Pular para o conteúdo principal

Espaçonave Hayabusa2 chega ainda mais perto do Ryugu e captura imagem detalhada do asteroide



Por: George Dvorsky

A espaçonave japonesa Hayabusa2 chegou tentadoramente perto do asteroide Ryugu nesta terça-feira (7), oferecendo uma visão sem precedentes de sua superfície coberta de pedregulhos.

Duas semanas atrás, a Hayabusa2 chegou a seis quilômetros de distância do Ryugu, mas a descida desta terça, a terceira da missão, viu a espaçonave chegar a 851 metros do asteroide, o encontro mais próximo já feito até hoje. Os planejadores da missão estão se preparando para um procedimento que fará a Hayabusa2 coletar amostras de rocha e poeira da superfície do Ryugu. A descida desta terça foi feita para medir o fraco puxão gravitacional exercido pelo asteroide de um quilômetro de largura.


Superfície do Ryugu vista de uma altitude de 1.250 metros. Imagem: JAXA, Universidade de Tóquio, Universidade de Kochi, Universidade de Rikkyo, Universidade de Nagoya, Instituto Chiba de Tecnologia, Universidade de Meiji, Universidade de Aizu, AIST

Durante a descida, a Hayabusa2 tirou fotos com sua câmera de navegação ótica de telefoto (ONC-T, na sigla em inglês) e sua câmera de navegação ótica grande angular (ONC-W, na sigla em inglês). A barra de escala de dez metros na parte inferior das fotos fornece a perspectiva necessária. O que parecem algumas pedras espalhadas pela superfície são, na verdade, grandes pedregulhos.


Visão de câmera com ângulo grande angular mostrando o asteroide inteiro. O quadrado em vermelho corresponde à fotografia tirada a uma altitude de mil metros. Imagem: JAXA, Universidade de Tóquio, Universidade de Kochi, Universidade de Rikkyo, Universidade de Nagoya, Instituto Chiba de Tecnologia, Universidade de Meiji, Universidade de Aizu, AIST

Durante a operação de medição de gravidade, os cientistas da JAXA (Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial) monitoraram cuidadosamente o movimento da espaçonave à medida que ela fazia sua queda livre e sua subida, observando a força da gravidade do asteroide na sonda. A JAXA ainda precisa decidir de onde quer que a sonda extraia suas amostras de superfície e onde vai implantar as pequenas sondas de superfície adicionais. Isso deve acontecer em alguns meses, com a sonda voltando à Terra com suas amostras no final de 2020. Porém, como mostram essas novas fotos, a superfície do Ryugu é complexa e traiçoeira. Escolher um local de aterrissagem ideal não será fácil.

Ao estudar os fragmentos que compõem Ryugu, os cientistas esperam fazer descobertas importantes sobre a composição do antigo Sistema Solar e as condições que deram origem à vida na Terra. Os asteroides são objetos antigos e muitas vezes possuem traços de água ou de materiais orgânicos (ou ricos em carbono).

[JAXA Hayabusa 2 Project]

Imagem do topo: JAXA, Universidade de Tóquio, Universidade de Kochi, Universidade de Rikkyo, Universidade de Nagoya, Instituto Chiba de Tecnologia, Universidade de Meiji, Universidade de Aizu, AIST

FONTE: GIZMODO BRASIL

http://ufos-wilson.blogspot.com/2018/07/sonda-japonesa-hayabusa2-tira-foto.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…