Pular para o conteúdo principal

Brasil verá o mais longo eclipse lunar do século



Por Josélia Pegorim

O ano de 2018 tem vários eventos astronômicos especiais e um deles é o segundo eclipse total da Lua que ocorre na noite da sexta-feira, 27 de julho. Já tivemos um eclipse total lunar com a lua cheia do dia 31 de janeiro.

Mas o eclipse lunar total do fim de julho está sendo muito aguardado pelos astrônomos porque será o mais longo eclipse do século 21! A duração total será de 103 minutos e será visível em muitas áreas do planeta, inclusive em grande parte do Brasil. Atenção! O eclipse lunar poderá ser apreciado ao anoitecer de 27 de julho de 2018, quando a Lua cheia estiver surgindo no horizonte, se as nuvens deixarem...

O segundo eclipse lunar total de 2018 será visível, total ou parcialmente em na Austrália, Ásia, África, Europa e América do Sul. Quem estiver nos Estados Unidos, no Canadá, Groenlândia, México e a maioria das áreas da América Central não verá nenhuma fase deste eclipse.


Esquema de visibilidade do Eclipse lunar total de 27-28/07/2018

O que vamos ver?
A Lua cheia vai perder seu brilho natural quando passar pela sombra feita pelo planeta Terra. No eclipse lunar, a Terra fica entre o Sol e a Lua.


Esquema do eclipse lunar

O eclipse lunar total ocorre no período em que a Lua fica imersa na umbra, que é a região de sombra feita pela Terra.

Nas zonas de penumbra, temos o eclipse penumbral, quando a Lua cheia fica com um aspecto opaco. Neste tipo de eclipse, a lua cheia perde um pouco do seu intenso brilho, como se alguém colocasse um filtro na frente do disco lunar, uma espécie de insulfilm. O filtro na verdade é a penumbra provocada pela Terra. A passagem da Lua cheia pela penumbra da Terra é chamada eclipse lunar penumbral.

Quando a Lua cheia fica no limite entre a penumbra e a umbra, um pequeno pedaço da Lua cheia fica escurecido, como se alguém tivesse tirado um pedaço da lua, como se fosse uma mordida de maçã.


Eclipse penumbral de 24/abril/2015

Quem vai ver?

Todo o Brasil poderá ver este eclipse lunar total lunar de 27/28 de julho de 2018, mas não em sua totalidade, com todas as suas fases. Quanto mais próximo do litoral leste do país (costa leste do Nordeste, áreas próximas ao litoral do Sudeste e do Sul, maior será o tempo de visualização do fenômeno.

Entre as capitais, se não houver problema com nebulosidade, o maior tempo de visualização será em Recife, onde o evento terá duração total de 3h14min, com início às 17h15min, em Natal, onde o eclipse começa às 17h19 e terá duração de 3h09min, e em João Pessoa, onde o eclipse total lunar poderá ser visto por 3h12min, a partir de 17h16min.

Em São Paulo, o eclipse total lunar de 27 de julho de 2018 terá duração total de 1h49min, começando às 17h41min.

Em Porto Alegre, o eclipse total lunar começa às 17h42min e terá duração de 2h42min.

Em Brasília, o eclipse total lunar terá início às 17h57min e ocorre durante 3h31min.

Em Manaus, o evento terá duração total de 1h23min e começará às 18h05 de 27/77/18.

Condição do tempo

O ar seco que predomina sobre o Brasil dificulta a formação de nebulosidade. No fim da tarde e na noite de 27 de julho de 2018, a maioria das áreas do país terá pouca nebulosidade, o que vai favorecer a apreciação de todo o eclipse total lunar. Porém, o excesso de nebulosidade poderá atrapalhar a apreciação do eclipse total lunar no nordeste do Rio Grande do Sul, no centro-sul e leste de Santa Catarina e no leste do Paraná, incluindo as capitais Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba. A região entre Natal, João Pessoa e Recife também poderá ter problemas com muitas nuvens e até chuva durante o eclipse. No Norte, há risco de muita nebulosidade e chuva no norte do Pará, norte do Amazonas, Amapá e Roraima, incluindo as capitais.

Não precisa de equipamento

Você não vai precisar de nenhum equipamento especial para ver o eclipse lunar total, apenas dos seus olhos e de um tanto de paciência. Eclipses lunares podem ser observados a olho nu, mas se você tiver um binóculo, de preferência um especial para a observação astronômica, ou uma câmera fotográfica digital terá uma visão privilegiada.

Porém, o excesso de nebulosidade poderá prejudicar a visualização do eclipse total lunar no anoitecer e 27/7/18 no nordeste do Rio Grande do Sul, incluindo Porto Alegre, no centro-sul e leste de Santa Catarina e no leste do Paraná, incluindo as capitais Curitiba e Florianópolis.

A visualização do eclipse total lunar também poderá ser prejudicada por muitas nuvens na faixa litorânea do leste do Rio Grande do Norte ao leste de Pernambuco. Assim, as nuvens poderão atrapalhar a apreciação do evento em Recife, Natal e em João Pessoa, justamente as três capitais que tecnicamente terão o maior tempo de visualização.

Importante

No período do eclipse penumbral, mesmo que o céu esteja sem nuvens, se você estiver num centro urbano, onde há muita luz artificial que produz o que os astrônomos chamam de "poluição luminosa", a visualização do eclipse não será boa quanto num lugar escuro, com pouca luz artificial . Mas se você for, por exemplo, para uma estrada onde já não tenha mais os postes de iluminação pública, já estará num local suficientemente escuro para ter uma visão mais nítida do eclipse. Então, a dica é: saia da cidade, vá para o campo, em lugares escuros.

Eclipse melhora a visualização de Marte

Quando ocorre um eclipse total lunar, a noite fica mais escura, o que possibilita a melhor visualização de outros astros. Durante o eclipse dos dias 27 e 28 de julho, Marte estará muito próximo da Lua eclipsada e será possível ver melhor o planeta vermelho. Dá para ver a olho nu!

Veja o eclipse ao vivo através do site https://www.timeanddate.com/

FONTE: www.climatempo.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …