Pular para o conteúdo principal

Como vai ser a missão da NASA de colidir uma espaçonave contra um asteroide



Por: Ryan F. Mandelbaum

Uma missão para desviar asteroides que possam ameaçar a Terra começou sua fase de design e montagem finais, de acordo com um comunicado de imprensa. A NASA está testando uma técnica feita para proteger o planeta de um impacto iminente de asteroide, e ela é bem simples: eles vão chocar uma espaçonave contra a rocha.

A nave Double Asteroid Redirection Test (DART) seguirá até um sistema de dois asteroides, consistindo em um Didymos de 800 metros de diâmetro e no corpo de 160 metros que o orbita. A espaçonave vai colidir com o asteroide menor, chamado de “Didymoon”, a 21.436 km/h, na tentativa de desviá-lo.


Concepção artística da espaçonave indo em direção ao menor dos dois corpos que compõem o sistema Dydimos. Crédito: NASA/Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory

“Isso é legal por uma série de razões. É a primeira missão de defesa planetária da NASA”, disse Nancy Chabot, cientista de projeto da missão DART no Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, em entrevista ao Gizmodo. “Não é a solução final, de jeito algum, mas é o primeiro passo para como vamos lidar com potenciais perigos de asteroides e como minimizaríamos isso.”

Isso pode soar alarmista, mas já escrevemos muito sobre a ameaça real representada por asteroides. Mesmo uma rocha de 20 metros de diâmetro, como a que explodiu no céu de Chelyabinsk em 2013, poderia danificar uma cidade e machucar centenas de pessoas. Talvez, se os cientistas detectarem um asteroide ameaçador a tempo, uma missão como a DART poderia mudar o curso do asteroide de forma que ele evite a Terra.

O DART será lançado em algum momento entre dezembro de 2020 e maio de 2021. Ele vai contar com o NASA Evolutionary Xenon Thruster – Commercial (NEXT-C), um propulsor elétrico solar leve, para sair da órbita da Terra em direção ao Didymos. A nave chegará ao sistema em outubro de 2022. Câmeras e softwares de navegação vão direcionar a espaçonave até o asteroide menor. A colisão, com sorte, deverá mudar a velocidade do asteroide levemente, mas o suficiente para que os cientistas detectem a mudança com telescópios posicionados na Terra.

Mas não se preocupe com o Didymoon mudando de curso e atingindo a Terra ou algo assim. Atualmente, ele orbita o Didymos uma vez a cada 12 horas. Os cientistas do DART esperam que sua missão, se bem-sucedida, diminua esse tempo orbital em oito minutos.

Isso é apenas um teste para determinar se um método desses funcionaria. No entanto, governos não podem simplesmente enviar uma missão como essa sempre que acharem que um asteroide é uma ameaça. Quem quiser desviar um asteroide ainda precisará de dados sobre ele, como do que ele é composto. Isso exige melhores observações e simulações de asteroides, algo que falta ao governo dos EUA no momento, por exemplo.

Escrevemos diversas vezes sobre como os Estados Unidos não estão prontos para um impacto de asteroide de grande porte. Embora designado para catalogar 90% dos asteroides com mais de 140 metros de diâmetro, os pesquisadores estão talvez apenas a um terço do caminho — e poderia haver problemas com dados atuais. Precisamos de melhores estratégias de observação. O DART não terá utilidade contra um asteroide enorme que apareça do nada, porque não estaríamos o observando. Mas a missão experimental, ainda assim, pode ajudar a determinar se a estratégia de desvio de asteroide é sequer factível.

“Não dá para simplesmente fazer um pequeno desvio e mudar se você não tiver o aviso de tempo. O (DART) é apenas um aspecto da estratégia”, disse Chabot. “Identificar o que está por aí, rastrear e caracterizar é igualmente importante.”

No mínimo, colidir uma espaçonave contra um asteroide aparece o tipo de ciência patriótica que os Estados Unidos tanto deseja. Vamos esperar que ao menos tenhamos um vídeo disso.

[JHUAPL via Universe Today]

Imagem do topo: NASA

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…