Pular para o conteúdo principal

Startup japonesa planeja criar estrelas cadentes artificiais até 2020



Por: Leo Escudeiro

Algumas criações têm propósitos sobretudo estéticos, e não existe mal algum nisso. É o caso de um projeto da companhia japonesa ALE (Astro Live Experiences), que quer criar estrelas cadentes artificiais para espetáculos visuais que poderiam ser vistos por milhões de pessoas.

Segundo o Japan Times, a startup afirma que sua ideia de estrelas cadentes artificiais estará pronta em 2020. A ideia consiste de dois microssatélites (já em fase final de desenvolvimento) carregando bolinhas que brilham ao entrar na atmosfera, simulando uma chuva de meteoros. O primeiro microssatélite deverá pegar carona em um foguete da JAXA (agência espacial japonesa), que será lançado em março de 2019 ao espaço. O segundo será lançado na metade do ano que vem em um foguete privado.

Cada microssatélite terá a capacidade de carregar 400 dessas bolinhas, que contam com uma fórmula química (não revelada) para brilhar ao entrar na atmosfera. A ALE estaria também considerando a possibilidade de usar satélites que já se encontram no espaço, mas não estão mais sendo operados, para criar estrelas cadentes gigantes.

De acordo com o Japan Times, as 400 bolinhas de cada satélite seriam suficientes para 20 a 30 eventos de chuvas de meteoros artificiais, e os satélites deverão ficar no espaço por cerca de dois anos.

O site da empreitada descreve o processo da seguinte maneira: primeiro, o satélite é lançado, contendo as partículas que depois vão se tornar estrelas cadentes. Quando o satélite se estabelece na órbita da Terra, as partículas são lançadas e viajam cerca de um terço do trajeto em torno da Terra antes de queimar como uma estrela cadente, ao entrar na atmosfera.



A ALE afirma que a ideia é fazer o espetáculo de estrelas cadentes artificiais sob demanda, em qualquer local da Terra. Segundo o site oficial da empresa, as partículas de estrelas cadentes queimam completamente a cerca de 60 a 80 km de altura, fazendo com que sejam visíveis em uma área de cerca de 200 km de diâmetro na Terra.

As estrelas deverão brilhar por vários segundos antes de se queimar completamente, distantes o bastante para que não representem nenhum perigo. O brilho, supostamente, é intenso o bastante para que seja visto mesmo no céu de uma cidade com poluição luminosa como Tóquio.

O primeiro espetáculo do tipo, no entanto, tem outro local para acontecer: Hiroshima, entre março e maio de 2020. Um pouco antes, já em fevereiro, os dois microssatélites deverão estar orbitando a Terra.

Além do entretenimento, o objetivo da ALE é contribuir para o desenvolvimento científico. Eles esperam que, ao estudar o caminho de estrelas cadentes artificiais cujos ângulo de incidência, velocidade e materiais são conhecidos, será possível entender melhor a mecânica de estrelas cadentes e meteoritos naturais.

“A atmosfera superior em que nossas partículas de estrelas cadentes vão queimar tem poucos meios de observação atualmente e segue como uma das porções menos compreendidas da atmosfera. Estudando o caminho e a mecânica das nossas partículas de estrelas cadentes passando por essa porção da atmosfera, esperamos contribuir para o entendimento científico deste campo”, escreveu a empresa em seu site.

Por fim, os dados coletados pelo projeto deverão ser úteis para prever o trajeto de satélites e objetos artificiais ao reentrarem na atmosfera da Terra, tendo potenciais aplicações no processo de eliminação de detritos espaciais com segurança.

[Japan Times]

Imagem do topo: ALE/Reprodução

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…