessário um superequipamento: basta um afinador de smartphone, que capta a diferença com facilidade.

Um celular e um tubo de metal certamente são mais acessíveis que um laboratório. A esperança, agora, é aperfeiçoar a precisão do método e padronizar a construção do mbira para torná-lo viável comercialmente – e distribuí-lo em lugares em que ele pode fazer a diferença.

FONTE: REVISTA SUPER INTERESSANTE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…