Pular para o conteúdo principal

Sonda japonesa Hayabusa2 tira foto incrível do asteroide Ryugu de perto



Por: Ryan F. Mandelbaum

A sonda japonesa Hayabusa2 fez algumas de suas abordagens mais próximas do asteroide Ryugu até agora, trazendo imagens de tirar o fôlego. Abaixo, você pode ver uma imagem do asteroide a apenas seis quilômetros de distância. Um pixel na imagem tem cerca de 60 centímetros.

Eis a imagem completa:


Imagem: JAXA, Universidade de Tokyo, Universidade de Kochi, Universidade de Rikkyo, Universidade de Nagoya, Instituto Chiba de Tecnologia, Universidade de Meiji, Universidade de Aizu, AIST

Em algum momento, a Hayabusa2 tentará coletar amostrar da superfície do asteroide, e isso não é uma tarefa fácil. Os asteroides possuem campos gravitacionais complexos e fracos, assim como superfícies poeirentas e rochosas. Tudo isso faz o pouso tranquilo ser um desafio formidável. Na imagem, você pode ver uma grande cratera em direção ao centro da imagem e muitas pedras grandes.

A Hayabusa2 começou a orbitar o Ryugu a cerca de 20 quilômetros acima de sua superfície, e os cientistas acabaram por transferi-la para sua localização atual na semana passada. Seis quilômetros é uma distância muito, muito pequena. Tentemos visualizar: quando você está em um avião na altitude de cruzeiro, está a cerca de 10,7 quilômetros do solo. Quando fui ao México para filmar este vídeo, a montanha nesta foto estava a cerca de seis quilômetros de distância:


Pico de Orizaba, a montanha mais alta do México. Foto: Ryan F. Mandelbaum

Então, basta substituir a montanha nessa imagem pelo asteroide, e você terá uma ideia do quão perto a Hayabusa2 realmente está do Ryugu:



De qualquer forma, os cientistas por trás da Hayabusa2 ainda estão estudando onde pousá-la de forma a capturar uma amostra do Ryugu que a sonda possa, então, levar de volta para a erra. Mas eles estão sendo cautelosos — provavelmente levará vários meses antes que seja tentado algum pouso.

[via JAXA]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …