Pular para o conteúdo principal

Cientistas descobrem técnicas agrícolas milenares no entorno do 'Stonehenge da Amazônia', no Amapá


Estrutura mais famosa na região foi construída por índios em Calçoene (Foto: Mariana Cabral/Iepa)

Pesquisadores apontam que povos da região desenvolveram desde o ano 900 produções elevadas do solo para evitar perdas com o período chuvoso. Monumento servia de guia para épocas de plantio.

Por John Pacheco, G1 AP, Macapá

A descoberta recente de sistemas de produção agrícola bastante avançados reabrem as pesquisas sobre os povos que viveram há mais de 1 mil anos no Norte do Amapá. Os indígenas elaboraram uma técnica de plantações elevadas que garantia o plantio de grãos e raízes mesmo em áreas alagadas em função do longo período chuvoso na região, que compreende atualmente ao território dos municípios de Calçoene, Amapá, Pracuúba e Oiapoque.

Os estudos foram feitos pelo Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa), em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Os povos que elaboraram o sistema de plantio construíram vários monumentos na área para orientação pelo sol e pela lua, entre eles o conjunto de grandes rochas chamado de "Stonehenge da Amazônia".


Área no entorno do monumento de pedra que no passado foi usado para agricultura (Foto: Iepa/Divulgação)

Para o doutor em arqueologia João Saldanha, do Iepa, existe uma relação direta entre o monumento e a produção agrícola dos povos, que teria durado dos anos 900 depois de Cristo até os primeiros contatos com os europeus, a partir de 1.500.

A complexidade da técnica, para o plantio de milho, mandioca, inhame e batata doce, destacam a importância do povo para continente.

"O Amapá era mais populoso nessa época pré-colonial do que atualmente. Tem outras coisas que levantamos que o Amapá era uma grande capital na América do Sul. Elementos nos ajudam a levantar que o estado era um lugar de extrema importância para o continente. Enquanto no Sul e Sudeste, os povos eram menores e tinham uma agricultura mais simples, no Norte desenvolviam técnicas avançadas e erguiam monumentos", explicou Saldanha.


João Saldanha, pesquisador do Iepa (Foto: Mariana Cabral/Iepa)

A técnica de produção agrícola era feita pelos indígenas que usavam artefatos de madeira para erguer montes de terra circulares sobre as áreas que anualmente sofriam com os alagamentos.

A produção em larga escala seria para movimentar a economia, fortalecer a ideia de sociedade e nutrir uma população que chegava a 1 milhão de pessoas na região, dizem os pesquisadores.

"No Brasil é a primeira vez que mapeamos esse tipo de sistema agrícola. Encontramos esse tipo de técnica parecida no Suriname e na Bolívia. Era a alternativa mais avançada para o uso da terra daquela região para plantio. Inclusive hoje em dia pode ser praticado para produzir mais alimentos para a população amapaense", destacou o arqueólogo.


Stonehenge em Calçoene (em cima) e o 'original' inglês (em baixo) (Foto: Mariana Cabral/Iepa; Tahiane Stochero/G1)

'Stonehenge da Amazônia'

Apesar do nome, pesquisadores não gostam de se referir ao monumento de Calçoene como referência da famosa estrutura megalítica localizada no Reino Unido. "Porque dá a impressão de que é uma imitação, sendo que é uma criação autêntica do povo da Amazônia", diz Saldanha.

As estruturas de pedra em Calçoene estão dentro de uma área de 120 hectares que abrange um megálito maior em formato circular com outros cinco menores ao redor. A construção do espaço ainda é inconclusiva para a maioria dos estudos feitos na região.

A área foi descoberta pelos pesquisadores em 2005. À época, o monumento chamou a atenção e fez o governo do Amapá comprar os hectares para serem objeto de estudo de arqueólogos a fim de tornar a região uma atração turística.

Durante os anos de estudos, arqueólogos descobriram que a área tem urnas funerárias enterradas com restos mortais de índios. As características das esculturas feitas em cerâmica indicaram que a região foi habitada pelo povo Arawak, que tem como descendentes os indígenas da etnia Palikur, que atualmente ocupam a fronteira entre o Amapá e a Guiana Francesa.

FONTE: G1.COM

http://ufos-wilson.blogspot.com/2018/07/cientistas-descobrem-indicios-de-que.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…