Pular para o conteúdo principal

Ouça o Telemetron, um instrumento musical que só toca no espaço


Seus ouvidos estão preparados para as composições musicais de sinos giroscópicos na microgravidade?

PorBecky FerreiraTraduzido porAmanda Guizzo Zampieri

Os astronautas amam uma boa jam session orbital. A tripulação da Gemini 6 tocou “Jingle Bells” no espaço em uma gaita de boca, em 1965, por exemplo, e os os teclados já invadiram a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Sem mencionar a inesquecível performance flutuante do astronauta Chris Hadfield interpretando “Space Oddity” do Bowie em 2015.

Essa rica tradição musical fora do planeta será ainda mais amplificada com a ajuda do “Telemetron”, um instrumento musical futurístico novo desenvolvido por Nicole L'Huillier e Sands Fish, do laboratório de Mídia do MIT.

Diferentemente de violões, sintetizadores, flautas e outros instrumentos que já foram para o espaço, o Telemetron foi especificamente desenvolvido para um ambiente de microgravidade. Em vez de dedilhar cordas ou soprar nas palhetas, os astronautas só precisam deixar o Telemetron rodando em pleno espaço.



“Sinos” giroscópicos suspensos dentro da câmara dodecaédrica do Telemetron transmitem a telemetria. Esses dados são traduzidos para notas musicais, que são apropriadamente espaciais, com um timbre semelhante à aparência de canções subaquáticas. O instrumento pode ser ativamente sacudido, a fim de realizar composições mais altas, com tempos maiores, ou pode ser deixado passivamente em um riff, como se flutuasse e quicasse em superfícies.

A ideia, de acordo com L’Huillier e Fish, é “expandir a expressão além dos limites dos instrumentos e músicos presentes na Terra” e “explorar o modo como o design e a criatividade podem evoluir conforme avançamos, além de simplesmente sobreviver no espaço”.

O Telemetron ainda não foi levado ao espaço, mas L’Huillier e Fish realizaram testes bem-sucedidos em voos parabólicos em gravidade zero, e Fish falou sobre o projeto na conferência Novas Interfaces de Expressão Musical (NIME, na sigla em inglês) no último 6 de junho.

Mesmo que o instrumento nunca saia de nosso planeta, ele cria possibilidades de que as futuras culturas de exploração espacial possam desenvolver suas próprias formas de expressão artística nos contextos de microgravidade nas quais elas vão habitar.



FONTE: www.vice.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …