Pular para o conteúdo principal

Descobriram uma nova espécie de dinossauro apelidada de “incrível dragão” na China



Por: Jessica Boddy

Os gigantes e pescoçudos saurópodes são um grupo icônico de dinossauros — e parece que os cientistas acabaram de descobrir um novo deles. Paleontólogos conseguiram definir a nova espécie, conhecida como Lingwulong shenqi, usando de sete a dez esqueletos parciais de quatro locais de escavação diferentes na China.

O Lingwulong pertencia à família dos diplodocídeos, escrevem os pesquisadores em seu artigo, publicado nesta terça-feira (24), na Nature Communications. Especificamente, parece se tratar de um dicraeossauro, um pequeno clado de dinossauros saurópodes com pescoço levemente menor e uma série de espinhos pontiagudos saindo de suas vértebras.

Os novos fósseis datam de 174 milhões de anos atrás, o que faz do Lingwulong o neossaurópode mais antigo de que se tem notícia. Os neossaurópodes foram um grande grupo de dinossauros que inclui o titanossauro, o diplodoco, o braquiossauro, entre outros. A existência de um neossaurópode como o Lingwulong bem antes de a Pangeia se dividir completamente desafia teorias atuais de quando e como muitas espécies de dinossauros evoluíram.

Pesquisas anteriores mostraram que os neossaurópodes prosperaram entre 163 milhões e 145 milhões de anos atrás, no período Jurássico Superior. Mas os fósseis do Lingwulong datam de 174 milhões de anos atrás, sugerindo que os neossaurópodes estavam vagando pela Pangeia muito antes, no Jurássico Médio.

“A descoberta do Lingwulong empurra para trás os momentos de origem de muitos dos grupos de dinossauros saurópodes que pensamos como os mais icônicos e desafia muitas ideias convencionais sobre a história biogeográfica antiga dos dinossauros”, disse Philip Mannion, um dos autores do estudo e paleontólogo da Imperial College London, em entrevista ao Gizmodo.


Foto: Xu Xing

John Whitlock, um paleontólogo da Mount Aloysius College que não esteve envolvido com o novo trabalho, disse estar cético de que o Lingwulong seja realmente um diplodocídeo. Ele disse ao Gizmodo que é possível que o dinossauro esteja mais relacionado aos saurópodes do Jurássico Médio da China, chamados de Mamenchisaurus ou Omeisaurus, graças às semelhanças em seus crânios e vértebras. Ele ainda é possivelmente um diplodocídeo, afirmou Whitlock, porque é tão antigo e primitivo que pode simplesmente não ter evoluído o que nós pensamos como um típico crânio diplodocídeo ainda.

Se o Lingwulong for, de fato, um diplodocídeo, ele é o primeiro a ser descoberto no Leste Asiático. Essa surpreendente descoberta é o que inspirou o nome do dinossauro, conforme os pesquisadores escrevem em seu artigo: “Lingwu, em homenagem à região em que o espécime foi encontrado; long, mandarim para ‘dragão”; e shenqi, mandarim para ‘incrível’, refletindo a inesperada descoberta de um dicraeossauro do Jurássico Médio da China”. Por fim, é o “incrível dragão de Lingwu”.

E, embora seja muitas vezes difícil adivinhar a aparência de um dinossauro ou como ele se comportava com base em um fóssil, Mannion tem algumas ideias.

“Não teria sido muito diferente de outros saurópodes, embora o grupo a que pertencia o Lingwulong tivesse pescoços levemente mais curtos do que outros saurópodes”, afirmou. Ele também apontou que eles iam de 11 a 17 metros de comprimento. “Eles provavelmente se moviam devagar na maior parte do tempo, em pequenos bandos, e comiam muito.”

[Nature Communications]

Imagem do topo: Zhang Zongda

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …