Pular para o conteúdo principal

Como vai ser a missão da NASA de colidir uma espaçonave contra um asteroide



Por: Ryan F. Mandelbaum

Uma missão para desviar asteroides que possam ameaçar a Terra começou sua fase de design e montagem finais, de acordo com um comunicado de imprensa. A NASA está testando uma técnica feita para proteger o planeta de um impacto iminente de asteroide, e ela é bem simples: eles vão chocar uma espaçonave contra a rocha.

A nave Double Asteroid Redirection Test (DART) seguirá até um sistema de dois asteroides, consistindo em um Didymos de 800 metros de diâmetro e no corpo de 160 metros que o orbita. A espaçonave vai colidir com o asteroide menor, chamado de “Didymoon”, a 21.436 km/h, na tentativa de desviá-lo.


Concepção artística da espaçonave indo em direção ao menor dos dois corpos que compõem o sistema Dydimos. Crédito: NASA/Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory

“Isso é legal por uma série de razões. É a primeira missão de defesa planetária da NASA”, disse Nancy Chabot, cientista de projeto da missão DART no Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, em entrevista ao Gizmodo. “Não é a solução final, de jeito algum, mas é o primeiro passo para como vamos lidar com potenciais perigos de asteroides e como minimizaríamos isso.”

Isso pode soar alarmista, mas já escrevemos muito sobre a ameaça real representada por asteroides. Mesmo uma rocha de 20 metros de diâmetro, como a que explodiu no céu de Chelyabinsk em 2013, poderia danificar uma cidade e machucar centenas de pessoas. Talvez, se os cientistas detectarem um asteroide ameaçador a tempo, uma missão como a DART poderia mudar o curso do asteroide de forma que ele evite a Terra.

O DART será lançado em algum momento entre dezembro de 2020 e maio de 2021. Ele vai contar com o NASA Evolutionary Xenon Thruster – Commercial (NEXT-C), um propulsor elétrico solar leve, para sair da órbita da Terra em direção ao Didymos. A nave chegará ao sistema em outubro de 2022. Câmeras e softwares de navegação vão direcionar a espaçonave até o asteroide menor. A colisão, com sorte, deverá mudar a velocidade do asteroide levemente, mas o suficiente para que os cientistas detectem a mudança com telescópios posicionados na Terra.

Mas não se preocupe com o Didymoon mudando de curso e atingindo a Terra ou algo assim. Atualmente, ele orbita o Didymos uma vez a cada 12 horas. Os cientistas do DART esperam que sua missão, se bem-sucedida, diminua esse tempo orbital em oito minutos.

Isso é apenas um teste para determinar se um método desses funcionaria. No entanto, governos não podem simplesmente enviar uma missão como essa sempre que acharem que um asteroide é uma ameaça. Quem quiser desviar um asteroide ainda precisará de dados sobre ele, como do que ele é composto. Isso exige melhores observações e simulações de asteroides, algo que falta ao governo dos EUA no momento, por exemplo.

Escrevemos diversas vezes sobre como os Estados Unidos não estão prontos para um impacto de asteroide de grande porte. Embora designado para catalogar 90% dos asteroides com mais de 140 metros de diâmetro, os pesquisadores estão talvez apenas a um terço do caminho — e poderia haver problemas com dados atuais. Precisamos de melhores estratégias de observação. O DART não terá utilidade contra um asteroide enorme que apareça do nada, porque não estaríamos o observando. Mas a missão experimental, ainda assim, pode ajudar a determinar se a estratégia de desvio de asteroide é sequer factível.

“Não dá para simplesmente fazer um pequeno desvio e mudar se você não tiver o aviso de tempo. O (DART) é apenas um aspecto da estratégia”, disse Chabot. “Identificar o que está por aí, rastrear e caracterizar é igualmente importante.”

No mínimo, colidir uma espaçonave contra um asteroide aparece o tipo de ciência patriótica que os Estados Unidos tanto deseja. Vamos esperar que ao menos tenhamos um vídeo disso.

[JHUAPL via Universe Today]

Imagem do topo: NASA

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…