Pular para o conteúdo principal

A famosa pintura “O Grito” pode ter sido inspirada em um tipo raro de nuvens


Por: Giovanni Santa Rosa

Um dos quadros mais famosos do mundo pode ser uma representação de um raro fenômeno atmosférico. Um novo trabalho propõe que O Grito, do pintor norueguês Edvard Munch, foi baseado na observação das chamadas nuvens polares estratosféricas, também conhecidas como nuvens nacaradas ou de madrepérola.

O estudo, realizado por uma equipe internacional de cientistas, foi publicado nesta semana no Bulletin of the American Meteorological Society. Eles se juntaram para tentar identificar qual fenômeno natural poderia ter inspirado Munch. A resposta mais provável é que o céu colorido do quadro foi inspirado em nuvens nacaradas.


Representação as nuvens madrepérola. Imagem: François Guerraz/Wikimedia Commons

Essas nuvens ocorrem em altas latitudes e são feitas de gelo ou ácido nítrico. Conforme a luz do nascer ou do pôr do sol incide sobre elas, o resultado é um céu com cores suaves e radiantes. A explicação faz sentido, se levarmos em consideração que o quadro foi pintado por Munch no sul da Noruega.

Outra possibilidade é que a obra tenha influência do que foi visto no céu após a erupção do Krakatoa de 1883 — dez anos antes da pintura, portanto. O fenômeno liberou aerossóis na atmosfera por todo o mundo, causando efeitos semelhantes aos vistos na pintura.

Ao site Earther, Alan Robock, professor do Departamento de Ciências Ambientais da Universidade Rutgers e um dos autores do estudo, disse que não dá para descartar completamente nenhuma das duas possibilidades, ou ainda de o quadro unir elementos das duas coisas. “Ele provavelmente viu alguma coisa, mas não teremos certeza do que era. A pintura é a mensagem dele para nós sobre o que ele sentiu ao ver aquilo.”

Imagem do topo: Nick Romanenko/Rutgers University

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …